PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro é porta-voz da destruição, diz vencedor do Prêmio Jabuti 2021

Colaboração para o UOL

30/11/2021 11h41Atualizada em 30/11/2021 12h00

O escritor Jeferson Tenório, vencedor do Prêmio Jabuti 2021 com "O Avesso da Pele", disse ao UOL Entrevista hoje (30) que o Brasil elegeu um "porta-voz da destruição", se referindo ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Vamos ter sequelas que podem durar muitos anos. Elegeram o porta-voz da destruição. Um projeto que prevê a aniquilação", avaliou o escritor.

Para o autor, o país vive uma esquizofrenia generalizada. "Além do divã, o Brasil deveria ir para o psiquiatra. Chegamos num grau de esquizofrenia profunda que me assusta", disse Tenório.

Humanidade dos negros

Durante a entrevista, o escritor disse que o objetivo do seu livro é devolver a humanidade aos negros. "A população negra é constantemente violentada, sofrendo com o racismo estrutural. O avesso é o que há de mais humano em nós. É importante que a população negra procure preservar o que a faz humana", disse.

O Avesso da Pele conta a história de Pedro, que, após a morte do pai - assassinado numa desastrosa abordagem policial -, sai em busca de resgatar o passado da família e refazer os caminhos paternos. Mas, explica Jeferson Tenório, a obra também é sobre si mesmo e as experiências sofridas por outras pessoas negras.

"Um corpo negro em um espaço público sempre é um corpo em risco. Não importa se estuda, tem doutorado ou mestrado, se carrega Dostoiévski na pasta. Diante de um policial, vai ser um corpo negro. É uma ameaça, precisa ser eliminado", afirma.

Jeferson Tenório revela que já está em produção seu próximo livro, que vai girar em torno do embate dos negros nas universidades.