PUBLICIDADE
Topo

Notícias em primeira mão dos bastidores do futebol, informações exclusivas sobre o seu time, novidades do mercado da bola e o melhor do jornalismo esportivo em um só lugar. Só para assinantes UOL!

Clubes da Série B criam grupo e recrutam elite com demandas para Bolsonaro

Francisco José Battistotti, presidente do Avaí, é líder do movimento - Alceu Atherino / AVAÍ F.C.
Francisco José Battistotti, presidente do Avaí, é líder do movimento Imagem: Alceu Atherino / AVAÍ F.C.

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

04/03/2021 04h00

Integrantes da Série B, liderados pelo presidente do Avaí, Francisco José Battistotti, se reuniram para criar a Associação Brasileira de Clubes de Futebol e discutem demandas com secretários do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). O grupo busca apoio de membros da elite do esporte nacional, como Internacional e Grêmio, a fim de aumentar a força do movimento.

Haverá uma reunião virtual na próxima semana com o secretário de esportes do governo federal para debates políticos que interferem no futebol. Serão discutidos o refinanciamento do Profut, que foi pauta de Medida Provisória (MP) durante a pandemia do novo coronavírus, uma questão da Lei Pelé que determina pagamento de 100% do contrato em caso de rescisão antecipada do acordo com atletas e um pedido para que não sejam pagos direitos de arena a treinadores e árbitros de futebol.

Associação conversa com Botafogo e Vasco e já conta com apoio do Cruzeiro

A Associação Brasileira de Clubes de Futebol conta com 23 clubes até o momento. São cinco representantes da Série A, 15 da Série B e três da Série C. Dentre os participantes da elite do futebol nacional, estão Fortaleza, Ceará, Atlético-GO, Sport e Bahia. O Cruzeiro, que disputa a Série B pelo segundo ano consecutivo, é um dos integrantes do grupo. Francisco José Battistotti conversa com Botafogo e Vasco a fim de contar com a dupla do Rio de Janeiro na Associação. (Por Thiago Fernandes)

Título brasileiro do Flamengo acirra lobby por sede da Supercopa do Brasil

O título brasileiro do Flamengo acirrou o lobby das cidades interessadas em receber a Supercopa do Brasil, jogo único que reúne os campeões do Brasileiro e da Copa do Brasil. Antes do Rubro-Negro levantar a taça, Brasília era praticamente certa como a sede, mas algumas federações nordestinas intensificaram o trabalho de convencimento entre a cúpula da CBF. Uma das capitais que querem sediar a partida é Maceió, mas há outras no páreo. A partida será no dia 11 de abril e os dirigentes da entidade avaliam os ganhos políticos com a escolha do local da decisão. O Fla aguarda o vencedor da final entre Palmeiras e Grêmio. (Por Leo Burlá e Pedro Ivo Almeida)

Record vai pagar R$ 733 mil por jogo transmitido no Campeonato Carioca 2021

A Record exibirá ao todo 15 jogos do Campeonato Carioca em 2021. Serão 11 partidas da Taça Guanabara, mais dois jogos na semifinal e as finais. Com isso, a emissora pagará exatos R$ 733 mil por cada partida exibida em TV aberta. Em 2022, o valor sobe: será R$ 1 milhão por jogo para mostrar o Estadual do Rio com exclusividade. O valor é bem inferior ao que a Globo pagava até 2020. Só para os três clubes grandes do Rio que tinham contrato no ano passado (Fluminense, Botafogo e Vasco), a principal concorrente da Record pagava R$ 18 milhões por ano. Por dois anos, o canal de Edir Macedo desembolsará aos gigantes cariocas R$ 3,9 milhões. (Por Gabriel Vaquer)

Botafogo quer "bombar" PPV do Carioca e promete bastidores

Em um ano que precisa gerar receitas, uma das grandes apostas do Botafogo é a venda do pay-per-view do Campeonato Carioca. O Alvinegro vem realizando ações para atrair os torcedores a adquirir o pacote. Neste sentido, o clube promete transmissões com informações exclusivas e estuda até acesso aos bastidores, como entrevistas com o técnico e jogadores pouco após a chegada aos estádios. O produto foi lançado no último sábado (27), por R$ 129,90, mesmo preço das plataformas dos outros grandes do Rio. (Por Alexandre Araújo)