Topo

Fórmula 1


Cenário de Brasil sem GP de F-1 em 2021 é possível, mesmo com briga Rio-SP

Vettel tomou de Bottas a liderança do GP do Brasil logo na largada - Mark Thompson/Getty Images
Vettel tomou de Bottas a liderança do GP do Brasil logo na largada Imagem: Mark Thompson/Getty Images

Julianne Cerasoli

Do UOL, em Londres (ING)

09/07/2019 04h00

O GP do Brasil de Fórmula 1 corre risco a partir de 2021. E essa incerteza não é apenas sobre o local da corrida, mas sobre a manutenção do Brasil no calendário da mais importante categoria do automobilismo atual. A questão mais importante é a briga interna entre Rio de Janeiro e São Paulo para sediar o evento, mas a reportagem apurou que o pano de fundo envolve uma série de incertezas que abrem a possibilidade de o Brasil, de fato, perder a etapa.

Nas duas oportunidades em que demonstrou publicamente seu apoio à ida do GP Brasil de Fórmula 1 para o Rio de Janeiro a partir de 2021, o presidente Jair Bolsonaro justificou que a categoria estaria de saída do país. Ou seja: não haveria a chance de renovação com São Paulo, que recebe a prova em Interlagos desde 1991. "Seria isso ou a saída do Brasil", declarou o presidente, quando garantiu, em cerimônia que contou com a presença do CEO da F-1, Chase Carey, que havia "99% de chance" do Rio passar a receber a prova".

LEIA TAMBÉM

Já era um reflexo da situação delicada da prova brasileira. Os custos de transporte para a realização da corrida são altos, por ela ser a única na América do Sul, e, mesmo com a importância do mercado brasileiro para a Liberty Media, a Fórmula 1 só fica no país com um acordo financeiro favorável à categoria. E é aí que começam os problemas.

Depois do evento em Brasília, Carey se reuniu com o promotor da corrida em São Paulo, Tamas Rohonyi, e também com representantes da TV Globo, que detém os direitos de transmissão, no Rio de Janeiro. Da emissora, Carey recebeu uma proposta inferior ao que é pago atualmente pelos direitos de transmissão, em uma negociação que pode se complicar, uma vez que a Liberty Media, que comanda a Fórmula 1, quer tirar da emissora os direitos de exclusividade do conteúdo digital, a fim de explorar no Brasil, que é seu maior mercado em termos de audiência, o conteúdo on-demand.

A Globo era uma das principais financiadoras do próprio GP Brasil em Interlagos, e pagava parte da anuidade cobrada pela categoria. Esse pagamento, contudo, foi revisto em 2016 e, a partir do ano seguinte, Interlagos costurou um acordo com o então dono da F-1, Bernie Ecclestone, para realizar as provas de 2018, 19 e 20 sem pagar esta anuidade, que varia dependendo do tipo de contrato de cada etapa, mas fica geralmente entre 25 e 30 milhões de dólares.

Encontrar uma forma de voltar a arcar com esse custo é o desafio atual de Interlagos, que passou nos últimos anos por um extensa reforma - que custou 160 milhões de reais aos cofres públicos, em obra realizada por meio do PAC - para a atualização especialmente da área de paddock, que era fonte de queixa das equipes.

Já do lado do Rio de Janeiro, questões judiciais e a recente abertura de investigação do Ministério Público acerca do financiamento da obra, que ainda está em fase de projetos, geram incertezas em relação à viabilidade da construção de um autódromo completamente novo em tão pouco tempo. Das últimas provas que entraram no calendário da Fórmula 1, a pista que ficou pronta em menor tempo foi no Bahrein, em projeto financiado pelo dinheiro vindo do petróleo e amplo apoio estatal. A pista ficou pronta em 22 meses e, caso o Rio seja confirmado para o calendário de 2021 da Fórmula 1, faltariam apenas 28 meses até a corrida acontecer.