PUBLICIDADE
Topo

Airbags mortais: Ford terá que realizar recall de 3 milhões de veículos

Ford Ranger - Getty Images
Ford Ranger Imagem: Getty Images

Do UOL

Em São Paulo (SP)

21/01/2021 14h41

Depois de anos tentando reverter a decisão da Administração Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário dos Estados Unidos (NHTSA) de um grande recall para os airbags defeituosos da marca Takata, a Ford teve sua apelação negada pela justiça americana e terá que trocar os airbags de 3 milhões de veículos.

A Associated Press listou modelos Ford e Mazda que deverão ter ao menos os airbags do lado do motorista trocados. São eles: Ford Ranger 2007-11, Ford Fusion 2006-12, Ford Edge 2007-10, Lincoln Zephyr/MKZ 2006-12, Lincoln MKX 2007-10, Mercury Milan 2006-11, Mazda B-Series 2007-09.

No momento, 100 milhões de carros de diversas montadoras já receberam recall devido aos airbags da Takata. Maior chamado da história, ele ocorreu devido a um defeito de projeto da marca.

A Takata usava nitrato de amônio para produzir explosões controladas para inflar os airbags, mas em condições úmidas os produtos químicos propulsores se degradavam. Como resultado, a ação do airbag se tornou tão intensa que destrói o próprio compartimento do inflador, ejetando metal para dentro da cabine.

No entanto, a empresa passou a usar sulfato de cálcio para absorver a umidade, para reduzir a degradação e o risco de uma explosão. A Ford tentou argumentar que a medida fazia dos veículos seguros, mas a NHTSA negou. Agora, a montadora deve informar um plano de recall a seus clientes nos próximos 30 dias.

Até o momento, o defeito foi confirmado como causa de pelo menos 27 mortes em todo o mundo e mais de 400 feridos.

O UOL Carros procurou a Ford no Brasil para saber se o país terá algum veículo afetado pelo recall anunciado nos Estados Unidos. "A Ford tomou conhecimento desta decisão por meio de sua matriz nos Estados Unidos e já comunicou ao DPDC que está investigando, localmente, se há necessidade de anúncio desta campanha de recall no Brasil para unidades potencialmente envolvidas. Se confirmada, a empresa adotará todas as medidas legais cabíveis", respondeu a montadora.