Topo

Alimentação

Ideias e informações para você comer melhor


Não precisa cortar arroz branco da dieta; não é tão diferente do integral

Imagem: iStock

Chloé Pinheiro

Colaboração para o UOL VivaBem

03/04/2019 04h00

Resumo da notícia

  • O arroz integral é considerado melhor do que o branco, mas a quantidade de fibras e o índice glicêmico não são tão diferentes
  • Se você não gosta de arroz integral, pode sim consumir o branco sem prejudicar a saúde ou a dieta
  • Sempre consumi-lo com feijão e manter a dupla ocupando um quarto do prato é uma boa estratégia

Um dos primeiros itens que cortamos da dieta é o arroz branco. No entanto, será que deveríamos? Ao comparar os nutrientes dos dois, à primeira vista eles até se parecem.

Veja as informações da Tabela Brasileira de Composição de Alimentos (TACO), da Unicamp, para cada 100 gramas de arroz:

Integral cozido (85 g)

  • Energia: 105,5 kcal
  • Proteínas: 2,2 g
  • Carboidratos: 22 g
  • Fibras: 2,2 g

Branco cozido (85 g)

  • Energia: 108,8 kcal
  • Proteínas: 2,1 g
  • Carboidratos: 23,8 g
  • Fibras: 1,3 g

Fibras na balança

A maior diferença entre os dois está no processo de fabricação. O branco passa por polimentos para ficar mais claro e fácil de preparar --cozinha em um tempo até 50% menor do que o integral. Nesse processo, vão embora o farelo e o germe, duas camadas mais externas do arroz que concentram boas quantidades de fibras e vitaminas.

No caso das fibras, a diferença é pequena só na aparência. Mesmo que sejam poucos gramas, trata-se de uma quantidade significativa, especialmente se pensarmos que devemos comer 20 gramas ao dia de fibras.

Imagem: iStock
O arroz integral dá uma bela ajuda para atingir a quantidade ideal de fibras. Em 150 gramas (2 escumadeiras cheias), são 4 gramas do nutriente, ou seja, 20% da ingesta total recomendada ao dia. Mas a mesma quantidade do arroz branco tem 2,5 g, 12,5% da recomendação.

E se você aliar o arroz branco a outros itens ricos em fibras como o feijão (que tem 10 g de fibras em uma concha média), você ainda fica próximo do aporte necessário de fibras.

Além disso, o índice glicêmico de ambos é entre médio e alto: enquanto o arroz branco tem 73, o do arroz integral é 68. Como a margem de erro é de 4 pontos, eles estão tecnicamente empatados. Ou seja, a conversão do carboidrato em glicose dos dois itens é semelhante, então não muda tanto como cada um interfere na glicemia.

Comparando os micronutrientes

Mesmo quando pensamos nas vitaminas e minerais, inicialmente as quantidades do arroz integral podem saltar à vista. Afinal quando comparado com o arroz branco ele possui:

  • 30 vezes mais magnésio;
  • 5 vezes mais potássio;
  • 2 vezes mais selênio.

Mesmo assim, quando olhamos para a porcentagem do valor diário recomendado, percebemos que não é tanto assim. Uma escumadeira média (85 g) possui 19% do valor diário recomendado de magnésio. No entanto, esse mineral está muito presente em leguminosas como o feijão.

Agora quando pensamos em potássio, a mesma escumadeira representa apenas 9% do valor diário recomendado. E pensando nas recomendações diárias de selênio, ele representa apenas 2% dessa meta --que você pode bater apenas consumindo uma castanha-do-Pará.

Arroz de qualquer jeito

Imagem: Istock
É claro que consumir o tipo integral torna mais fácil chegar na quantidade idade de fibras, minerais e vitaminas do que o arroz branco, ninguém está negando isso. No entanto, nem todo mundo gosta de arroz integral. E todos os especialistas ouvidos na reportagem concordam que esse cereal é parte de um cardápio saudável, mesmo que branco.

Além de fornecer energia, combinado com o feijão e outras leguminosas, ele se torna fonte de proteínas e nutrientes importantes para a saúde, como a lisina, aminoácido essencial que hoje é vendido até como suplemento. A dica para que ele continue sendo benéfico é comer quantidades moderadas --arroz e feijão devem ocupar cerca de um quarto do prato.

Para compensar a falta de micronutrientes, complete o prato com outras fontes de fibras e substâncias benéficas, como verduras cruas e cozidas e legumes. Também coma mais frutas durante o dia. A diversidade na escolha dos alimentos sempre fará mais diferença do que um ou outro item isolado, no fim das contas.

Fontes: Ana Maria Roma, nutricionista e coordenadora do Setor de Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp); Andrea Pereira, nutróloga com doutorado pela Unifesp e médica do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein; Regina Pereira, nutricionista membro do Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp); Ursula Maria Lanfer Marquez, farmacêutica-bioquímica e pesquisadora aposentada da Universidade de São Paulo.

SIGA O UOL VIVABEM NAS REDES SOCIAIS
Facebook - Instagram - YouTube

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não precisa cortar arroz branco da dieta; não é tão diferente do integral - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Newsletters

Dicas simples e práticas, que cabem no dia a dia, para você ter uma vida mais saudável. Receba toda segunda-feira.

Alimentação