Topo

Camarão dá socos que chegam a 80 km/h, e biólogos estudam a origem da força

Edison Veiga

Milão para o UOL

25/10/2018 04h01

Das coisas esquisitas na natureza, um animal chamado camarão mantis é conhecido por espancar a presa antes do abate. Trata-se, proporcionalmente, do golpe mais poderoso do reino animal. Agora, cientistas desvendaram o funcionamento desse soco digno de José Aldo.

O camarão mantis é um crustáceo estomatópode, também conhecido como tamarutaca, lacraia-do-mar, lagosta-boxeadora ou camarão-louva-a-deus-palhaço. Dentre 400 espécies, o ‘Odontodactylus  scyllarus’ é o que desfere um golpe mais violento: seu soco chega a 80 quilômetros por hora, aceleração semelhante a uma arma calibre .22.

Com uma pressão resultante de 60 quilos por centímetro quadrado, o bicho consegue facilmente quebrar a carapaça de um caranguejo – ou até mesmo o vidro de um aquário, em alguns casos.

Há espécies de tamarutacas no litoral brasileiro. Mas o Odontodactylus scyllarus  habita a região do Indo-Pacífico, de Guam até a África Oriental.

Camarão mantis - dono de um 'soco' potente, capaz de quebrar vidros - Maryam Tadayon/Biological & Biomimetic Materials Laboratory
Camarão mantis - dono de um 'soco' potente, capaz de quebrar vidros
Imagem: Maryam Tadayon/Biological & Biomimetic Materials Laboratory
Pesquisa

Em artigo publicado na última semana no jornal iScience, pesquisadores explicam o que acontece no organismo desse crustáceo e como funciona seus apêndices que, tais e quais porretes, são capazes do mais poderoso golpe do reino animal.

Em linhas gerais, a pesquisa demonstrou que o golpe do camarão funciona graças a uma estrutura que armazena e libera energia. São duas camadas feitas de diferentes materiais. 

“Trata-se essencialmente de uma estrutura de duas camadas: uma superior, feita de biocerâmica (carbonato de cálcio amorfo), e uma inferior, de biopolímero (quitina e proteínas)”, explicou ao UOL o pesquisador Ali Miserez, professor da Universidade de Tecnologia de Nanyang, em Singapura, principal autor do estudo.

“A estrutura orgânica é carregada elasticamente pela flexão, de tal forma que a camada superior é comprimida enquanto a camada inferior é esticada.”

Segundo Miserez, este arranjo tem a capacidade intrínseca de explorar as propriedades mecânicas do material: as cerâmicas são fortes em compressão e podem armazenar uma quantidade maior de energia.

“No entanto, eles são frágeis sob carga de tração, portanto, uma estrutura feita apenas de biocerâmica não funcionaria para armazenar energia, porque a parte inferior provavelmente se quebraria. É aí que o biopolímero é útil – pois é mais forte em tensão, de modo que a camada inferior pode ser esticada sem se danificar”, complementa o cientista.

Histórico e aplicação

O pesquisador diz que houve trabalhos de outros cientistas utilizando câmeras de alta velocidade e sensores de força para medir o impacto do soco do camarão mantis.

“Esses dados mostraram a força que tais animais conseguem geral com seus apêndices porretes”, afirma. “Em nossa pesquisa, investigamos a estrutura e as propriedades micromecânicas desse organismo. Mostramos como ele consegue gerar forças tão altas sem se fraturar.” De acordo com o cientista, se a estrutura fosse feita de um material homogêneo, certamente se quebraria.

A pesquisa concluiu que “a natureza desenvolveu um design muito eficiente”, no caso da maneira como este camarão utiliza seu próprio organismo para caçar suas presas – tamarutacas são animais exclusivamente carnívoros: alimenta-se de camarões menores, caranguejos, moluscos e peixes.

O estudo do camarão mantis pode nortear o desenvolvimento de estruturas artificiais em impressoras 3D e utilizá-las em microrrobótica, por exemplo.

“Se você puder comprimir essas estruturas, elas serão muito fortes”, diz Miserez.

Mais Tilt