Topo

Vai um cafezinho? Entenda a tecnologia por trás da máquina que usa cápsulas

Rodrigo Lara

Colaboração para Tilt, em São Paulo

19/05/2022 04h00

Quem não dispensa um café sabe bem que uma das formas mais práticas para se fazer a bebida é usar uma máquina de cápsulas. Há, claro, quem prefira métodos mais tradicionais, que envolvem usar um coador, justamente por ser uma espécie de ritual que envolve a bebida, mas isso demanda tempo.

Com as máquinas de cápsulas, tudo acontece rapidamente. Basta ligar, esperar ela ficar pronta para uso (questão de segundos), colocar a cápsula, apertar um botão e a bebida fica pronta. Mas você sabe como essa "mágica" acontece? Abaixo explicamos a tecnologia por trás do processo.

Como funciona?

Imagem: Guilherme Zamarioli/UOL

Uma coisa que une métodos tradicionais de se fazer café com essas máquinas é que a água deve estar quente antes de entrar em contato com o pó.

As cafeteiras de cápsula fazem isso ao usar uma pequena bomba de água que direciona o líquido que está no reservatório para o sistema interno do equipamento. Nesse processo, o líquido passa por um pequeno tubo de cobre, que encontra-se em uma temperatura elevada.

Nisso, ele troca calor com a água, deixando ela quente. Uma vez aquecida, a água precisa entrar em contato com o café para o preparo da bebida.

Essas máquinas preparam o café por extração, de forma similar ao que ocorre em máquinas de café espresso.

Sendo assim, a água quente simplesmente "passa" pelo café, em alta temperatura, com uma pressão constante de cerca de 20 vezes a pressão atmosférica.

O segredo de uma boa máquina do tipo é ter esse processo acompanhado de uma temperatura constante e precisa —que o equipamento é capaz de manter.

Aqui, vale detalhar como é uma cápsula de café. Em geral, elas são arredondadas e têm formato relativamente cônico. Dentro, obviamente, vai pó de café. Fechando o lado de maior diâmetro, usa-se uma película que pode ser de alumínio.

Dependendo da máquina, há variações do método de preparo. Algumas usam uma cápsula que tem um pequeno bico do lado oposto dessa película. Esse bico é perfurado quando a máquina entra em funcionamento e expõe um filtro bem pequeno, que evita que o café saia com impurezas.

Neste caso, a entrada de água se dá pelo lado da cápsula que tem a película de alumínio, enquanto a saída ocorre pelo lado "duro" dela.

Outras máquinas, porém, fazem ao contrário: a parte mais dura da cápsula é perfurada para a injeção de água quente em alta pressão, enquanto a extremidade recoberta de alumínio é rompida, de forma que a bebida saia pronta.

Uma vez que o processo é finalizado, basta remover a cápsula usada. Alguns modelos até fazem isso automaticamente, jogando o material para um reservatório interno.

Dúvidas comuns

Qual tipo de café é usado na cápsula?

Assim como ocorre com métodos tradicionais, as cápsulas usam café moído em seu interior —há quem pense que utiliza-se café solúvel, mas não é o caso.

A partir daí, é possível adotar variedades diferentes do pó e até mesmo quantidades, de maneira a obter o resultado desejado, como um café mais forte ou mais aromático.

As cápsulas podem ser recarregadas e reutilizadas?

Quem bebe muito café e utiliza essas máquinas já reparou que o custo das cápsulas não é baixo. Neste contexto, uma ideia é inevitável: é possível preencher uma cápsula vazia e reutilizá-la?

Se for uma cápsula convencional, a resposta é não.

É possível, porém, adquirir cápsulas reutilizáveis, com versões para diferentes tipos de máquinas. Assim, é possível preencher o seu conteúdo com o café de sua preferência após cada uso, mas os resultados tendem a variar mais do que quando se utiliza as cápsulas descartáveis.

Fonte:

João de Sá Brasil Lima - Dr. Prof. de Engenheira Mecânica do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT)

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vai um cafezinho? Entenda a tecnologia por trás da máquina que usa cápsulas - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL


A tecnologia por trás...