PUBLICIDADE
Topo

Sucesso da Apple vem da experiência, não do produto, diz ex-diretor da empresa

John Sculley, ex-diretor da Apple e da Pepsi, fala com jornalistas durante o Info Trends 2012 em São Paulo - Guilherme Tagiaroli/UOL
John Sculley, ex-diretor da Apple e da Pepsi, fala com jornalistas durante o Info Trends 2012 em São Paulo Imagem: Guilherme Tagiaroli/UOL

Guilherme Tagiaroli

Do UOL, em São Paulo

21/06/2012 10h57Atualizada em 21/06/2012 12h37

John Sculley, ex-diretor executivo da Apple, disse que grande parte do sucesso da Apple vem da experiência que os produtos da marca passam, e não  necessariamente o produto em si. Sculley é um dos palestrantes do evento Info Trends 2012, realizado pela revista "Info Exame", nesta quinta-feira (21).

Apesar de dizer que a Apple sempre fez grandes produtos, o ex-diretor executivo da companhia pontua que a grande inovação da empresa foi vender uma experiência ao consumidor aliada a um grande design. "Quando lançamos o Macintosh, fizemos um comercial que não falava nada sobre especificações técnicas, apenas a ideia que queríamos passar. E foi um sucesso."

Além disso, argumenta ele, a Apple foi a primeira empresa a pensar em um computador que não fosse uma grande caixa. O mesmo ocorreu com todos os outros produtos da Apple. "Veja a diferença entre o iPod e o Zune. Na Microsoft, eram os engenheiros que mandavam. Já na Apple, a equipe era comandada por designers."  A Microsoft resolveu recentemente descontinuar a linha de tocadores.

No evento de abertura, Sculley explicou que é a mentalidade do Vale do Silício (região da Califórnia que abriga a sede das principais empresas de tecnologia do mundo) que  faz com que as empresas instaladas lá façam tanto sucesso. "Temos uma cultura de aprendizado. Se erramos, aprendemos e tentamos crescer com isso. Agora vai tentar errar na Alemanha..."

Para justificar, ele citou vários exemplos das empresas de tecnologia mais importantes da década de 90. "A Microsoft errou em quase todos suas tentativas de fazer programas para dispositivos móveis."  Já a Apple, disse, errou em computadores como o Lisa e o Apple III.

  • 24.abr.1984 - Sal Veder/AP

    Steve Jobs (esq.), John Sculley (centro) e Steve Wozniak, da Apple, durante apresentação do Apple II em 1984

Convivência com Gates e Jobs

Atualmente trabalhando como investidor e consultor de empresas, Sculley diz que um dos aspectos que mais chamava a atenção em suas conversas com Bill Gates e Steve Jobs era o tipo de liderança visionária deles. Em conversas, por exemplo, nunca se falava sobre dinheiro. "Não se falava sobre lucro, mas em mudar o mundo."

Histórico

John Sculley foi presidente da Pepsi entre 1978 e 1983. Durante sua gestão, marcada por campanhas de marketing bem sucedidas, Sculley fez o refrigerante figurar na lista dos itens embalados mais vendidos dos Estados Unidos.

Em seguida, Sculley foi convidado por Steve Jobs, cofundador da Apple, para trabalhar como diretor-executivo da empresa de computadores. “Você quer continuar fazendo água gaseificada com açúcar ou mudar o mundo?”, teria dito Jobs a Sculley durante a ocasião.

Ao assumir a diretoria-executiva da Apple, Sculley participou de lançamentos como da linha de computadores de mesa Macintosh, Powerbook (nome dados aos computadores portáteis da companhia) e Newton (um computador de mão, que foi um fracasso de venda, mas serviu de base para os smartphones sensíveis ao toque disponíveis atualmente).

Sculley ganhou notoriedade  por ter supostamente demitido Steve Jobs, o próprio fundador da companhia que o contratou. No entanto, em biografia autorizada sobre a vida de Jobs, ele disse que houve uma desavença e que após um tempo o próprio pediu demissão. Ele permanceu na companhia entre 1983 e 1993. Atualmente, trabalha como investidor de start-ups na área de medicina.