PUBLICIDADE

Galaxy A51

Moto G9 Plus

Topo

Galaxy A51 x Moto G9 Plus: quem leva a melhor entre os intermediários?

Reprodução
Imagem: Reprodução

Cléberson Santos

Colaboração para Tilt

24/02/2021 04h00

Para quem busca um celular com algumas características de top de linha, mas que esteja ao alcance do seu bolso, o Galaxy A51 e o Moto G9 Plus se apresentam como boas opções.

Lançado no começo de 2020, o Galaxy A51 foi um dos aparelhos mais vendidos do mundo no ano passado. Já o Moto G9 Plus saiu em setembro e quase passou batido pelos consumidores por conta da quantidade de novidades da Motorola.

O G9 Plus leva a melhor no quesito bateria, que carrega rápido e garante tranquilamente dois dias de uso, enquanto o A51 tem vantagem no design, que não deve em nada para os melhores aparelhos disponíveis no mercado.

De acordo com a loja oficial de cada uma das marcas, o Galaxy A51 sai por R$ 2.069,10 e o Moto G9 Plus por R$ 1.799,10. Os valores se referem a compras à vista e foram consultados no dia 23 de fevereiro de 2021.


Divulgação
TILT
3,8 /5
Veja o review

Galaxy A51

Preço

R$ 2.199 R$ 2.057 (Samsung - 24/02/2021) Comprar
Motorola
TILT
4,3 /5
Veja o review

Moto G9 Plus

Preço

R$ 2.499 R$ 1.789 (Motorola - 24/02/2021) Comprar
ENTENDA AS NOTAS DA REDAÇÃO

4,0

5,0

4,0

5,0

4,0

5,0

3,0

5,0

4,0

4,0

4,0

-

3,0

4,0

4,0

5,0

4,0

5,0

4,0

5,0

4,0

4,0

4,0

5,0

Pontos Positivos

  • Design típico de top de linha
  • Câmera traseira com muita variedade de lentes
  • Tela ótima para ver conteúdos
  • Bateria e otimizações de software e hardware garantem dois dias de uso tranquilos longe da tomada
  • Carregamento superrápido ajuda a manter celular sempre ativo
  • Tela LCD impressiona com brilho forte, contrastes profundos, cores vibrantes e nenhuma distorção. Quase tão boa quanto uma tela Oled

Pontos Negativos

  • Preço um pouco alto para virar "rei do custo-benefício"
  • Câmera frontal não vai muito bem em fotos à noite
  • Desempenho poderia ser melhor para um celular intermediário
  • Câmeras extras mais atrapalham do que ajudam, embora sensor principal seja de boa qualidade
  • Desempenho tem alguns engasgos que podem ficar piores com o passar do tempo

Veredito

Galaxy A51 é uma boa opção para quem não quer gastar muito dinheiro em celulares top de linha. Conta com um design bacana e uma variedade grande de câmeras. Mas decepciona no desempenho.

O Moto G9 Plus traz um bom equilíbrio entre recursos e preço. A tela e a bateria são dignas de smartphones bem mais caros, mas as câmeras extras e o desempenho não mentem: este é um celular intermediário. Vale a pena se você está procurando um aparelho com bom custo-benefício e não liga para um engasgo aqui e ali, ou não é muito atento à fotografia.

É o design que dá um toque de top de linha para o Galaxy A51, porque traz traseira elegante, com efeitos de luz, e a tradicional moldura para a câmera principal.

O Moto G9 Plus é um celular grande, mas não chega a ser pesado ou difícil de ser equilibrado na mão. A traseira é de plástico e acumula muita sujeira, principalmente marcas de dedo. Assim como o A51, as câmeras traseiras também ficam numa moldura quadrada e elevada.

O grande diferencial no design do Moto G9 Plus é a disposição dos botões (e o que eles fazem). O botão de ligar e desligar na lateral direita, por exemplo, serve de sensor de impressões digitais. Do lado esquerdo, há um botão exclusivo para acionar o Google Assistente.

Veredito: No ponto de vista estético, o Galaxy A51 leva a melhor, principalmente pelo acabamento na parte traseira. O Moto G9 Plus peca pela sensibilidade nos botões, que permite a ativação ao menor toque acidental.

O A51 conta 6,5 polegadas de tela (16,5 cm), com resolução Full HD+ e a qualidade Super Amoled, que rende um brilho e uma qualidade bacana para o visor, ótimo para quem curte assistir a séries ou jogar com o aparelho.

A tela do G9 Plus também é Full HD+, mas é ligeiramente maior, de 6,8 polegadas (17,2 centímetros). O painel é um LTPS LCD. A qualidade técnica é inferior, mas na prática é tão bom que até parece um Oled.

Veredito: O Moto G9 Plus leva a melhor no tamanho, porém os dois aparelhos estão bem equilibrados no que diz respeito à qualidade da tela, que permite assistir a conteúdos de forma confortável.

Com uma bateria de 4.000 mAh, o A51 não deve deixar você na mão. Em condições normais, ela deve aguentar cerca de um dia longe da tomada, com um pouco de sobra para o dia seguinte. Já o Moto G9 Plus vem com uma bateria de 5.000 mAh, o que justifica os seus 9,7 milímetros de espessura.

Por conta da pandemia, Tilt testou um tipo de uso mais cotidiano do Galaxy A51, com acessos esporádicos a jogos e redes sociais. A bateria durou dois dias nesse ritmo leve.

O Moto G9 Plus, no entanto, passou por um teste mais robusto. Ele ficou rodando um vídeo em looping com a tela cheia, no brilho máximo, wi-fi ligado, sem notificações, 4G e Bluetooth desligados, além de todos os apps de segundo plano fechados. A bateria aguentou 13h32m neste ritmo.

Além de ter uma bateria mais potente, outra vantagem do G9 Plus é o carregador TurboPower de 30 W, que fez o aparelho ir de 0% a 100% em pouco mais de uma hora.

Veredito: Nesse quesito, é inegável a vantagem do modelo da Motorola, que vence tanto no desempenho da bateria quanto do carregador. Muito tempo fora da tomada e pouco tempo nela.

Câmeras principais

Tanto o Samsung quanto o Motorola contam com quatro câmeras traseiras, seguindo o padrão usado por aparelhos similares: uma principal, uma grande angular, uma de profundidade e uma lente macro.

O Galaxy A51 lida bem com a luminosidade do sol e o contraste das imagens é bom. A câmera principal ainda tem um modo noturno útil, mas que não chega a ser no mesmo nível de celulares top de linha. A lente macro ajuda a realçar detalhes de fotos tiradas próximas ao objeto.

Câmera principal traseira do Galaxy A51 - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Câmera principal traseira do Galaxy A51
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Já o G9 Plus não possui um conjunto tão confiável. A lente grande-angular gera uma distorção notável nos cantos das fotos e erra muito nas cores, além de perder muitos detalhes. Já a câmera macro não consegue cumprir o seu objetivo, deixando sem foco as imagens tiradas próximas ao objeto.

A câmera principal de 64 MP é a única que se salva consistentemente. As cores e contrastes são bons, o foco é rápido e a definição é satisfatória. Por padrão, as fotos feitas com esse sensor são geradas em 16 MP, mas se você quiser pode desbloquear o modo de alta resolução no app da câmera e gerar imagens enormes, com até 64 MP.

Veredito: Ambos os aparelhos estão bem equilibrados tecnicamente e apresentam o mesmo conjunto de quatro câmeras traseiras. Porém, o Moto G9 Plus não consegue entregar tanta qualidade em suas lentes secundárias, enquanto o A51 fica em vantagem por oferecer melhor qualidade em todas as suas lentes.

Moto G9 Plus: veja fotos feitas com o celular

Câmera frontal

O modelo da Samsung vem com uma câmera frontal de 32 MP. Em ambientes iluminados, ela tira boas fotos e agrada muito, mas sob uma iluminação mais fraca, as fotos não ficam com boa qualidade. A câmera para selfie do A51 vem com uma função de desfoque de fundo, que reconhece apenas rostos. O recurso não funcionou quando quando tiramos uma foto usando máscara.

Foto à noite com a câmera frontal do Galaxy A51 - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL - Gabriel Francisco Ribeiro/UOL
Foto à noite com a câmera frontal do Galaxy A51
Imagem: Gabriel Francisco Ribeiro/UOL

Apesar da resolução menor, de 16 MP, o Moto G9 Plus entrega um bom resultado. O sensor de 16 MP tira fotos bem detalhadas, com cores vibrantes e contraste competente. O seu papel principal — deixar o rosto do usuário em destaque, bonito e sem exagerar nos filtros artificiais — é cumprido com tranquilidade.

Veredito: Não seria exagero dizer que os dois ficam empatados quando o assunto é selfie. Apesar da melhor resolução, o A51 apresenta falhas em contextos específicos, enquanto o G9 Plus, com metade dos MP do concorrente, não decepciona.

O desempenho é o quesito em que o A51 deixa mais a desejar. Não é ruim como celulares básicos, mas também não é tão bom quanto outros aparelhos de valor similar.

O celular não chega a travar, fechar aplicativos sozinho ou afins, mas seu uso é prejudicado por uma lentidão acima do esperado ou com algumas engasgadas em aplicativos.

Já o G9 Plus não é nenhum monstro, mas também não decepciona. Para tarefas do dia a dia, como navegar nas redes sociais, responder mensagens e ouvir música, o conjunto dá conta do recado. Ele engasga em algumas situações específicas, como jogar games mais pesados, que rodam com qualidade mais baixa.

No mais recente ranking do Antutu, o Galaxy A51 aparece como o 88º melhor desempenho entre os aparelhos disponíveis no mercado, além de somar 313 pontos na lista do Geekbench. O Moto G9 Plus não apareceu na lista de nenhum dos dois sites.

Veredito: No que se propõe a ser — aparelhos intermediários com pinta de top de linha —, o desempenho de ambos nos traz de volta à realidade. Os dois têm os seus engasgues, mas nada que atrapalhe o uso no dia a dia.

O Galaxy A51 vem com um leitor de digitais embutido na tela do celular, assim como os últimos tops de linha da Samsung. O recurso funciona bem, apesar de ser menos preciso do que nos celulares mais caros.

Assim como no A50, o modelo brasileiro do celular vem com TV digital embutida — o que deve agradar uma parcela do público ávida por consumir os canais abertos sem usar o tráfego da rede de internet.

No caso do Moto G9 Plus, o principal recurso extra é o já citado botão exclusivo para o Google Assistente, ótimo para quem é adepto dos comandos de voz.

Resultado

Ambos os celulares estão equilibrados no que se propõem a oferecer. Apesar de o preço ainda estar acima dos R$ 2.000 na loja oficial, alguns revendedores já disponibilizam o Galaxy A51 por R$ 1.500, valor justo para um aparelho com mais de um ano de mercado. O G9 Plus, mais recente, está com o mesmo preço da loja oficial nos principais revendedores.

O A51 possui muitos quesitos para agradar o usuário: um design digno de top de linha, muitas opções para fotografar, tela que não deixa a desejar. Faltou apenas um trato melhor no desempenho.

No caso do G9 Plus, seu valor está dentro do padrão do mercado para um celular com uma tela grande e de boa qualidade, desempenho satisfatório (por enquanto) e bateria para dar e vender.

O principal defeito é o design — a traseira de plástico acumula marcas de dedo e o sensor de digitais na lateral pode atrapalhar. Nada que não se resolva com uma capinha ou um pulo no app de configurações. A câmera pode não ser perfeita, mas dá conta do recado e não deixa a desejar diante dos rivais.

Com a avalanche de lançamentos feitos pela Motorola, pode-se ter a impressão que o G9 Plus é um aparelho que logo estará obsoleto. Porém, ele ainda é uma boa opção para quem gosta da marca.

Especificações técnicas
  • Android 10

  • Sistema Operacional

  • Android 10

  • 158.5 x 73.6 x 7.9 mm

  • Dimensões

  • 170 x 78,1 x 9,7 mm

  • Não tem

  • Resistência à água

  • Não

  • Preto e azul

  • Cor

  • Ouro rosé e azul indigo

  • R$ 2.199 (lançamento)

  • Preço

  • R$ 2.499 (lançamento)

Tela
  • Super Amoled

  • Tipo

  • LCD LTPS

  • 6,5 polegadas

  • Tamanho

  • 6,8 polegadas

  • Full HD+

  • Resolução

  • 1080 x 2400

Câmera
  • 32 MP

  • Câmera Frontal

  • 16 MP

  • quádrupla (48 MP, 12 MP, 5 MP e 5 MP)

  • Câmera Traseira

  • Quádrupla (64 MP + 8 MP + 2 MP + 2 MP)

Dados técnicos
  • Exynos 9611 octacore

  • Processador

  • Snapdragon 730G

  • 128 GB

  • Armazenamento

  • 128 GB

  • 4 GB

  • Memória

  • 4 GB

  • 4.000 mAh

  • Bateria

  • 5.000 mAh