PUBLICIDADE
Topo

Esporte

4 jogadores que visitaram e bateram bola com Pablo Escobar

Do UOL, em São Paulo

08/10/2016 06h00

A ligação do traficante Pablo Escóbar com o futebol foi muito forte. Ele investiu em clubes como Atlético Nacional e Independiente Medellín, lavou dinheiro em contratações e bilheteria e foi acusado até de perseguir árbitros. Por outro lado, o colombiano também gostava de jogar futebol com os profissionais.

Em mais de uma oportunidade, segundo reportagens da época e relatos de ex-empregados, estrelas do futebol colombiano visitaram o chefe do narcotráfico na prisão La Catedral para uma partida. Até Maradona esteve no local para um duelo "amistoso".

As visitas de Escobar

  • REUTERS/Alessandro Bianchi

    Maradona

    Segundo a imprensa argentina e colombiana, Maradona visitou Escóbar na prisão sem saber quem era a pessoa importante que havia pago muito dinheiro por um amistoso. "Quando entrei, o lugar parecia um hotel de luxo de Dubai. Jogamos a partida e aproveitamos muito. À noite teve uma festa com as melhores mulheres, e eu estava em uma prisão! Não podia acreditar. Na manhã seguinte ele me pagou e se despediu de forma amável", contou Maradona em frases creditadas ao Diário de Mendoza.

  • Getty Images

    Higuita

    O icônico goleiro colombiano é apontado como um dos jogadores que mais vezes visitou Escóbar. O ex-jogador alega que era amigo do traficante havia muito tempo. Uma cena em vídeo mostrando Higuita saindo de uma caminhonete na chegada à prisão de La Catedral para visitar o traficante se tornou um exemplo famoso da relação de Escóbar com astros do futebol.

  • AFP PHOTO / ANDREAS SOLARO

    Valderrama

    O meio-campista sempre se mostrou reticente em admitir sua presença em visitas ao narcotraficante. No entanto, segundo reportagens colombianas, ele se encontrou algumas vezes com Escobar. Primeiramente, acompanhando Higuita, muito próximo do traficante; depois, junto com parte do elenco da seleção colombiana.

  • Ronald Martinez/Allsport

    Óscar Pareja

    Pareja era o capitão do Independiente Medellín, um dos times ajudados por Escobar, e afirma que aceitou o convite para fazer a visita por medo. No entanto, ele contou depois que foi tratado como um deus pelo traficante, que ainda lhe disse para ficar tranquilo, sem reclamar muito durante as partidas, porque "os juízes eram muito bem pagos".

Esporte