PUBLICIDADE
Topo

Jipe submarino? Como veículo 4x4 viralizou rodando mesmo embaixo d'água

Alessandro Reis

Do UOL, em São Paulo (SP)

28/10/2020 16h00

Veículos 4x4 "raiz" trazem suspensões elevadas, tração nas quatro rodas e, eventualmente, acessórios e modificações para encarar os terrenos mais difíceis. Isso inclui atravessar lamaçais e alagamentos profundos.

Até aí, tudo bem. Mas existe algum modelo fora de estrada capaz de rodar totalmente submerso, com o motor ligado e sem sofrer calço hidráulico? Um vídeo que viralizou nas redes sociais sugere que sim.

Na gravação, postada no canal "4x4md" do Instagram, um jipe está completamente coberto pela água e só dá para ver a cabeça do respectivo motorista, rodeado por uma multidão.

Em alguns instantes, o veículo começa a se movimentar e sai da área alagada, para delírio da plateia. Aparentemente, o episódio aconteceu durante alguma competição off-road.

O vídeo chama a atenção sobre como teria sido possível sair acelerando dali. Afinal, não dá para identificar nenhuma tubulação fora da água para evitar a entrada de líquido no sistema de admissão de ar do motor enquanto o veículo está afundado.

Na sequência, dá para identificar que o jipe, de fato, traz essa tubulação - conhecida como snorkel, posicionada no lado direito superior do para-brisa. Porém, o equipamento estava submerso no início da manobra.

Para esclarecer o que realmente aconteceu, UOL Carros consultou Luís Carqueijo, especialista em off-road.

De acordo com ele, o episódio não teve nada de mágica, tampouco o jipe em questão é uma espécie de "submarino com rodas".

"O vídeo leva a pensar que ele saiu sozinho, mas não é o caso", pontua Carqueijo.

"Na verdade, se você olhar atentamente, perceberá que o veículo saiu rebocado. Como a qualidade do vídeo é muito ruim, não dá para ver o cabo com nitidez", afirma.

Nossa fonte pontua outros sinais de que tudo não passou de um resgate do jipe, cujo motor provavelmente parou justamente por conta da entrada de água no propulsor.

"O ritmo do giro do motor que se ouve é, na verdade, proveniente do carro que está rebocando. Não condiz com o movimento do veículo que sai de dentro da água. Além disso, quando as rodas aparecem, veja que elas não patinam no barro, como seria de se esperar em um terreno sem aderência como aquele".

Não dá para cravar os danos que o jipe teria sofrido.

Em situações como a retratada na postagem, a água tem dois caminhos para entrar no motor e, potencialmente, causar estragos consideráveis: pela admissão ou pelo escapamento.

Tanto em uma situação quanto na outra, o líquido pode chegar aos cilindros, travando os pistões e danificando vários componentes - o tal calço hidráulico.

Prejuízo?

Luís Carqueijo explica que a entrada de água pelo escapamento só teria acontecido com o motor desligado. Ainda assim, pode não ter ocorrido um estrago mais sério.

"Se o motor estava funcionando, o risco de calço hidráulico depende do regime de rotações em que ele estava. Se não houve danos quando a água entrou nem houve tentativa de partida, existe a possibilidade de não ter acontecido nada mais grave".

Ainda assim, o dono do utilitário submerso seguramente teve de encarar algum trabalho e gasto de dinheiro para devolver o jipe à forma ideal.

"Seria necessário drenar toda a água que entrou dentro do motor e verificar os fluidos, pois, provavelmente, todos foram contaminados com água. Também seria fundamental ver se algum módulo ou outro componente do sistema eletrônico foi afetado".