PUBLICIDADE
Topo

Cultura e lazer

Viva a cidade. Saboreie experiências.


Cultura e lazer

Rio de Janeiro sem sol: o que fazer durante o dia com o tempo fechado

O aquário do Rio é uma boa opção de passeio quando o dia não está ensolarado na cidade - Alexandre Macieira/Visit.Rio
O aquário do Rio é uma boa opção de passeio quando o dia não está ensolarado na cidade
Imagem: Alexandre Macieira/Visit.Rio

Kamille Viola

Colaboração para o Urban Taste, no Rio de Janeiro

21/03/2019 04h00

Quem está de férias ou a passeio no Rio de Janeiro muitas vezes fica perdido quando o clima não está ensolarado, afinal, grande parte dos atrativos famosos fica ao ar livre. Mas existe também um grande número de lugares que podem ser visitados até com chuva, muitos deles entre os pontos turísticos obrigatórios.

São centros culturais, igrejas e opções gastronômicas dos mais diversos estilos - de botequim centenário à elegante e tradicional Confeitaria Colombo, passando pelo Mercado Municipal. Grande parte das atrações fica no centro histórico, acessível por transporte público, e dá para fazer passeios combinando as sugestões.

Igreja de Nossa Senhora da Candelária

Igreja de Nossa Senhora da Candelária, no Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
Como na maioria das igrejas coloniais da cidade, a fachada é voltada para a Baía de Guanabara. Após a Olimpíada, a Candelária passou a ter sua frente valorizada. Ali perto está também a pira olímpica, lembrança dos jogos. No mesmo local, havia sido erguido um pequeno templo em 1609. Somente em 1811 foi inaugurada a igreja que conhecemos hoje, ainda inacabada. O interior é revestido em mármore italiano, e a decoração é um misto dos estilos neoclássico e eclético, com sua história contada em murais. É vizinha a um corredor cultural formado pelos centro culturais do Banco do Brasil, Correios e Casa França Brasil.

Vai lá:
Praça Pio X, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 7h30 às 16h.
Sábado, das 8h às 12h.
Domingo, das 9h às 13h.
Telefone: (21) 2233-2324

Casa França-Brasil

Casa França-Brasil, no Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
O edifício, um solar neoclássico, é a primeira construção nesse estilo arquitetônico na cidade e uma das primeiras no país. Foi encomendado por D. João a Grandjean de Montigny, arquiteto da Missão Artística Francesa, e data de 1820, construído como a primeira praça do comércio da cidade. A Casa França-Brasil já foi sede da Alfândega, depósito e também abrigou o 2º Tribunal do Júri. Em 1984, começou a ser remodelada para ser um espaço cultural. Em 1990, nasceu a casa que conhecemos hoje. Além de abrigar exposições, já recebeu shows, festas e até feira gastronômica.

Vai lá:
Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, Rio de Janeiro.
Terça a domingo, das 10h às 20h.
Telefone: (21) 2332-5275

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB)

Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), do Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
O prédio foi inaugurado em 1906 como sede da Associação Comercial do Rio de Janeiro e passou a pertencer ao Banco do Brasil, que o transformou em sede própria nos anos 1920. Em 1960, tornou-se sede da Agência Centro do Rio de Janeiro e, depois, da Agência Primeiro de Março. Só em outubro de 1989 foi transformado em museu, o primeiro da rede CCBB - ou seja, em 2019 comemora 30 anos. O espaço tem salas de exposição, de cinema, de exibição de vídeos, teatros, auditório, biblioteca, uma filial da Confeitaria Colombo, um café e em breve inaugura uma filial do restaurante Lilia. Já abrigou exposições de artistas importantes como Picasso, Jean-Michel Basquiat e Kandinsky, entre outros. A rotunda que fica no foyer é um de seus cantos mais instagramados. As exposições são gratuitas (sob retirada de senha) e as demais atrações têm preços populares.

Vai lá:
Rua Primeiro de Março, 66, Centro, Rio de Janeiro.
Quarta a segunda, das 9h às 21h.
Telefone: (21) 3808-2020

Centro Cultural Correios

O palácio de 1922 foi erguido para ser a escola da companhia de navegação Lloyd Brasileiro, o que não aconteceu. Acabou sediando a Diretoria Regional dos Correios do Estado do Rio de Janeiro. Nos anos 1980, foi desativado para reformas e reaberto em junho de 1992, parcialmente restaurado. Sua inauguração oficial aconteceu no ano seguinte. De 2007 a 2014, ficou fechado para reformas. Além das salas de exposição, possui espaço para oficinas e um auditório. Na área externa fica a Praça dos Correios, com espelho d'água e uma concha acústica, que sedia eventos.

Vai lá:
Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, Rio de Janeiro.
Terça a domingo, das 12h às 19h.
(21) 2253-1580

Paço Imperial

Paço Imperial, no Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
Quando foi inaugurado, em 1743, era residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro. Porém, com a vinda da família real para o Brasil, virou casa de despachos de D. João, de D. Pedro I e II. O Paço Imperial é considerado o mais importante edifício colonial civil do país. Hoje é um centro cultural que normalmente recebe exposições de artistas contemporâneos, além de ter um bistrô e um restaurante. Dá para ir a pé do CCBB até lá e combinar as visitas com as duas igrejas históricas do outro lado da rua.

Vai lá:
Praça XV de Novembro, 48, Centro, Rio de Janeiro.
Terça a domingo, das 12h às 19h.
Telefone: (21) 2215-2093

Bistrô do Paço
Segunda a sexta, das 11h às 19h30.
Sábado, domingo e feriados, das 12h às 19h.

Restaurante Arlequim
Segunda a sexta, das 10h às 20h.
Sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h.

Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé

Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
Ali existiu uma capela erguida ainda no século 14, que desabou. Estima-se que a atual igreja tenha sido erguida em 1761, transformada em Capela Real com a chegada de D. João, em 1808. Em estilo rococó, o interior de cores claras exibe entalhes dourados. Até 1976, quando foi inaugurada a nova Catedral Metropolitana, a Antiga Sé foi a igreja onde aconteceram algumas das cerimônias mais importantes da história do Brasil, como as coroações de D. Pedro I e D. Pedro II, além dos casamentos reais. Com a proclamação da República, é nomeada Catedral Metropolitana. Atualmente, é uma das igrejas mais procuradas para casamentos na cidade.

Vai lá:
Rua Sete de Setembro, 14, Centro (entrada pela Rua Primeiro de Março), Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 7h30 às 16h.
Sábado, das 9h30 às 12h.
Visitas guiadas a cada 30 minutos: segunda a sexta, das 10h às 15h. Sábado, das 11h às 14h. Para grupos, é necessário agendar previamente.
Telefone: (21) 2242-7766

Igreja da Ordem Terceira do Carmo

Igreja da Ordem Terceira do Carmo - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
Vizinha à Antiga Sé, foi inaugurada em 1770. É a única entre as igrejas coloniais da cidade com a fachada totalmente revestida de pedra. A decoração interna começou a ser montada em 1768, com o entalhador Luiz da Fonseca Rosa. A partir de 1780 ele foi auxiliado por Valentim da Fonseca e Silva (o Mestre Valentim), que trabalharia na igreja até 1800. A Capela do Noviciado, construída à direita da capela-mor, foi esculpida entre 1772 e 1773 e é revestida por talha rococó de Mestre Valentim, considerada uma de suas obras-primas.

Vai lá:
Rua Primeiro de Março, 6, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, 8h às 16h.
Sábado, das 8h às 12h.
Telefone: (21) 2508-9872

Real Gabinete Português de Leitura

Real Gabinete Português de Leitura, no Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
A instituição foi fundada em 1837, mas o atual edifício foi aberto em 1887 e o lugar foi transformado em biblioteca pública em 1900. O Real Gabinete Português de Leitura reúne a maior coleção de obras lusas fora de Portugal: recebe um exemplar de cada obra publicada naquele país para seu acervo. São em média 6 mil novos livros por ano. Entre as raridades guardadas ali está um exemplar da primeira edição de "Os Lusíadas", de Camões, publicada em 1572. Mas merece uma visita mesmo por sua arquitetura, de estilo neomanuelino, que faz com que seja considerada uma das bibliotecas mais bonitas do mundo. Se a ideia é só admirar a construção, você pode ir de lá para a Confeitaria Colombo, que fica a duas estações de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).

Vai lá:
Rua Luís de Camões, 30, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 9h às 18h.
Telefone: (21) 2221-3138

Confeitaria Colombo

Turistas e moradores tomam café na Confeitaria Colombo, café tradicional no centro do Rio de Janeiro - Rafael Andrade/Folhapress - Rafael Andrade/Folhapress
Imagem: Rafael Andrade/Folhapress
Um dos pontos turísticos mais famosos (e mais deslumbrantes) do Centro da cidade. A confeitaria, considerada um retrato da Belle Époque, foi fundada em 1894. Entre 1912 e 1918, seus salões foram reformados, ganharam traços art nouveau e o ar sofisticado que permanece até hoje, com espelhos belgas, molduras e vitrines em jacarandá e bancadas de mármore italiano. Em 1922, foi inaugurado o salão de chá, no segundo pavimento. Grandes personalidades da época frequentavam o lugar. Ótima pedida para café da manhã, almoço ou chá da tarde, hoje em dia é um cenário requisitado para casamentos. Dali, dá para ir a pé ao Theatro Municipal.

Vai lá:
Rua Gonçalves Dias, 32, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado, das 9h às 17h
Telefone: (21) 2505-1500

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Theatro Municipal do Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
Foi inaugurado em 1909, como parte da reurbanização do Rio realizada pelo prefeito Pereira Passos. Sua arquitetura foi inspirada na Ópera de Paris, famosa casa de espetáculos francesa. Para decorar o edifício, foram chamados importantes pintores e escultores brasileiros da época, como Eliseu Visconti, Rodolfo Amoedo e os irmãos Bernardelli, além de artistas europeus, que executaram vitrais e mosaicos. Atualmente, o Theatro Municipal trabalha com uma orquestra sinfônica, um coro e uma companhia de balé. Mas a programação está reduzida com a crise do estado (responsável pela gestão). Se der sorte de ter algum espetáculo lá durante seu período na cidade, vale a pena ir. Além disso, a visita guiada continua acontecendo normalmente e é um belo passeio. Dura cerca de 45 minutos, com dois grupos de até 25 pessoas por horário. O ingresso para a visita custa R$ 20 (com meia-entrada para os casos previstos por lei) e é preciso comprar antecipadamente.

Vai lá:
Praça Floriano (Cinelândia), s/nº, Centro, Rio de Janeiro.
Visitas guiadas: terça a sexta, às 12h, 14h30 e 16h. Sábado e feriados, às 11h, 12h e 13h. Domingo e segunda não há visitas guiadas.
R$ 20 por pessoa, reversível integralmente na compra de um ingresso para os espetáculos do Theatro.
Telefone: (21) 2332-9191

Bilheteria:
Avenida Treze de Maio (entrada pela Rua Evaristo da Veiga), Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, sábado, domingo e feriados, das 10h às 18h. Nos dias de espetáculos, das 10h até a hora do início da apresentação.

Casa Paladino

Casa Paladino, no Rio de Janeiro - Alexandre Macieira/RioTur/Divulgação - Alexandre Macieira/RioTur/Divulgação
Imagem: Alexandre Macieira/RioTur/Divulgação
Clássico absoluto, o bar foi fundado em 1906 como uma delicatessen sofisticada e até hoje é um armazém de secos e molhados, com seus móveis de madeira e cristaleiras da época. No cardápio, as pedidas mais famosas são o omelete, com recheios como bacalhau ou camarão, entre outros. Também faz sucesso o sanduíche triplo, que combina um embutido, um queijo e ovo no pão francês. Dá para fazer uma dobradinha com o Mosteiro de São Bento, que fica a minutos dali.

Vai lá:
Rua Uruguaiana, 224, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 7h às 20h30.
Sábado só funciona o armazém, das 7h às 12h.
Telefone: (21) 2263-2094

Mosteiro de São Bento

Mosteiro de São Bento, no Rio de Janeiro - RioTur/Divulgação - RioTur/Divulgação
Imagem: RioTur/Divulgação
O mosteiro foi fundado em 1590 por monges beneditinos e ainda funciona, então não pode ser visitado. Ao seu lado está o tradicional Colégio de São Bento, criado em 1858, por onde passaram diversas personalidades brasileiras e que até hoje só aceita homens. A grande atração, no entanto, é a Igreja de Nossa Senhora de Montserrat, que começou a ser construída em 1633 e só ficou pronta mais de 160 anos depois, em 1798. A fachada é simples, mas o interior, nos estilos barroco e rococó, é deslumbrante, todo forrado com talha dourada. Também é famosa pelas apresentações de canto gregoriano, parte da missa conventual e das vésperas - aos domingos, elas são celebradas com maior solenidade. Em feriados religiosos e em dias de casamento, os horários podem sofrer alteração.

Vai lá:
Rua Dom Gerardo, 68, Centro, Rio de Janeiro.
Todos os dias, das 6h30 às 18h30.
Missa conventual: segunda a sexta, às 7h30. Sábado, às 8h. Domingo, às 10h.
Vésperas: segunda a sábado, às 18h. Domingo, às 17h30.
Telefone: (21) 2206-8100

Mosteiro

Outra pedida para um programa casado com o Mosteiro de São Bento é o restaurante de comida portuguesa que pegou o nome emprestado do vizinho célebre. Aberto em 1964 pelo português José Temporão, o Mosteiro tem grande parte de seu cardápio dedicado à comida da Terrinha, mas também serve alguns clássicos da comida carioca. De entrada, bolinhos de bacalhau dividem as atenções com as empadas - os garçons circulam pelo salão oferecendo ambos. Além de diversos pratos de bacalhau, arroz de pato e doces portugueses, como toucinho do céu e barriga de freira, a casa tem pedidas como tornedor de filé mignon au poivre, picadinho e estrogonofe com batata sauté, entre outros. Não é um programa barato, mas é um clássico da gastronomia da cidade.

Vai lá:
Rua São Bento, 13 e 15, Centro, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 12h às 16h.
Telefone: (21) 2233-6426

AquaRio

Com 26 mil metros quadrados de área construída e 4,5 milhões de litros de água, o AquaRio é o maior aquário marinho da América do Sul: acomoda cerca de 8 mil animais de 350 espécies. No tanque principal, você passa por um túnel cercado por peixes, raias e tubarões. Existem mais 24 tanques, sendo que em três deles dá para interagir com alguns dos animais. Os ingressos têm hora marcada e precisam ser comprados antecipadamente. Dá para combinar com um passeio na Fábrica Bhering.

Vai lá:
Praça Muhammad Ali, Gamboa, Rio de Janeiro.
Todos os dias, das 10h às 18h (entrada no circuito até 17h).
De R$ 55 (meia) a R$ 120.
Telefone: (21) 3613-0700

Fábrica Bhering

Fábrica Bhering - Alexandre Macieira / Riotur - Alexandre Macieira / Riotur
Imagem: Alexandre Macieira / Riotur
De 1930 a 1995 funcionou a primeira fábrica de chocolate do Brasil no edifício, responsável por ícones como as balas Toffee e Boneco, entre outros. Em 2006, começou a ser aberto para ateliês de arte e moda, além de servir como cenário para produções de cinema, fotografia e TV. Desde 2012, no primeiro sábado de cada mês, os ateliês e lojas abrem suas portas no Circuito Interno, evento que tem shows, exposições e gastronomia. A única desvantagem de ir ao espaço com chuva: perde-se a vista espetacular do terraço.

Vai lá:
Rua Orestes, 28, Santo Cristo, Rio de Janeiro.
Segunda a sexta, das 9h às 18h.
Sábado, das 13h às 20h.
Telefone: (21) 2223-2477

Museu de Arte Moderna (MAM)

Museu de Arte Moderna (MAM), do Rio de Janeiro - RioTur / Divulgação - RioTur / Divulgação
Imagem: RioTur / Divulgação
O museu não está exatamente próximo do corredor cultural do Centro histórico: fica mais próximo ao Aeroporto Santos Dumont (de lá, porém, chega-se ao Centro pelo VLT). Localizado no Aterro do Flamengo, o MAM carioca é considerado uma das principais instituições culturais do país. Foi concebida em 1948, mas só em em 1958 se mudou para a atual sede, a obra mais conhecida do arquiteto carioca Affonso Eduardo Reidy, que segue a orientação da arquitetura racionalista. O MAM dispõe de jardins projetados por Burle Marx, além de vista para a Baía de Guanabara. Possui um importante acervo, com mais 16 mil obras e já recebeu mais de mil exposições, muitas delas de impacto definitivo no cenário das artes. Sua cinemateca é uma das mais importantes da América Latina, com mais de 8,4 mil títulos de filmes e material documental estimado em dois milhões de itens, além de uma sala de exibição com 180 lugares. Em 1978, sofreu um incêndio que destruiu quase toda sua coleção e causou danos ao prédio. E lá tem um restaurante de alta gastronomia, o Laguiole Lab, que funciona apenas com menu degustação (do qual é possível mudar alguns itens), comandado pelo chef Ricardo Lapeyre.

Vai lá:
Avenida Infante Dom Henrique, 85, Glória, Rio de Janeiro.
Terça a sexta, das 12h às 18h.
Sábado e domingo, das 11h às 18h.
Telefone: (21) 2240-4944

Laguiole Lab
Segunda a sexta, das 12h às 16h.
Telefone: (21) 2517-3129

Mercado Municipal do Rio de Janeiro - Cadeg

Mercado Municipal do Rio de Janeiro - Cadeg - Alexandre Macieiras/ RioTur/Divulgação - Alexandre Macieiras/ RioTur/Divulgação
Imagem: Alexandre Macieiras/ RioTur/Divulgação
O mercado municipal está em Benfica, bairro que faz parte do Centro Histórico do Rio, mas faz limite com a Zona Norte. É um pouco distante das outras atrações citadas aqui, mas vale a visita - e os dias menos quentes são os melhores para isso. O Cadeg ocupa uma área de 100 mil metros quadrados, com 706 estabelecimentos, entre lojas e salas. É referência de mercado atacadista para a culinária e vende produtos como bacalhau, cereais, verduras, legumes, frutas, laticínios, bebidas, descartáveis e material de decoração. Também é famoso pelo mercado de flores, com preços muito mais em conta do que no resto da cidade (é importante chegar cedo), além de ter lojas especializadas em vinho e cerveja.

Nos últimos anos, a gastronomia ganhou destaque, com uma oferta crescente de restaurantes. Se a ideia é comer bacalhau, há os já tradicionais Barsa e o Cantinho das Concertinas (que aos sábados tem festa típica lusitana). Uma boa novidade é o Na Minha Casa: comandado pelo chef João Diamante (ex-Fazenda Culinária, o restaurante do Museu do Amanhã), funciona sem cardápio fixo, trabalha com a sazonalidade dos alimentos. O ambiente é descontraído, com mesa coletiva e autosserviço. Também é o cliente que faz o pagamento, a partir de um valor mínimo sugerido.

Vai lá:
Rua Capitão Felix, 110, Benfica, Rio de Janeiro.
Horário de funcionamento: O Cadeg fica aberto 24 horas, mas cada estabelecimento tem seu horário. Consultar antes.
Telefones: (21) 3890-0202 / (21) 3526-5717

Instituto Moreira Salles

Para quem ficar pela Zona Sul, conhecer o centro cultural é uma ótima ideia. A sede carioca da instituição funciona no casarão onde a família do banqueiro Walther Moreira Salles (pai dos cineastas Walter e João Moreira Salles) morava. Projetado por Olavo Redig de Campos, o edifício de arquitetura moderna por si só já vale a visita. O lugar é cercado por Mata Atlântica e tem um jardim projetado por Burle Marx, que também fez o painel de azulejos na parede onde está o espelho d'água. Possui um grande acervo fotográfico, com coleções como a de Marc Ferrez, além de fonogramas históricos, cartas, papéis, documentos diversos e livros. As exposições e a visita à casa são gratuitas. A sala de cinema exibe filmes que não estão no circuito comercial. Uma filial do Empório Jardim serve seu famoso café da manhã o dia inteiro - com destaque para os itens feitos na casa, como os pães de fermentação natural -, além de pratos, vinho e drinques.

Vai lá:
Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, Rio de Janeiro.
Terça a domingo e feriado (exceto segunda), das 11h às 20h.
Telefone: (21) 3284-7400

Empório Jardim no IMS
Terça a sexta-feira, das 11h às 20h.
Sábado e domingo, das 10h às 20h.
Telefone: (21) 3284-7424

Errata: o texto foi atualizado
Ao contrário do que foi publicado originalmente, o restaurante Ex-Touro não existe mais no Cadeg. A informação já foi corrigida.

Cultura e lazer