Topo

Glamour cafona: a marca brasileira que conquistou de Anitta a Lady Gaga

Pakera Pakera aposta em peças coloridas, divertidas e sexys Imagem: Reprodução

De Universa

28/12/2021 04h00

A lista de famosas que já apareceram usando um acessório da marca brasileira Pakera Pakera é infindável: Lady Gaga, Katy Perry, Tove Lo, Jorja Smith, Bruna Marquezine, Anitta, Pabblo Vittar, Gaby Amarantos, Jessica Ellen, Camilla de Lucas, Gessica Kayane, Maisa, Carolina Ferraz, Manu Gavassi e por aí vai.

Mas, diferentemente de marcas de luxo que costumam fazer parte do guarda-roupa das celebridades e passam fácil dos US$ 1.000, os brincões coloridos não são exorbitantemente caros e podem fazer parte do look de várias de nós, mortais. No catálogo também tem colares, pulseiras, cinto, óculos e camisetas, os preços variam de R$ 140 a R$ 696.

Sem a prepotência da exclusividade e com uma personalidade original, divertida —do tipo que beira o cafona— e sexy, a Pakera Pakera ganhou o seu lugar no mercado.

Lívia Torres é a criadora da marca Imagem: Reprodução

Essa é, basicamente, uma empresa de uma mulher só: Lívia Torres, 40, foi quem fundou e é quem toca o negócio, administra, cria, responde e-mail e mensagem no Instagram.

Nascida em Catanduva, no interior de São Paulo, e formada em moda, Lívia conta que se mudou para os Estados Unidos no começo dos anos 2000 para estudar administração. Foi em Nova York, trabalhando com produção para três marcas, que se deparou com as pedras que hoje são a marca registrada da marca.

"Sou uma mulher que tem privilégio, sou de classe média. Mas que também conseguiu as coisas por conta própria. Trabalhei muito, me especializei. Não tinha a pretensão de criar uma marca, de chegar aonde cheguei. Acho que isso aconteceu como resultado de um produto muito verdadeiro, com personalidade, que na verdade tem a ver com o meu próprio estilo", conta Lívia.

"A Pakera deu certo meio que por acaso, mas hoje já não estou dando conta sozinha", diz ela, que tem ajuda apenas de outros dois profissionais, um de design e outro de logística.

"Nos EUA, me senti muito latina. Quis levar isso para a marca"

Foi ao se mudar para Nova York, com uma cultura latina pulsante por causa da alta taxa de migração, que Lívia assumiu essas raízes. "Já era uma coisa minha usar muita cor, ter algum exagero, um brinco grande. Assumi isso para a Pakera", diz. "Tive outra marca chamada Amonstro, no início dos anos 2000, mas não era essa pegada de agora."

No trabalho que realizava para diferentes marcas, era responsável por fazer contato com fornecedores de matéria-prima, como tecidos e peças que fariam parte das roupas. Em uma das vezes que foi atrás de material, se deparou com várias pedras coloridas e decidiu fazer alguns brincos.

Jéssica Ellen usa brincos da marca Imagem: Reprodução

"Minhas amigas gostaram, fiz alguns para elas. Outras pessoas viam e queriam também. Decidi fazer mais e criei um site. As fotos foram em um salão de beleza porto-riquenho. A ideia era usar a linguagem da cultura latina mesmo, meio 'kitsh'", relembra.

Em uma viagem para o Brasil em 2018, veio com uma mala "cheia de Pakeras". "Eram 100 pares de brincos e, em duas semanas, tinha vendido tudo. De repente a Anitta apareceu com um, virou um burburinho, e eu vi que tinha uma oportunidade."

Brinco para Katy Perry e presente para Lady Gaga

De volta aos EUA e morando em Los Angeles, bateu na porta das stylists de celebridades para se apresentar. Lembra-se da surpresa ao ter seu e-mail respondido pela profissional que cuidava dos looks da cantora Katy Perry.

"Escrevi sem pretensão nenhuma que tinha uma marca, falei: 'Esses são os brincos, se tiver interesse me diga'. Ela respondeu na sequência, me chamou para ir na casa dela e, de lá, fez uma ligação por vídeo para a Katy Perry", lembra. A cantora americana usou um brinco Pakera em um evento promovido pela empresa BFA, de venda de imagens, em 2019.

Com a também cantora Lady Gaga, a história foi um pouco mais surpreendente. "Uma pessoa comprou um brinco no meu site e deu para ela. Ela usou, postou, e eu vi. Foi uma coisa muito surreal", diz Lívia. "É muito legal para a marca, mas eu fico feliz mesmo de ver muita gente, de estilos diferentes, usando. Fico superorgulhosa quando vejo minhas amigas todas de Pakera."

Lady Gaga postou foto com um brinco que ganhou de presente Imagem: Reprodução

"Gosto de provocar as pessoas e questionar o que é o cafona"

Beirar o cafona, o exagerado ou o que poderia ser considerado errado na moda é uma das premissas da marca.

"Sempre tento puxar para esse lado mais provocativo. É para as pessoas pensarem, mesmo. Quero criar um estranhamento de como usar uma peça que, a princípio, parece 'errada'. O que eu acho é que não existe regra, eu não sou essa pessoa que segue normas de moda e não levo isso para a minha marca", diz Lívia.

"Queria comunicar essa leveza, dar um tom divertido, de quase não se levar a sério."

"Por que o diamante tem que ser o melhor amigo da mulher?"

Se de um lado há uma ideia de que mulheres têm que ser discretas, usar peças sóbrias e delicadas, de outro há a Pakera. "Essa coisa de o diamante ser o melhor amigo da mulher, por quê? Ela não precisa ser delicada se não quiser, de jeito nenhum precisa seguir isso de ser discreta", afirma Lívia, que comemora ao receber comentários de clientes sobre como se sentiram poderosas com as peças.

"A Pakera mexe muito com a autoestima das pessoas, tenho esse feedback do tipo 'nunca achei que fosse gostar de algo assim, mas me senti a mulher mais poderosa de todas'", vibra. "Fico muito feliz. Coloquei minha cara a tapa e deu certo."

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Glamour cafona: a marca brasileira que conquistou de Anitta a Lady Gaga - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Moda