PUBLICIDADE
Topo

'Nunca fui forte, eu tive que ser', diz Sonza sobre ataques na internet

Luísa Sonza participa do "Saia Justa", no GNT - Reprodução/GNT
Luísa Sonza participa do "Saia Justa", no GNT Imagem: Reprodução/GNT

Colaboração para Splash, de Pernambuco

11/05/2022 23h30Atualizada em 11/05/2022 23h59

Alvo constante de ataques de haters na internet, a cantora Luísa Sonza, 23 anos, falou sobre o assunto.

"Me permiti nos últimos tempos ser um pouco mais sincera. Sempre diziam para me mostrar forte que iam parar e não. Fui me mostrando forte durante anos, uma fortaleza que nunca existiu. Eu nunca fui forte, eu tive que ser, ou pelo menos parecer", desabafou Luísa durante participação no "Saia Justa" (GNT) de hoje.

"É complicado falar sobre isso, porque por muitas vezes ou eu encaro ou eu simplesmente prefiro viver numa realidade paralela em que não entro em contato com isso. Quando eu fico um pouco melhor, é porque não estou em contato com isso", explicou Sonza.

Mas quando vou na terapia semanal e entro em contato com o que eu vi, e vivi, as dores aparecem bastante. Não é uma questão de curar a ferida. Existiu em mim uma modificação completa da forma de eu ver o mundo, de personalidade, que interferiu na minha vida."

Luísa lembrou que recebe ataques virtuais desde que chegou na internet, ainda quando fazia apenas covers no Youtube.

"Eu era muito ingênua. Quando entrei na internet e morava numa idade de 8 mil habitantes, alguém me chamar de puta ou interesseira, para mim, numa cidade pequena onde eu vivia num mundo em que todo mundo me conhecia, era assustador. Os primeiros anos foram assim".

Desde o primeiro dia, antes de Whindersson, antes de tudo", completou.

"Em casos normais, o ódio do meu dia a dia, eu não respondo. O que faço é quando é uma coisa muito extrema. Vivi coisas que não gosto nem de falar", finalizou.

Pânico de celular

Luísa Sonza contou ainda que, devido aos ataques, tem problemas com o telefone celular.

"Tenho pânico do celular. Ele não pode vibrar e logo acho que é algum problema, alguma crise. Se estivesse com o celular não conseguiria fazer o programa", revelou.

Crise de 2020

A cantora contou com detalhes sobre uma crise que viveu em 2020.

"Eu caí, comecei a ter ataque de pânico, depressão, comecei a ter que usar remédio", contou, relembrando que precisou se afastar de tudo à época.

"Foi um impulso. Questão de sobrevivência psicológica. Eu não sabia o que fazer. Minha mente não aguentava mais, a terapia e os remédios não estavam fazendo efeitos. Eu estava com medo de morrer", revelou Sonza.

Ela detalhou ainda uma situação que viveu.

"Eu ia pra minha primeira viagem de avião depois das coisas terem voltado [após a pandemia]. Entrei no avião, na época as pessoas me olhavam feio, era atacada na rua direto. Entrei com segurança porque na época eu estava com ameaça de morte. A gente sempre tem, vivo direto, mas nessa época era mais sério, de foto de arma, o cara sabia meu endereço. Virou um caso sério. E era uma pessoa do lugar que eu estava indo", começou Sonza.

"Eu entrei no avião, aí um cara me olhando feio. Eu comecei a ter uma crise. Entrei no avião, sentei, o cara foi o último a sentar e colocou uma mala preta do lado de onde eu estava sentada e foi lá para o fundo do avião. Eu comecei a entrar em desespero, achando que ele ia me matar. Tive uma crise de quase não conseguir andar. Resumindo, não consegui fazer a viagem. Voltei pra casa, fiquei um tempo em casa", finalizou.

Ela contou ainda que, no ano novo, alugou um barco para passar no meio do mar com seus amigos e as pessoas passavam de jet ski a xingando.

Luísa disse, então, que foi nessa época que resolveu falar para as pessoas sobre os problemas que estava passando.