O homem 'mais feliz do mundo' usa essas 2 palavras todos os dias

Por VivaBem

O "homem mais feliz do mundo", segundo o jornal "The Times", é Meik Wiking, fundador do Museu da Felicidade e CEO do Instituto de Pesquisa da Felicidade, ambos em Copenhague (Dinamarca).

iStock

Wiking repete para si todos os dias palavras ou frases de sua cultura que contribuem para a felicidade:

iStock

Hygge: pronunciado como "hu-gah", essa palavra dinamarquesa significa "conforto", mas também tem a ver com se sentir bem por meio da socialização, do descanso e da segurança.

Pexels

Para os dinamarqueses, tudo pode ser "hyggelig", desde um ambiente charmoso até pequenos momentos de alegria cotidianos.

Getty Images/iStockphoto

Pyt med det: ou "não importa", em português. Mesmo em dificuldades, os dinamarqueses adotam essa filosofia.

iStock

Reconhecendo que nem tudo é perfeito, seguem em frente com essa atitude e focam nos aspectos positivos da vida.

iStock

São conceitos que se concentram na redução das fontes de infelicidade, em vez de perseguir a felicidade diretamente.

iStock

Porém, em 2018, um relatório do Conselho Nórdico de Ministros e o Instituto da Pesquisa da Felicidade, em Copenhague, indicou que nem tudo é como parece.

Artur Dancs/Getty Images/iStockphoto

A fama dos países nórdicos como uma utopia da felicidade acaba encobrindo problemas significativos de parte da população, sobretudo entre os mais jovens.

Getty Images

Os pesquisadores analisaram dados coletados durante cinco anos, entre 2012 e 2016, para tentar construir um retrato mais fiel desses chamados "superpoderes da felicidade".

ValleraTo/Getty Images

Nos resultados, 12,3% dos que moravam nos países nórdicos admitiram estar sofrendo ou tendo dificuldades; entre os jovens nórdicos, essa porcentagem era de 13,5%.

iStock

Outra descoberta foi que a saúde mental é uma das barreiras mais significativas para o bem-estar subjetivo.

iStock

Na Dinamarca, 18,3% das pessoas entre 16 e 24 anos afirmaram sofrer de transtornos mentais; entre as mulheres nessa faixa etária, a proporção subia para 23,8%.

stigalenas/Getty Images

Esses dados podem parecer sombrios, mas são índices muito inferiores aos registrados em países como Rússia e França.

Evgenia Novozhenina/Reuters

Enquanto 3,9% da população nórdica foi marcada na categoria "em sofrimento" na pesquisa, essa porcentagem subia para 26,9% na Rússia e 17% na França.

Delphine Poggianti/Getty Images/iStockphoto

Ou seja, o retrato da Dinamarca e de outros países nórdicos continua sendo relativamente bom --só não é tão perfeito quanto alguns pintaram.

ah_fotobox/Getty Images
Publicado em 08 de julho de 2024.