Diminui gases, alivia azia e reduz cólica: os benefícios do alecrim à saúde

Por Samantha Cerquetani

De origem mediterrânea, o alecrim, também chamado de rosmarino e erva-da-graça, é conhecido desde a antiguidade por conta de seus fins terapêuticos.

Getty Images

Além de ser uma erva aromática, é uma opção benéfica à saúde, já que é rico em minerais e contém vitaminas A e C, além de ter compostos polifenóis.

iStock

A seguir, veja mais sobre os principais benefícios encontrados no alecrim.

iStock

Protege o cérebro

Christhian Gruhn/Unsplash

O uso regular de alecrim é bom para o cérebro. Ele contém um composto chamado ácido carnósico, que combate os danos causados pelos radicais livres no órgão. Portanto, de forma indireta, contribui com a prevenção do Alzheimer.

iStock

É fonte de antioxidantes

iStock

O alecrim possui antioxidantes, como taninos, saponinas e flavonoides, que desempenham um papel importante na neutralização de radicais livres e moléculas prejudiciais ao organismo.

Getty Images

Melhora estomacal

Getty Images

Um dos benefícios mais conhecidos do alecrim é contribuir com a digestão e com a diminuição de gases, azia e cólicas. Regula, ainda, a função da bile, que desempenha um papel fundamental nos processos digestivos.

Getty Images

Diminui a retenção de líquidos

Getty Images

Por ter propriedades diuréticas, o alecrim reduz a retenção de líquidos. A erva ajuda a eliminar as toxinas nocivas do corpo e é benéfica para quem tem problemas de inchaços ou mulheres no período que antecede a menstruação.

Getty Images/iStockphoto

Diminui problemas respiratórios

Christhian Gruhn/Unsplash

O ácido rosmarinico, presente no alecrim, reduz os processos alérgicos do organismo. Também é benéfico por diminuir a congestão nasal e a reação asmática.

Getty Images

Na maioria das vezes, o consumo de alecrim é considerado seguro, pois costuma ser usado em pequenas quantidades. No entanto, grávidas e lactantes devem evitar o chá.

iStock

Quantidades excessivas de alecrim também podem ser prejudiciais para crianças menores de 12 anos, pessoas com diabetes, pressão alta, enxaqueca e quem faz tratamento para epilepsia, já que costuma piorar os sintomas.

iStock
Publicado em 09 de fevereiro de 2024.