UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/12/02/fifa-e-comite-devem-se-esforcar-para-que-copa-seja-democratica-diz-ministro.htm
  • Fifa e Comitê devem se esforçar para que Copa seja democrática, diz ministro
  • 26/01/2020
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
02/12/2011 - 12h30

Fifa e Comitê devem se esforçar para que Copa seja democrática, diz ministro

Da Agência Brasil
Em Brasília

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, espera que as populações mais pobres tenham acesso aos jogos da Copa do Mundo de 2014. Segundo ele, a Fifa deverá fazer um esforço, junto com o Comitê Organizador, para que a competição seja “democrática".

O ministro defende que seja cobrada meia-entrada para estudantes e idosos. "Tudo está sendo compatibilizado", disse. “Não deverá haver problema nesse aspecto", completou. “Não é justo que as populações indígenas e outras também pobres, na região amazônica, onde parte dos jogos da Copa vai ser realizada, fiquem fora desses eventos”, destacou Rebelo ao participar do programa Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, em parceria com a EBC Serviços.

O político defendeu que as questões deverão ser discutidas com patrocinadores e a participação do Governo Federal. Para ele, há possibilidade de entendimento entre as partes envolvidas.

A Comissão Especial da Câmara dos Deputados, responsável pelo parecer do projeto sobre a Lei Geral da Copa do Mundo de 2014, promoveu ontem (1º) em São Paulo seminário para discutir os principais pontos polêmicos ligados à questão. 

O relator do projeto, deputado Vicente Cândido (PT-SP), estima que cerca de 400 mil ingressos do grupo 4 – com valores mais baixos – devam atender os estudantes, idosos, a população indígena de baixa renda e os deficientes físicos. Metade dos 400 mil ingressos deverá ser destinada a jovens e idosos, e o restante, a outras faixas de públicos, segundo Vicente Cândido.

O deputado prevê que o Brasil ficará, no total, com cerca de um terço dos ingressos da Copa, equivalente a 1 milhão de entradas. O seminário discutiu a oportunidade de fazer campanhas sociais contra drogas, racismo e posse ilegal de armas, durante os eventos esportivos. Vicente Cândido disse que a ideia é oferecer entre 20 mil e 30 mil ingressos, além de bolas e camisetas, em troca de armas em poder da população.

Placar UOL no iPhone