UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/11/21/estado-e-municipio-batem-cabeca-e-manaus-pode-ficar-sem-principal-obra-de-mobilidade-da-copa.htm
  • Estado e município batem cabeça e Manaus pode ficar sem principais obras de mobilidade da Copa
  • 20/01/2020
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte @UOL
  • 2
Tamanho da letra
Monotrilho de Manaus; custo previsto de R$ 1,55 bilhão e obras ainda por começar

Monotrilho de Manaus; custo previsto de R$ 1,55 bilhão e obras ainda por começar

21/11/2011 - 06h01

Estado e município batem cabeça e Manaus pode ficar sem principais obras de mobilidade da Copa

Vinícius Segalla
Em São Paulo

A cidade de Manaus (AM), a sede amazônica da Copa do Mundo de 2014, planejou duas grandes obras de mobilidade urbana para se preparar para o torneio mundial: uma linha de BRT (Bus Rapid Transit - corredores exclusivos de ônibus), ao custo de R$ 290 milhões e de responsabilidade da prefeitura, e um sistema de monotrilho, ao preço estimado de R$ 1,55 bilhão, encampado pelo governo do Estado do Amazonas.

  • Divulgação

    Simulação do BRT de Manaus: R$ 290 milhões para um projeto cujo processo de licitação nem começou e cujo prazo de entrega é de dois anos

Mas, em virtude da falta de planejamento conjunto entre as duas esferas administrativas e de uma série de erros e irregularidades apontados reiteradamente desde 2010 por Controladoria Geral da União, Procuradoria Federal e Ministério Público Estadual, a cidade corre o risco de chegar a 2014 sem nenhuma das duas obras, cujos recursos federais podem chegar a R$ 800 milhões, tornando Manaus a cidade-sede da Copa com o quarto maior investimento da União em obras urbanas, atrás de Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte (MG). 

Na semana passada, o MPF (Ministério Público Federal) afirmou, por meio de nota, ter disposição e embasamento técnico para anular a concorrência pública aberta pelo governo do Estado para a construção do monotrilho, cuja planta prevê a ligação do centro com a região norte da cidade. A manifestação também é assinada por promotores estaduais.

A licitação ainda não está definida, mas um consórcio foi escolhido na abertura dos envelopes, cabendo ainda recursos. Ele é formado pelas empresas CR Almeida, Mendes Junior, Serveng Civilsan S/A e Scomi Engineering. 

Os procuradores federais vêm alertando há mais de um ano o governo estadual de que a concorrência pública em curso para a construção da obra está "eivada de irregularidades". Agora, o MPF endureceu o discurso.

"Diante da insistência dos gestores públicos em descumprir a recomendação e seguir com o processo de licitação para o monotrilho, o MPF/AM destaca que o projeto básico da obra não atende a vários requisitos da Lei de Licitações (Lei 8.666/93), o que implica na nulidade da concorrência pública, ainda que o processo seja concluído", informa a nota da Procuradoria, que explica que seu próximo passo poderá ser entrar com uma ação de improbidade administrativa contra o governador Omar Aziz (PMN), junto com um pedido de nulidade da concorrência.

"A própria coordenação da Unidade Gestora da Copa (órgão estadual de preparação para a Copa) reconheceu, que os estudos de viabilidade econômico-financeira ainda estão em curso, fato que reforça as deficiências do projeto básico do monotrilho e que justificam o pedido de cancelamento da licitação e a recomendação para que a Caixa Econômica Federal não aprove o financiamento para a obra", diz o órgão federal.

Para sair do papel, o projeto do monotrilho precisa dos R$ 600 milhões oferecidos, a título de empréstimo subsidiado, pela Caixa Econômica Federal para a obra. O MPF, porém, pediu e foi atendido pelo banco federal para que os recursos não sejam liberados até que as deficiências apontadas pelo órgão sejam resolvidas.

Assim como a Procuradoria Federal, a Controladoria Geral da União também detectou problemas no projeto de monotrilho. Em fevereiro de 2011, o órgão de controle federal apontou que a obra do BRT da prefeitura e a do monotrilho estadual passavam, em muitos pontos, pelas mesmas localidades, chegando até a ter pontos de parada previstos exatamente no mesmo local, o que seria impossível de operacionalizar, visto que as obras não estavam sendo construídas ou pensadas integradamente.

O governo amazonenense, até por pressão do prazo para a construção, reduziu seu plano inicial do monotrilho a ser entregue até a Copa dos originais 39 quilômetros para menos da metade, ou 15,5 quilômetros. Os valores envolvidos na empreitada, porém, não tiveram semelhante queda.

Agora, em sua última manifestação, o Ministério Público recomenda inclusive que seja abandonada a ideia de construir o monotrilho de custo bilionário, em favor de um investimento maior na rede de BRTs, com prefeitura e governo estadual trabalhando em conjunto.

Obras para a Copa de 2014
Obras para a Copa de 2014

Já a Caixa Econômica Federal, que também financia a linha de BRT com R$ 200 milhões, informou na semana passada que não vai liberar a verba para nenhuma das obras até que os órgãos estaduais e municipais conversem, integrem os esforços e caminhem conjuntamente nas obras, que são complementares.

Questionado sobre o assunto, o governo do Amazonas afirmou que está respondendo a todos os questionamentos feitos pela Controladoria Geral da União e pelo Ministério Público Federal em relação à obra do monotrilho e que espera dar continuidade aos projetos o mais rápido possível.

Placar UOL no iPhone