UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/09/06/operarios-decidem-manter-a-greve-por-tempo-inderteminado-das-obras-no-m.htm
  • Operários decidem manter a greve por tempo inderteminado das obras no Maracanã
  • 11/12/2019
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
A greve dos funcionários pode atrasar ainda mais o cronograma das obras do Maracanã

A greve dos funcionários pode atrasar ainda mais o cronograma das obras do Maracanã

06/09/2011 - 11h49

Operários decidem manter a greve por tempo inderteminado das obras no Maracanã

Do UOL Esporte
Rio de Janeiro

Sem diálogo, não tem trabalho. Em uma  assembleia realizada na manhã desta terça-feira, os operários das obras de reforma do Estádio Maracanã confirmaram a decisão do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada Intermunicipal do Rio de Janeiro (Sitraicp): vão continuar a greve até que as solicitações de melhoria de condições de trabalho forem atendidas pelo Consórcio Maracanã Rio 2014.

"A greve vai continuar. Eles acreditavam que o Juiz ia dar ganho de causa para eles e que assim os trabalhadores teriam que retornar ao trabalho. Porém, o juiz não deu. O grupo está insatisfeito com a falta de médicos e com a alimentação no turno da madrugada, além do não lançamento das horas extras no contracheque. Isso pode ser resolvido sem tantas complicações", avaliouu Sérgio Luís Silva da Fonseca,  diretor do sindicato dos trabalhadores do Maracanã.

Na última segunda-feira, em audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ), ficou definido que não haveria acordo entre as partes, e o caso vai mesmo a julgamento, a ser marcado na semana que vem, após a defesa apresentar provas contra o consórcio responsável. Os advogados reúnem testemunhas que apontam oferta de alimentos estragados no Maracanã, suposta redução ainda sem explicação do valor depositado como salário e, segundo eles, condições precárias de trabalho no local.

Mas, apesar do impasse, a expectativa de funcionários e sindicato é mesmo de um acordo nos próximos dias para que o cronograma das obras não fiique muito atrasado. Entre a primeira paralisação (em junho) e esta, já são 11 dias sem trabalho. E até a provável data do encontro decisivo nos tribunais, deverão ser outros dez, totalizando 21 dias.

Placar UOL no iPhone