UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/07/29/rio-paparica-imprensa-estrangeira-com-cerveja-e-pedacos-do-maracana.htm
  • Rio paparica imprensa estrangeira com cerveja e pedaços do Maracanã
  • 23/06/2024
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Convite do Rio para os dirigentes estrangeiros, com direito a oferta de cerveja

Convite do Rio para os dirigentes estrangeiros, com direito a oferta de cerveja

29/07/2011 - 07h00

Rio paparica imprensa estrangeira com cerveja e pedaços do Maracanã

Bruno Freitas, Ricardo Perrone e Thales Calipo
No Rio de Janeiro

Depois de investirem juntos R$ 30 milhões no sorteio das Eliminatórias da Copa, prefeitura e governo do Rio se esforçam para seduzir a imprensa internacional. Dos cerca de .1.000 jornalistas credenciados, aproximadamente 600 são de fora do país. E eles têm sido mimados de diferentes maneiras.

FIFA E GOVERNO DISPUTAM 'PATERNIDADE'

A proximidade do sorteio das Eliminatórias começa a estabelecer uma guerra fria entre Fifa e Governo. A presença da presidente Dilma Roussef servirá para sinalizar que o evento é do Brasil

Qual europeu fanático por futebol não gostaria de voltar para casa com um pedaço do Marcanã de recordação? Um grupo de 17 jornalistas estrangeiros teve esse privilégio. Cada um recebeu um pedacinho de concreto das partes demolidas do estádio. O presente foi entregue em mãos pela secretaria de Esporte e Lazer do Rio, Márcia Lins, durante uma visita às obras do palco da final do Mundial de 1950 e em reconstrução para 2014.

Para seduzir os visitantes, a prefeitura usou os encantos do boêmio bairro da Lapa. Distribuiu no centro de imprensa da Marina da Glória um convite em inglês para que os jornalistas experimentassem a hospitalidade carioca com calorosas boas-vindas e cerveja gelada num bar. O charme é que a palavra cerveja foi escrita em português, como se fosse algo típico do Brasil. Caipirinha também não faltou na confraternização.

Apesar dos mimos, os estrangeiros não têm aliviado nas perguntas para os organizadores. Márcia Lins, por exemplo, foi indagada sobre o motivo para o Rio concentrar os principais eventos da Copa e ainda receber a Olimpíada, se São Paulo é o principal centro financeiro do país. “São Paulo é o coração do Brasil, e também vai se beneficiar com esses eventos.”

Ela também precisou responder aos estrangeiros o motivo para o Maracanã em pouco tempo passar por três reformas, numa rotina de gastos. “É que agora estamos fazendo a primeira reforma estrutural de fato. Antes aconteceram apenas melhorias”, disse.

De maneira geral, os estrangeiros demonstram curiosidade sobre os altos investimentos governamentais na Copa. A maioria ainda parece em busca de respostas.

Placar UOL no iPhone