UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/07/22/divida-do-corinthians-com-bndes-deve-passar-dos-r-740-milhoes-em-12-anos.htm
  • Dívida do Corinthians com BNDES deve passar dos R$ 740 milhões, em 12 anos
  • 22/07/2024
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
22/07/2011 - 07h00

Dívida do Corinthians com BNDES deve passar dos R$ 740 milhões, em 12 anos

Roberto Pereira de Souza
Em São Paulo

O Corinthians deverá pagar cerca de R$ 340 milhões de juros para conseguir dinheiro junto ao BNDES. Para ter R$ 400 milhões emprestados, o clube poderá desembolsar R$ 740 milhões, em 12 anos. Os cálculos foram feitos pelo economista e professor  José Dutra Sobrinho, a pedido do UOL Esporte, considerando taxas bancárias  de 10% ao ano. Além disso, o clube receberá mais R$ 420 milhões em títulos municipais, garantidos pela Prefeitura de São Paulo.

Somando-se todas as despesas bancárias, os R$ 70 milhões para montagem e desmontagem dos assentos removíveis (prometidos pelo Governo Alckmin)  e os prováveis R$ 30 milhões para desvio dos dutos da Petrobras, o custo final do Itaquerão deverá ultrapassar R$ 1.2 bilhão.

Em 12 anos, pela tabela SAC de amortização, usada pelo BNDES, o clube pagará cerca de R$ 340 milhões sobre o valor de R$ 400 milhões, emprestado junto ao banco estatal. Os números batem com os da planilha de um  analista, que participa da escolha de um banco intermediário para fechar a operação e  que conversou com UOL Esporte, na condição de anonimato:

CUSTO DO ITAQUERÃO

Fontes dos recursos Valores
BNDES R$ 400 milhões
Prefeitura de São Paulo R$ 420 milhões
Governo do Estado R$ 70 milhões
Corinthians (juros) R$ 340 milhões
Corinthians (dutos) R$ 30 milhões
Total estimado R$ 1,260 bilhão

 “Esperamos que o contrato de empréstimo seja fechado com juros e taxas de  cerca de 10% ao ano”, previu o analista financeiro que participa das negociações. “Isso incluiria 7,09% pagos ao BNDES e o restante ao banco intermediário entre taxas e  juros”, revelou a fonte .

O contrato a ser assinado com o BNDES estabelece ainda um período de carência equivalente ao tempo gasto na construção do estádio. “Não foi encaminhado pedido ao BNDES ainda, mas a carência deve ser de no máximo 36 meses, com pagamento de cerca de 50 milhões/ano. Haverá amortização a partir do quarto ano. Vamos usar a taxa de longo prazo do banco estatal”, revelou o analista de mercado.

Outra novidade do contrato entre Corinthians e Odebrecht foi a oficialização do fundo imobiliário como detentor dos direitos do novo estádio. “Não haverá mais a criação da Sociedade de Propósitos Específicos (SPE). A gestão dos direitos do estádio será feita pelo fundo imobiliário, com cotas divididas entre Corinthians e Odebrecht”, confirmou um executivo que participa da negociação.

A parte nobre do Itaquerão se chama ala Oeste, com cerca de 140 metros quadrados de área construída. Ali deve ficar a corte da Fifa,  os convidados importantes  (Vip) e muito importantes (Vvip).  Alguns camarotes de chefes de Estado são blindados.  A ala Oeste terá elevadores especiais, restaurantes privados e outras comodidades.

As obras do Itaquerão
As obras do Itaquerão

Placar UOL no iPhone