UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/07/07/deputados-pedem-a-ricardo-teixeira-mais-transparencia-na-organizacao-da-copa.htm
  • Deputados pedem a Ricardo Teixeira mais transparência na organização da Copa
  • 22/05/2024
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
07/07/2011 - 19h43

Deputados pedem a Ricardo Teixeira mais transparência na organização da Copa

Guilherme Coimbra
No Rio de Janeiro

Deputados da Comissão de Turismo e Desporto (CTD) da Câmara dos Deputados pediram ao presidente do Comitê Organizador Local da Copa (COL-2014), Ricardo Teixeira, que combata o tráfico de influência na escolha de fornecedores para as obras ligadas ao evento internacional. Durante uma visita técnica à sede do COL-2014, nesta quinta-feira, no Rio, nove parlamentares da CTD ouviram, durante quase três horas, explicações sobre as denúncias de que a Fifa estaria fazendo lobby para que as 12 cidades-sede contratassem empresas parceiras.

“Eu cheguei a classificar isso como tráfico de influência e de fato é”, disse Jonas Donizette (PSB-SP), presidente da CTD. “A licitação pública não pode sofrer nenhum tipo de direcionamento. O presidente Ricardo Teixeira concordou comigo. Ele me prometeu que isso não vai mais acontecer e que não haverá nenhum problema se essas empresas não forem contratadas.”

Recentemente, a Folha de S.Paulo denunciou o lobby da Fifa pela contratação de três empresas: uma de energia solar, uma seguradora e uma fabricante de brindes, a ADN. Caso as cidades-sede não contratassem a ADN, teriam que pagar 17% de licenciamento, segundo um e-mail assinado por Jay Neuhaus, diretor de Marketing da Fifa no Brasil.

O deputado Jonas Donizette (PSB-SP) disse que Ricardo Teixeira lhe garantiu – e foi respaldado por representantes da Fifa presentes na visita – que não existe a possibilidade de as cidades-sede terem que pagar os 17% se optarem por outros fornecedores.

“O presidente me explicou que a pessoa que trocou e-mails com a Fifa é terceirizada e não tinha respaldo do COL-2014 para tratar desses assuntos”, contou Donizette, que também cobrou mais transparência da COL-2014 e da Fifa.

“Deixei como sugestão que fosse criado um portal de transparência para que todas essas informações que os deputados solicitaram sejam postas à disposição da população”, disse Donizette. “Antes da visita, tentei achá-las em algum site e não consegui.”

Além da questão do tráfico de influência, a CTD pediu explicações sobre o andamento das obras e o encarecimento do orçamento de alguns estádios. Representantes da Fifa defenderam que muito do que se creditou a exigências da entidade eram apenas recomendações.

“A cadeira retrátil e a cobertura do Maracanã, por exemplo, são recomendações, e não exigências”, explicou o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ), que criticou a megalomania do projeto do novo Maracanã. “Estamos vivenciando uma circunstância de um orçamento que saiu de R$ 400 mil, foi para 700 mil e chegou a R$ 1 bilhão invocando-se uma exigência da Fifa que não existiu”, completou.

O presidente da CTB defendeu que o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), aprovado quarta-feira no Senado, não aumenta o risco de superfaturamento das obras. “Os órgãos de controle terão informação sobre os preços e sobre o acompanhamento das obras”, disse Jonas Donizette, referindo-se ao Tribunal de Contas da União, ao Ministério Público e às comissões do Congresso Nacional. “É um modelo que aprovamos para que as coisas possam caminhar mais rápido. Vamos fiscalizar cada centavo público que for usado nessa Copa”, garantiu.

Placar UOL no iPhone