UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/06/28/governo-derruba-primeiros-destaques-a-mp-da-copa.htm
  • Governo derruba primeiros destaques à MP da Copa
  • 26/01/2020
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Votação dos destaques da MP da Copa deve seguir até o fim da noite desta terça

Votação dos destaques da MP da Copa deve seguir até o fim da noite desta terça

28/06/2011 - 19h47

Governo derruba primeiros destaques à MP da Copa

Maurício Savarese
Em Brasília (DF)

A Câmara dos Deputados está votando neste momento os destaques apresentados pela Oposição à medida provisória que cria o Regime Diferenciado de Contratações (RDC), aprovada há duas semanas na Casa e que cria novas regras para as licitações de obras e serviços para a Copa do Mundo de 2014 e para as Olimpíadas de 2016. Ainda faltam três destaques para serem votados e o governo deve derrubar todos, pois conseguiu unificar sua ampla maioria em torno da MP. Ao todo, cinco destaques foram propostos.

 

O primeiro destaque, que propunha nada menos que extinguir todo o RDC, foi rejeitado por 264 votos a 88. O segundo, proposto pelo deputado Miro Teixeira (PDT-RS), trazia a ideia contrária, a de estender o RDC a todas as obras do governo federal. Não houve votação nominal, o destaque foi rejeitado em votação simbólica. As únicas mudanças que devem passar serão as propostas pelo próprio governo, chamadas mudanças de redação, que servem para tornar mais clara a letra da lei, sem alterar o seu mérito.

Depois das críticas da oposição e da sociedade civil, o Palácio do Planalto incumbiu o relator da MP, deputado José Guimarães (PT-CE), de fazer alterações: mencionar o Ministério Público e o Tribunal de Contas da União como os órgãos que terão acesso aos dados e expressar que isso acontecerá “permanentemente”. Segundo ele, as mudanças vão “tirar os superpoderes da Fifa e do COI (Comitê Olímpico Internacional)”, sem dar mais detalhes.

Para muitos oposicionistas, além do sigilo, o principal problema com o texto governista é a falta de um limite claro para os gastos com obras. “Nas duas últimas semanas, ficou muito claro que a oposição estava coberta de razão ao denunciar as imperfeições desse texto”, disse o líder do DEM, ACM Neto (BA). “O relator reconheceu que tinha sigilo no texto. Reconheceu que dava superpoderes ao COI. Vamos passar muitas horas hoje discutindo isso”.

     

Placar UOL no iPhone