UOL esporte

  • http://esporte.uol.com.br/futebol/copa-2014/ultimas-noticias/2011/07/05/ministerio-publico-vai-questionar-prefeitura-por-incentivos-ao-itaquerao.htm
  • Ministério Público vai questionar prefeitura por incentivos ao Itaquerão
  • 19/05/2024
  • UOL Esporte - Futebol
  • UOL Esporte
  • @UOLEsporte #UOL
  • 2
Tamanho da letra
Terreno ainda está em fase inicial de preparação para as obras

Terreno ainda está em fase inicial de preparação para as obras

05/07/2011 - 08h33

Ministério Público vai questionar prefeitura por incentivos ao Itaquerão

Do UOL Esporte
Em São Paulo

O Ministério Público (MP) de São Paulo vai questionar a prefeitura sobre os motivos que a levaram mudar de posição e conceder incentivos fiscais à construção do Itaquerão, futuro estádio do Corinthians e sede paulista para a Copa do Mundo de 2014.

MINISTRO FLERTA COM BRASÍLIA

Após dizer que a abertura da Copa deveria ser em São Paulo, o Ministro do Esporte Orlando Silva visitou as obras de Brasília e disse que a capital se credencia "fortemente" a receber o evento

Por meio da Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social, o órgão cobra explicações da prefeitura. Em março, o MP questionou a legalidade de eventuais incentivos fiscais e ouviu do Executivo que não estava prevista ajuda desse tipo ao Corinthians.

Meses depois, o prefeito Gilberto Kassab encaminhou um projeto que concedia a emissão de R$ 420 milhões em títulos tributários que poderão ser comercializados pelo clube após a conclusão das obras. O projeto, que normalmente levaria meses para tramitar na câmara dos vereadores, foi aprovado a toque de caixa.

“Existe um texto e ele foi aprovado pela Câmara. Vamos solicitar esse documento, anexá-lo ao processo e apurar o que está acontecendo”, afirmou ao jornal Marca uma fonte não identificada do MP.

Vale lembrar que os incentivos fiscais só terão validade caso o Itaquerão seja escolhido como sede da abertura da Copa. Caso contrário, o Corinthians voltará ao projeto original do estádio, que prevê a capacidade para 48 mil espectadores (para a abertura são precisos 65 mil lugares), e arcará sozinho com os custos.

Em debate com o vereador e ex-superintendente do São Paulo, Marco Aurélio Cunha, o presidente do Corinthians Andrés Sanchez “garantiu” a escolha da cidade, mas reconheceu não ter nenhum documento da CBF que ponha a cidade como palco do evento.

Placar UOL no iPhone