PUBLICIDADE

Topo

Sem Frescura: é verdade que não podemos usar enxaguante bucal todo dia?

Mais Sem Frescura
1 | 25
Siga o VivaBem no

Gabriela Ingrid

Do VivaBem, em São Paulo

02/03/2020 04h00

Você já deve ter visto aquelas propagandas que mostram uma pessoa escovando os dentes, usando enxaguante bucal e saindo feliz, sorridente e com o hálito mais puro que o ar das montanhas, né?

Bom, nessa hora, a primeira coisa que a gente pensa é que usar esses enxaguantes é algo obrigatório para quem quer deixar a sua boca limpa.

Mas será que usar esses produtos todos os dias realmente faz bem para os dentes e a sua boca?

Sinto muito decepcioná-los, mas a resposta é não. E não sou eu que estou falando, mas sim especialistas em saúde bucal.

A razão para isso é que o enxaguante pode ser visto como uma espécie de medicamento. E seu uso não deve ser feito de maneira indiscriminada, apenas quando houver recomendação de dentistas.

Isso porque sempre que você bochecha um desses produtos ele, de certa forma, está provocando alterações na flora da sua boca.

Se eles tiverem álcool em sua composição, pior ainda, já que tendem a agredir a mucosa bucal. Essa situação é especialmente mais séria em quem faz uso de remédios como anti-histamínicos, antidepressivos e sedativos, que já ressecam naturalmente a mucosa bucal.

De qualquer maneira, todos os enxaguantes, quando estão em contato com a parte interna da boca, acabam tendo alguns componentes absorvidos pelo organismo, o que pode causar problemas em algumas pessoas.

Há, inclusive, estudos que relacionam o uso de enxaguantes bucais a casos de aumento de pressão arterial Mas como manter uma boca limpinha e dentes brilhantes?

Especialistas são unânimes em dizer que tudo passa pela boa e velha escovação seguida de fio dental. Alguns enxaguantes até ajudam a remover a placa bacteriana, mas a sua remoção só ocorre de forma mecânica.

E o mau hálito? Geralmente, esse problema é uma soma de fatores e pode, inclusive, ser originado no seu estômago. Aí não tem jeito: tem que ir ao dentista para averiguar se o problema está na boca e, caso não esteja, procurar outro especialista para investigar a causa.

Roteiro: Rodrigo Lara. Fontes: Edmilson Pelarigo, diretor clínico da OrthoDontic e Ana Laura Soares, odontologista do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz (SP).