6 dedos, 2 pênis: fenômeno de órgãos extras é mais comum do que se pensa

Graças a milhões de anos de evolução, o corpo humano tornou-se bem versado em seus processos de desenvolvimento. Na maioria das vezes, ele nos fornece o número correto de órgãos e estruturas de que precisamos para funcionar. Mas, às vezes, percalços nesse processo fazem com que as pessoas acabem tendo extras.

Dentes, dedos das mãos e dos pés e mamilos extras são, na verdade, surpreendentemente comuns.

Até 1% da população nasce com dedos das mãos ou dos pés extras, enquanto cerca de 1% das pessoas nasce com dentes adicionais. Esses dois fenômenos são mais comuns em homens —especialmente os dedos extras, que são duas vezes mais comuns neles.

Aproximadamente 6% das pessoas têm um mamilo extra. Eles podem aparecer em qualquer lugar ao longo da linha que vai da axila até a virilha, conhecida como sulcos mamários ou linhas de leite.

Assim como os dentes e dedos extras, os mamilos supranumerários são mais comuns em homens, mas não se sabe ao certo o motivo. Eles também tendem a aparecer no lado esquerdo do corpo.

Mas esses não são os únicos lugares em que partes extras do corpo podem aparecer. Algumas pessoas nascem com ossos, órgãos ou genitália extras que talvez nem saibam que têm.

Costelas

As costelas supranumerárias geralmente são vistas em dois locais: no pescoço ou na região lombar (parte inferior das costas).

Estima-se que 1% da população tenha uma costela extra, embora, quando se trata de uma costela extra no pescoço, ela possa estar mais próxima de 4,5%.

A costela extra pode ocorrer em um ou ambos os lados da coluna vertebral. Normalmente, uma costela extra não causa problemas e só é descoberta incidentalmente durante um raio-X ou exame de imagem para outra condição, embora possa causar danos se comprimir os nervos e vasos sanguíneos vizinhos.

Se isso ocorrer no pescoço, pode causar dor, dormência e formigamento nos braços. Na região lombar, costelas adicionais podem causar dor nas costas.

Órgãos abdominais

Um baço extra é surpreendentemente comum. Entre 19% e 30% das pessoas têm um baço acessório.

Normalmente, eles são encontrados perto do baço principal, mas em algumas circunstâncias podem ser arrastados para a pelve. Os baços acessórios podem apresentar desafios clínicos se precisarem ser removidos cirurgicamente no tratamento da anemia hemolítica, em que os glóbulos vermelhos são destruídos mais rapidamente do que podem ser produzidos.

O fígado é o maior órgão do abdome, composto por quatro partes diferentes (lobos). Há relatos de que menos de 1% das pessoas nascem com um lobo acessório do fígado, embora esse número possa ser maior, pois ter um lobo acessório geralmente não causa sintomas.

A maioria das pessoas que têm um lobo adicional do fígado só o descobrem acidentalmente, seja durante uma cirurgia ou exame de imagem para uma condição diferente.

Mas há casos em que o lóbulo acessório causa uma torção após trauma por força bruta. Isso interrompe o suprimento de sangue e exige cirurgia de emergência.

Rins supranumerários também podem ocorrer, embora isso seja incrivelmente raro, com menos de 100 casos registrados. Novamente, isso pode ser devido ao fato de que eles tendem a não causar problemas de saúde. Há também o mais raro dos raros: um bebê recente nasceu com dois rins supranumerários, totalizando quatro.

O que é mais comum, entretanto, é ter um rim duplo —onde há um tubo adicional que sai do rim e se conecta à bexiga. Até 6% da população tem um.

Genitália

Há várias anomalias genitais que podem ocorrer. Isso se deve ao fato de que os testículos e os ovários se desenvolvem em ambos os lados do corpo, possibilitando que as estruturas de suporte se fundam de forma incompleta durante o desenvolvimento normal, causando a formação de genitália supranumerária.

O útero duplo ocorre em cerca de 0,3% das mulheres, uma ocorrência muito rara. Cada útero pode ter seu próprio colo do útero e vagina (ou pode compartilhar uma vagina). Em geral, cada útero é capaz de carregar um feto saudável ao mesmo tempo, embora um útero duplo tenha sido associado a maior risco de aborto espontâneo, parto prematuro, parto pélvico e natimorto.

Em casos raros, também podem ocorrer ovários adicionais. Geralmente, eles são encontrados muito acima no abdômen ou ao redor dos rins, onde podem se tornar tumores.

Os homens também podem nascer com genitália adicional. Difalia refere-se a nascer com dois pênis —um fenômeno que ocorre em um em cada 5 milhões a 6 milhões de nascimentos. Cada caso é único, com tamanho, forma e funcionalidade variáveis.

Recentemente, foi até relatado que uma criança nasceu com três pênis (trifalia), embora apenas um tivesse todos os tubos necessários para urinar.

Testículos supranumerários (poliorquidismo) também podem ser observados, sendo três a anomalia mais comum, com o testículo extra geralmente presente no lado esquerdo. Ao longo da história, houve apenas sete casos relatados de uma pessoa nascida com quatro testículos. Testículos adicionais não causam problemas, a menos que não tenham descido para a bolsa escrotal, o que está associado a um aumento do risco de câncer testicular.

As bexigas duplas são uma duplicação incrivelmente rara, com apenas 50 casos conhecidos.

Membros extras

Os membros adicionais (polimelia) são uma das estruturas supranumerárias mais raras observadas em humanos. Isso ocorre nos membros superiores quase seis vezes mais frequentemente do que nos membros inferiores.

Na parte superior do corpo, esses membros acessórios tendem a crescer a partir do ombro, enquanto na parte inferior do corpo as pernas adicionais tendem a crescer a partir da pélvis. Também podem ocorrer pés extras.

Em circunstâncias ainda mais raras, um membro adicional pode crescer a partir do meio das costas —conhecido como "notomelia". Mas a mais rara de todas é a "cefalomelia", em que um bebê nasce com membros crescendo a partir da cabeça. Nesses casos, será necessário realizar uma cirurgia para remover o membro extra.

Estruturas supranumerárias de todos os tipos normalmente não causam nenhum dano à nossa saúde. Em muitos casos, elas são apenas mais um elemento que torna cada ser humano único.The Conversation

*Adam Taylor é professor e diretor do Centro de Aprendizagem de Anatomia Clínica, em Lancaster University

Este artigo foi republicado do The Conversation sob a licença Creative Commons. Leia o artigo original.

Deixe seu comentário

Só para assinantes