Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Dá para diferenciar a dengue de gripe, resfriado e covid? Saiba mais

Imagem: Getty Images

Colaboração para VivaBem, em São Paulo

05/07/2022 04h00

Um episódio de tosse entre alguns espirros, seguido de cansaço e mal-estar. Pouco tempo depois, surge a febre. Talvez, dores de cabeça e de garganta também apareçam. A depender se você acompanha ou não as notificações das autoridades da saúde, pode ter uma ideia de qual é o vírus em maior circulação em determinada época.

Mas a verdade é que tanto a covid-19, que passa pela sua quarta onda no Brasil, como a gripe, o resfriado e até a dengue —todos quadros causados por vírus diferentes, e este último, com a diferenciação de ser transmitido por um mosquito— têm sintomas parecidos no início da infecção.

E, independentemente da sua suspeita, em caso de surgimento de sinais, o melhor é sempre procurar a orientação de um serviço de saúde para a realização de teste diagnóstico e classificação de risco.

"Os profissionais poderão distinguir entre aqueles que possam receber cuidados em domicílio dos que apresentam casos mais graves e necessitam de internação hospitalar", indica Paulo Sérgio Ramos, infectologista da UFPE (Universidade Federal do Pernambuco).

Além disso, é importante não colocar outras pessoas em risco —considerando que você pode cruzar com alguém com imunidade mais comprometida, como idosos, crianças e doentes crônicos.

"Toda pessoa com síndrome gripal tem que ser isolada e testada, para interromper o ciclo de contágio", reforça Vera Rufeisen, infectologista do Vera Cruz Hospital, em Campinas (SP).

Cada vírus tem um tempo próprio para que ocorra sua eliminação. A gripe, assim como a dengue e o resfriado, passam em torno de sete dias, enquanto a covid-19 pode durar até 10 dias.

Diferentemente da dengue, que é transmitida através da picada do mosquito infectado, os quadros respiratórios (covid-19, gripe e resfriado), são contagiosos, e podem passar facilmente de uma pessoa para a outra por meio de partículas eliminada durante fala, tosse e espirro de indivíduos infectados.

"De todos esses, no entanto, a covid-19 ainda é a mais contagiosa, especialmente com as cepas novas, derivadas da ômicron", afirma Carolina Lázari, infectologista do Grupo Fleury.

Abaixo, com a ajuda de especialistas, VivaBem explica as principais diferenças entre os quadros.

  • Resfriado

"De forma geral, os resfriados costumam cursar sem febre ou com febre baixa e tem evolução mais rápida", diz Ramos.

Entre as doenças citadas, é a que se manifesta de forma mais leve, e seus sintomas incluem coriza clara e desconforto leve na garganta. "Não é comum apresentar dores fortes no corpo e às vezes pode ser confundido com rinite", aponta Lázari.

Os resfriados costumam ser causados por vírus que comprometem preferencialmente as vias aéreas superiores, entre eles os rinovírus, adenovírus e VSR (vírus sincicial respiratório).

"O VSR é o mais preocupante por que causa quadros de bronquiolite em crianças de até cinco anos, o que pode demandar necessidade de terapia intensiva na faixa etária pediátrica", explica o infectologista da UFPE.

  • Gripe

É uma doença causada pelo vírus influenza, e sua diferença mais marcante em relação ao resfriado é a intensidade dos sintomas, que costumam ser mais fortes.

"Tem início súbito, de forma que a pessoa está só espirrando em um dia, e no próximo, já sente um mal-estar generalizado. São comuns os sinais respiratórios, como coriza, dor de garanta e tosse, sintomas mais baixos das vias áreas. Nem sempre o paciente apresenta febre, mas pode acontecer. Se não for tratada corretamente, pode evoluir para casos mais graves de falta de ar e pneumonia", alerta Carolina Lázari.

Imagem: Getty Images
  • Covid-19

De acordo com Vera Rufeisen, principalmente em infecções pelas variantes mais recentes (ômicron e seus subtipos), o acometimento da via área superior é comum, diferentemente do que os profissionais de saúde notavam nos casos anteriores da doença.

"Dor de garganta, tosse e espirro são prevalentes. No começo dos quadros, influenza e coronavírus têm sinais muito parecidos. O curso da covid-19 tende a se estender mais e a doença tem uma taxa de complicação maior", afirma.

Para ter certeza do diagnóstico, é necessário um teste. Isso porque, para algumas pessoas, principalmente as imunizadas com esquema de vacinação completo, o quadro também pode ser leve e se assemelhar mais a um resfriado.

Vale lembrar que a testagem —e, inclusive, a notificação às autoridades de saúde, em caso de autoteste— é importante, já que a covid-19 é considerada a principal doença a afetar a população no momento atual.

Por volta do dia 10 de junho, a média móvel de casos da doença chegou a 39.980 —maior número desde 16 de março, quando o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) registrou média de 40.682.

No intervalo de um mês (de maio a junho de 2022), a média móvel de mortes também aumentou, saltando de 99 para 141.

  • Dengue
Imagem: SPL

A dengue tem uma interface em comum com as doenças citadas anteriormente, que é a febre. Mas após dois ou três dias, os outros sintomas são bastante característicos e relativamente fáceis de diferenciar.

"Os pacientes sentem dor retro-ocular [o incômodo é intenso até para mexer os olhos], muita dor no corpo, e mais tardiamente, vermelhidão na pele", diz Rufstein.

A febre costuma aparecer subitamente e ser maior que 38°C. O quadro costuma ser bastante incapacitante durante seis ou sete dias, mas depois, para casos sem complicações, há melhora gradual.

De acordo com a infectologista do Grupo Fleury, a doença é bem mais comum no verão. "Sua transmissão acompanha o ciclo de vida do mosquito que transmite a doença, e esses insetos dependem de água parada para se multiplicar e das temperaturas mais quentes para a eclosão dos ovos."

É possível, no entanto, que com as estações climáticas menos definidas como estamos vivenciando, chuvas e aumento das temperaturas façam com que ovos parados há bastante tempo eclodam, criando possíveis surtos em diferentes lugares.

Os riscos da automedicação

Imagem: iStock

Ainda que um remédio que você já tenha tomado antes possa parecer uma boa ideia para aliviar determinados sintomas, é muito importante consultar um profissional da saúde antes da automedicação.

"A dengue, por exemplo, é uma doença que predispõe sangramentos por atrapalhar a coagulação do sangue e alguns medicamentos, como anti-inflamatórios, analgésicos comuns, que podem ser comprados sem receita e são comumente usados para dor no corpo e dor de garganta, podem agravar a condição de predispor fenômenos hemorrágicos", alerta Lázari. Clique aqui e entenda quais remédios você não deve tomar para dengue e os riscos.

Além disso, todo e qualquer medicamento pode oferecer risco, ainda que baixo. Um outro exemplo é o caso do uso indiscriminado de antibióticos, que podem tornar as infecções mais resistentes aos remédios e aumentar o risco para diversas complicações, incluindo o risco de morte.

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dá para diferenciar a dengue de gripe, resfriado e covid? Saiba mais - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL

Saúde