PUBLICIDADE

Topo

Benefícios dos alimentos

Castanha-da-índia ajuda quem tem hemorroidas; conheça mais benefícios

iStock
Imagem: iStock

Samantha Cerquetani

Colaboração para o VivaBem

09/06/2022 04h00

A castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum) é uma oleaginosa bastante usada como suplemento para tratar diversas condições de saúde. Seu extrato concentrado está relacionado à medicina complementar.

Em sua composição, destacam-se substâncias como flavonoides, polifenóis, saponina (escina), taninos, kaempferol, ácidos graxos essenciais (ácido linoleico), ácido oleico e bases purinas (adenina e guanina).

Além disso, possui propriedades anti-inflamatórias, vitaminas B, C, K e vasoconstritoras, ou seja, provocam a constrição dos vasos sanguíneos.

No Brasil, a castanha-da-índia consta na lista de medicamentos fitoterápicos. A seguir, veja seis benefícios do extrato do fruto para a saúde e se há riscos e contraindicações.

1. Alivia sintomas de hemorroidas

É provável que você já tenha ouvido que a castanha-da-índia é benéfica para quem tem hemorroidas. A condição ocorre quando as veias ao redor do ânus e do reto ficam inchadas, causando dores, desconfortos e até sangramentos.

As propriedades anti-inflamatórias da castanha-da-índia aliviam os sintomas do problema ao reduzir o inchaço e a inflamação das veias afetadas. No entanto, deve ser usado como um tratamento complementar com outros fármacos e também são indicadas mudanças na alimentação como aumento de fibras, ingerir mais água e a prática de atividade física.

2. Melhora a circulação

A castanha-da-índia possui um composto chamado escina, que aumenta o fluxo sanguíneo nas veias. Portanto, o uso do extrato está associado à melhora na circulação e é indicado para tratamento de insuficiência venosa crônica, ou seja, um problema que causa a falta de fluxo sanguíneo nas veias das pernas, provocando inchaços e dores.

Uma revisão com nove estudos apontou que consumir 600 mg de extrato de castanha-da-índia (que possuíam escina em sua composição) por dois meses diariamente reduziu os sintomas da doença. No entanto, ainda faltam estudos para determinar seu efeito a longo prazo.

castanha-da-india; arvore  - iStock - iStock
Ainda não existe nenhum estudo que relacione o uso de castanha-da-índia com a perda de peso
Imagem: iStock

3. Reduz sintomas das varizes

As varizes são veias dilatadas, tortuosas e que não conseguem mais fazer que o sangue retorne para o coração. Frequentemente aparecem nas pernas e pés. O extrato de castanha-da-índia melhora o fluxo sanguíneo diminuindo os sintomas das varizes, como inchaços e dores locais.

4. Ajuda na cicatrização

Por ter ação anti-inflamatória, antioxidante e vitamina K, a castanha-da-índia auxilia na reparação do tecido lesionado, ajudando na cicatrização. Além disso, permite que o sangue de uma lesão aberta pare e coagule, evitando assim excesso de sangramento ou hemorragias.

5. É benéfica para o coração

De uma forma indireta, a castanha-da-índia reduz a fragilidade dos capilares sanguíneos, estruturas mais finas do que as veias e artérias, atuando preventivamente para que acidentes vasculares não aconteçam, incluindo os eventos cardíacos, como infartos. Isso porque possui propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e gorduras boas, o que beneficia a saúde do coração.

6. É benéfica para fertilidade masculina

A varicocele é um inchaço das veias perto dos testículos e causa infertilidade nos homens. A castanha-da-índia possui propriedades anti-inflamatórias que diminuem o problema.

Um estudo realizado com 100 homens em dois meses mostrou que a escina, presente no fruto, melhorou a qualidade e motilidade do esperma, além de diminuir o risco de varicocele. Portanto, nesses casos, a castanha-da-índia é benéfica para a fertilidade masculina.

Benefício em estudo

Estudos realizados em tubo de ensaio apontam que a castanha-da-índia também possui efeitos anticancerígenos por ter escina. Por isso, pode reduzir o crescimento de células cancerosas em alguns tipos de tumor, como no fígado, leucemia, mieloma múltiplo, pâncreas e pulmão.

castanha-da-india - iStock - iStock
Castanha-da-india não é um fruto consumível in natura, já que em grandes quantidades provoca irritações no trato digestivo e na pele
Imagem: iStock

Castanha-da-índia emagrece?

Ainda não existe nenhum estudo que relacione o uso de castanha-da-índia com a perda de peso. De acordo com as especialistas consultadas por VivaBem, por pertencer ao grupo das oleaginosas, o fruto contém fibras alimentares, proteínas e gorduras boas, que juntas promovem a saciedade, diminuindo a fome. No entanto, nenhum alimento ou suplemento de forma isolada emagrece.

Quais são os riscos e contraindicações?

Na maioria das vezes, a castanha-da-índia é considerada segura. No entanto, pessoas com histórico de hipersensibilidade e alergia a qualquer um dos componentes da fórmula (como a escina ou os extratos de A. hippocastanum) não devem utilizar o extrato.

Além disso, indivíduos com doenças renais ou hepáticas podem ter os sintomas desses problemas de saúde aumentados. Crianças, gestantes e lactantes também não devem usar a castanha-da-índia sem indicação e acompanhamento médico, uma vez que ainda não existem estudos seguros sobre a sua eficácia e riscos de consumo para esses grupos.

O consumo de grandes quantidades costuma irritar o trato digestivo, provocar dor, vômitos, dilatação da pupila e, em casos mais graves, paralisia.

Como consumir

A castanha-da-índia é uma oleaginosa e seu óleo é extraído para consumo. Porém, não é um fruto consumível in natura, já que em grandes quantidades provoca irritações no trato digestivo e na pele.

Dessa forma, a castanha-da-índia geralmente é comercializada em embalagens com comprimidos revestidos que variam de 50 a 100 mg.

Além das cápsulas, também é encontrada em pó ou em chás ou infusões, que devem ser tomadas conforme orientação médica.

Fontes: Isolda Prado, nutróloga da Abran (Associação Brasileira de Nutrologia) e professora de nutrologia da UEA (Universidade do Estado do Amazonas); Andrea Bonvini, docente do curso de nutrição da Universidade Anhembi Morumbi; Sandi Barros, nutricionista e membro do CRN-7 em Rondônia.

Benefícios dos alimentos