PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Mulheres com obesidade mórbida têm menos sensibilidade na sola dos pés

Pesquisadores mapearam a sola dos pés de mulheres com obesidade mórbida e não obesas - Guilherme Castro/Jornal da USP
Pesquisadores mapearam a sola dos pés de mulheres com obesidade mórbida e não obesas Imagem: Guilherme Castro/Jornal da USP

Ivanir Ferreira

Do Jornal da USP

24/05/2022 12h37

Pessoas com obesidade têm uma pressão mais alta aplicada aos pés, com potenciais prejuízos para a sensibilidade nas solas e, consequentemente, para o equilíbrio. Uma pesquisa realizada na EEFE (Escola de Educação Física e Esporte) da USP avaliou mulheres com obesidade mórbida e indicou que, de fato, elas tinham diminuída a sensibilidade tátil em diferentes regiões das solas dos pés, afetando assim a postura estável do corpo. Essa condição está associada a riscos de quedas, à falta de autonomia e limitações para realização de tarefas diárias.

No estudo, os pesquisadores identificaram algumas regiões dos pés que sofrem mais deterioração sensorial do que outras e que esta condição está associada à obesidade extrema. Os cientistas avaliaram a sensibilidade das solas dos pés de 26 mulheres, sendo metade com obesidade mórbida (índice de massa corpórea —IMC— acima de 40 kg/m²) e a outra metade com peso considerado saudável (IMC entre 18,5 e 24,9), selecionadas na fila aguardando a cirurgia bariátrica, no HC (Hospital das Clínicas), da FM (Faculdade de Medicina) da USP. O índice de massa corporal é determinado pela divisão do peso da pessoa pela sua altura ao quadrado.

Dos nove pontos avaliados, o maior déficit de sensibilidade encontrado entre os dois grupos foi de 76%, sob o arco lateral do mediopé (ponto 7 da figura abaixo).

Os resultados da pesquisa foram descritos no artigo Associations Between Women's Obesity Status and Diminished Cutaneous Sensibility Across Foot Sole Regions, publicado em fevereiro de 2021. O trabalho faz parte da dissertação de mestrado de Jair Wesley Ferreira Bueno, com orientação do professor e pesquisador da EEFE Luis Augusto Teixeira.

O pé humano é composto de três arcos plantares: dois arcos longitudinais (medial e lateral) e um arco transversal anterior, estruturas que contribuem para uma melhor estabilidade do corpo. Os arcos possuem funções essenciais de biomecânica e o de impulsionar o corpo para frente em tarefas de movimento. Como uma mola, também suportam o peso e absorvem o choque que é produzido na locomoção cotidiana como caminhar e correr.

"O mapeamento detalhado das regiões da sola dos pés mais comprometidas do ponto de vista de sensibilidade ratifica estudos anteriores que mostravam que pessoas obesas possuem mais pressão sob os pés e têm dificuldades em manter o equilíbrio postural", explica ao Jornal da USP o autor da pesquisa, Ferreira Bueno. E justamente onde os pés sofrem mais pressão é que foram detectados os baixos índices de sensibilidade, completa.

Mecanorreceptores

Para que ocorra uma postura estável do corpo, explica Bueno, é necessário que haja interação do sistema neural e musculoesquelético, incluindo relações biomecânicas. E uma das hipóteses levantadas pelo estudo e que levaria à instabilidade corporal em pessoas obesas está relacionada aos mecanorreceptores (receptores plantares) das solas dos pés. Eles têm a função de levar ao sistema nervoso central informações sobre a interação da região plantar e a superfície de contato dos pés.

Pessoas obesas sofrem maiores pressões sob os pés (o contato plantar) para a realização de tarefas cotidianas e apresentam menores níveis de sensibilidade tátil. "Informações sensoriais do mecanismo de receptores da pele podem ser afetadas pelo aumento prolongado da pressão nas solas dos pés provocado pela obesidade", relata Bueno.

O estudo fez um mapa detalhado das regiões de maior e menor déficit de sensibilidade na sola dos pés de mulheres obesas, incluindo dedos, cabeças dos metatarsos, arcos interno e lateral do mediopé e calcanhar, usando um instrumento que mede o nível de sensibilidade da pele denominado monofilamentos de Semmes-Weinstein.

Os resultados observados nas comparações intergrupos por região das solas dos pés indicaram menor sensibilidade para o grupo que tinha obesidade mórbida sobre as cabeças do quinto e terceiro metatarsos (pontos 4 e 5 da figura), arcos lateral (ponto 7 da figura) e interno (ponto 8 da figura) do mediopé e calcanhar (ponto 9 da figura).

A menor diferença entre os grupos obesas e não obesas foi observada no hálux/dedão, 18% (ponto 3 da figura), e a maior diferença foi sob o arco lateral do mediopé, 76% (ponto 7 da figura). Segundo o estudo, uma deterioração sensorial acima de 50% em várias regiões da superfície plantar pode ter implicações funcionais para a pessoa e afetar sua capacidade de manter o equilíbrio corporal estável.

Segundo o professor Teixeira, a relação entre a sensibilidade de diferentes regiões do pé e alterações no controle postural de pessoas com obesidade mórbida representava uma lacuna na literatura.

"O achado mais importante foi a identificação de algumas regiões dos pés que sofrem mais deterioração sensorial do que outras e que esta condição está associada à obesidade extrema."

s pesquisadores explicam que a amostra envolveu apenas mulheres, no entanto, um perfil semelhante de pressão mecânica nas regiões da sola do pé quando em pé foi observado entre homens e mulheres, sugerindo que as conclusões podem se aplicar a ambos os sexos.

"Embora não seja um ponto avaliado no estudo, a falta de sensibilidade nas solas dos pés é reversível desde que haja redução de peso, revertendo também os déficits de equilíbrio", diz Teixeira. "Esse é um efeito que tem sido mostrado em estudos, indicando que a redução acentuada de peso corporal, por diferentes procedimentos, leva ao restabelecimento tanto da sensibilidade tátil das solas dos pés quando da estabilidade do equilíbrio em postura ereta quieta", completa.

Crescimento da obesidade mórbida no Brasil

O número de brasileiros com idade entre 25 e 44 anos classificados com obesidade mórbida passou de 0,9% para 2,1% entre 2006 e 2017, de acordo com estudo de pesquisadores da UFMG.

A obesidade mórbida é uma condição mais prevalente em mulheres e adultos de menor escolaridade. Mas, de acordo com a pesquisa, o aumento ocorreu em todos os gêneros, níveis de escolaridade e regiões do Brasil. O maior aumento foi verificado em mulheres que vivem nas capitais Belo Horizonte, Campo Grande, Rio de Janeiro e Teresina.

Além de estar associado a doenças crônicas (hipertensão, acidente vascular cerebral, diabete e elevação dos triglicerídeos), o excesso de peso afeta o equilíbrio postural, que é a falta de capacidade de manter o centro de massa corporal dentro dos limites de base de apoio (os pés).

Saúde