PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Ex-jogadora de basquete morre com parada cardiorrespiratória: há prevenção?

Divulgação
Imagem: Divulgação

Do VivaBem, em São Paulo

19/09/2021 11h47

Grávida de três meses, a ex-jogadora de basquete, Geisa Oliveira, 42, morreu na última sexta-feira (17), após sofrer uma parada cardiorrespiratória, informou a Liga do Basquete Feminino (LBF).

O evento ocorre quando o fluxo de sangue que o coração gera é incapaz de manter oxigenação mínima do corpo. Sem o oxigênio, o organismo não é capaz de continuar funcionando. Entre os sintomas estão a falta de ar, desmaio e dores no peito.

O quadro pode ser considerado uma morte súbita e nem sempre tem uma razão definida. Não dá para dizer que isso foi causado por algum tipo de esforço, por exemplo.

"A não ser que tivesse algum defeito estrutural do coração que ela não soubesse. O mais provável é que houvesse uma obstrução da coronária, uma arritmia ou um defeito congênito", explica o cardiologista Dante Senra, colunista do VivaBem.

De acordo com Bruno Valdigem, cardiologista do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, do Hospital Albert Einstein e do Vila Nova Star (SP), a maioria das mortes súbitas nessa idade são causadas por doenças com base genética ou cardiopatias congênitas que não foram identificadas.

Ele explica que as pessoas não fazem exames como eletrocardiograma e ecocardiograma antes dos 40 ou 50 anos de idade, a menos que tenham sintomas, por isso é mais difícil prevenir condições assim.

"Com a moda de fazer check-up e avaliação pré-participação de esportes, estamos encontrando muitos diagnósticos em pessoas antes de acontecer algo errado —mas é uma minoria que faz esse tipo de exame", pondera Valdigem.

Uma parada cardíaca nessa idade nem sempre é fatal. Mas o atendimento rápido, logo nos primeiro minutos, é essencial. "Por isso é importante ensinar massagem cardíaca para todo mundo", comenta Valdigem. (O cardiologista Roberto Kalil ensina como fazer isso em sua coluna).

Dá para prevenir?

Além de estar atento ao histórico familiar de infarto e doença genética do coração e ter o check-up cardiovascular em dia, é possível também adotar mudanças de estilo de vida para prevenir as doenças cardiovasculares e o AVC, que são causas comuns de mal súbito. Confira:

  • Procure um médico todas as vezes que observar algum sintoma diferente. Eles podem ser um sinal de alerta e deve ser valorizado;
  • Pratique atividade física ao menos 3 vezes na semana;
  • Invista em uma alimentação rica em frutas, verduras, grãos, proteínas de qualidade;
  • Capriche na hidratação;
  • Evite alimentos ricos em gorduras, açúcares e sal;
  • Controle os níveis de colesterol e doenças como hipertensão e diabetes;
  • Livre-se do tabagismo;
  • Adote medidas para reduzir os níveis de estresse psicossocial;
  • Invista em estratégias para dormir bem;
  • Reduza a obesidade visceral (gordura abdominal);
  • Invista em um check-up cardiológico e acompanhamento com um cardiologista.

Essas medidas ajudam a prevenir doenças que podem ser silenciosas e levar ao mal súbito.

*Com informações de reportagem publicada em 13/09/2020.

Errata: o texto foi atualizado
O texto inicial dizia que Geisa era ex-jogadora de vôlei, na verdade, era de basquete. A informação foi corrigida.

Saúde