PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

SP: Capital aplicará 3ª dose a partir de segunda com vacina disponível

Edson Aparecido diz que aplicação da terceira dose em São Paulo será, em um primeiro momento, com a vacina disponível  - YURI MURAKAMI/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO
Edson Aparecido diz que aplicação da terceira dose em São Paulo será, em um primeiro momento, com a vacina disponível Imagem: YURI MURAKAMI/FOTOARENA/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Do VivaBem, em São Paulo

03/09/2021 08h50

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, disse hoje que a capital paulista seguirá o calendário estadual e iniciará a aplicação da terceira dose contra covid-19 na próxima segunda-feira (6) com a vacina que estiver disponível.

Em entrevista à GloboNews, o representante da Prefeitura disse que a priorização de imunizantes para a terceira dose pode ocorrer a partir do envio do Ministério da Saúde previsto para o dia 15 de setembro, mas neste primeiro momento a CoronaVac também pode ser utilizada neste público.

"Neste primeiro momento vamos utilizar as doses que estão disponíveis, a partir de segunda-feira. E depois, a partir do dia 15 de setembro, quando o Ministério da Saúde deve enviar doses maiores Pfizer e AstraZeneca, daí vamos priorizar a aplicação de dose de reforço com o que vamos receber", disse.

Segundo Edson Aparecido, a vacinação de pessoas com mais de 90 anos terá início na segunda-feira com prioridade à população indígena e a quem está acamado em asilos, instituições de longa permanência ou em casa.

Ainda não foram divulgados detalhes de como funcionará a vacinação e se haverá divisão por dia entre grupos que fazem parte do público elegível para 3ª dose neste momento.

Ministério da Saúde x Governo de SP

A manifestação de Edson Aparecido ocorre em meio a uma disputa entre o Governo de São Paulo e o Ministério da Saúde.

Em entrevista ao UOL News, a secretária extraordinária de enfrentamento à covid-19 do Ministério da Saúde, Rosana Leite, anunciou que a aplicação da dose de reforço no Brasil será feita "preferencialmente" com a vacina da Pfizer.

Ela acrescentou que também poderão ser usadas outras vacinas de vetor viral, como Janssen e AstraZeneca, excluindo completamente a CoronaVac, que é um imunizante de vírus inativado.

Já em terras paulistas, o secretário estadual de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, classificou a decisão como "abominável". O governador João Doria afirma que, nos paulistas, será aplicada a dose de reforço com a vacina que "estiver disponível no momento", inclusive a CoronaVac.

Edson Aparecido evitou entrar no debate, mas diz que a decisão de aplicar todas as vacinas para 3ª dose é baseada em avaliações técnicas. "Os nossos técnicos colocam essa segurança, também os técnicos do Estado", disse o secretário, adicionando que a escala da vacinação em São Paulo é muito grande. "Tudo que for possível aproveitar, vamos fazer", disse.

Saúde