PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

'Infarto é doença do estilo de vida': conheça principais fatores de risco

iStock
Imagem: iStock

Alexandre Raith

Da Agência Einstein

21/08/2021 04h00

As doenças cardiovasculares provocam 30% de todos os óbitos registrados no Brasil e no Mundo. Dados da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) apontam que elas foram a causa de morte de 18 milhões de pessoas em 2016 — 85% por causa de infartos e AVC (acidentes vasculares cerebrais). Vale destacar ainda que o ônus das doenças cardiovasculares é ainda maior em países de baixa e de média renda, os quais concentram a maior parte destes óbitos

Mas quais seriam os principais fatores de risco do infarto? Dentre eles podemos destacar, por exemplo, colesterol elevado, hipertensão ("pressão alta"), tabagismo e diabetes, segundo a Interheart, uma pesquisa clássica que foi realizada em 52 países. "O infarto é uma doença do estilo de vida e da má adaptação à urbanização", sentencia o médico Otavio Berwanger, membro da Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo) Neste sentido, estes fatores como colesterol, hipertensão e diabetes decorrem em boa medida de sedentarismo, má alimentação e obesidade.

Ao ajustar esses hábitos e também não fumar (ou participar de programas de cessação de tabagismo), seria possível evitar boa parte dos ataques cardíacos. "Essas medidas são eficazes, seguras, custo-efetivas s e aplicáveis em qualquer lugar", pontua Berwanger, que também é diretor da ARO (Academic Research Organization), uma unidade da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein que coordena pesquisas clínicas de grande porte.

Apesar da possibilidade de controle e tratamento, esses quatro fatores de risco são altamente prevalentes na população brasileira. "Temos um número elevado de pessoas com colesterol alto, que pode chegar a 40%. Já 28% apresentam hipertensão e em torno de 15%, diabetes. E às vezes o paciente possui mais de um desses problemas", alerta Berwanger.

Um desafio é conscientizar os brasileiros da importância de cuidar da saúde cardiovascular. Uma pesquisa feita em 2017 pela SBC (Sociedade Brasileira de Cardiologia) indicou que 67% dos entrevistados desconheciam seus níveis de colesterol, por exemplo.

Infarto do miocárdio

Ele é o resultado da obstrução de uma artéria que leva o sangue para o coração. Com isso, as células do músculo cardíaco começam a morrer.

Dor no peito —que pode irradiar para o braço esquerdo —, sensação de aperto no tórax, suor excessivo, palidez e alteração na frequência cardíaca são os principais sintomas. Mas o ataque cardíaco pode ser assintomático, especialmente entre idosos e pacientes com diabetes. Por isso, é importante ter acompanhamento médico e realizar exames frequentemente.

O infarto é mais comum a partir dos 45 anos —o risco aumenta com o avançar da idade. Entre as medidas de prevenção para evitar o entupimento das artérias estão a prática de exercícios físicos, alimentação adequada, cessação do tabagismo e o adequado controle de fatores de risco como colesterol elevado, hipertensão e diabetes.

Saúde