PUBLICIDADE

Topo

Mariana não comeu doces por 21 dias e eliminou 5 kg: veja como conseguir

Bárbara Therrie

Colaboração para o VivaBem

07/08/2021 04h00

"Sou uma adicta assumida por açúcar. Não sei explicar por que gosto tanto, mas acho que sou uma pessoa mais feliz quando como doce". É assim que Mariana Elias, de 36 anos, começa sua apresentação nesta edição do "Desafio Aceito", apresentado pela Thelminha. Durante 21 dias, a publicitária, que também trabalha com eventos, deixou de comer doces e, embora não tenha sido esse o objetivo principal da sua participação, acabou emagrecendo 5 kg.

Motivada a mudar esse hábito para ser um bom exemplo para a filha Olivia, de 1 ano, Mariana recebeu algumas tarefas de Janaína Lira, nutricionista especializada em saúde da mulher, nutrição estética, funcional e esportiva. A primeira delas foi escolher sete doces que poderia comer durante a primeira semana, média de um por dia.

Mariana, que era acostumada a comer quatro porções em um único dia, preferiu acabar com o estoque de doces antes dessa etapa. "Achei que era melhor não ter nada durante o desafio para não passar vontade, porque fiquei com medo de escolher, comer e perder a linha", disse ela, que é apaixonada por bolos, bomba de chocolate, carolinas. "Às vezes chego na padaria e pergunto qual o doce mais doce para não correr risco de pedir um que não seja tão doce assim", confessou.

Segundo Muriely Verdin, nutricionista especializada em nutrição esportiva pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP (Universidade de São Paulo), muitas pessoas relacionam o doce apenas ao açúcar, porém é o açúcar e a gordura, na forma de doce, que quando consumidos em excesso podem gerar ganho de peso, e quando reduzidos podem favorecer o emagrecimento. Só para se ter uma ideia, 1 g de açúcar tem 4 kcal, enquanto 1 g de gordura tem 9 kcal. Uma unidade de bombom, por exemplo, que contém 11 g de açúcar e 6 g de gordura, tem aproximadamente a mesma quantidade de calorias do que duas colheres (de sobremesa) cheias apenas de açúcar.

A segunda tarefa foi achar substituições mais saudáveis e incluir no cardápio receitas como panqueca e bolo de banana, e snack de grão-de-bico. Uma das estratégias da nutricionista Janaína foi aumentar as fontes de triptofano, aminoácido presente em alimentos como grão-de-bico, farelo de aveia, banana e abacate, para modular a produção de serotonina, um neurotransmissor que atua no humor e diminui a ansiedade.

Mariana colocou em prática as recomendações da especialista já na primeira refeição do dia, preparando um café sem açúcar e uma panqueca de banana, bem diferente do café da manhã habitual, repleto de bolo, biscoitos e geleias, entre outras guloseimas. "A rotina mudou um pouco, não tenho mais as minhas muletas açucaradas, estou tentando fazer alimentações mais saudáveis", disse ela, que relatou ter sentido o corpo desinchar e as roupas caberem melhor.

Vício em açúcar Desafio Aceito - Reprodução - Reprodução
Mariana, uma publicitária e organizadora de festas, é viciada em açúcar e conta que desde criança não vive sem um docinho
Imagem: Reprodução

Cuidado com o exagero nas opções saudáveis

Apostar nos doces saudáveis é uma boa opção para quem gosta de doces e, ao mesmo tempo, quer emagrecer, mas seu consumo também deve ser moderado. De acordo com Verdin, uma dica é reduzir ou mudar alguns ingredientes para diminuir as calorias. Por exemplo, ao invés de fazer uma receita de bolo tradicional, a pessoa pode usar uma menor quantidade de óleo e açúcar e evitar fazer cobertura.

Frutas, frutas secas, mel, melado e adoçante são ingredientes interessantes para adicionar em doces, pois eles ajudam a adoçar sem precisar de tanto açúcar. A adição de farinha de aveia, farelo de aveia ou aveia em flocos também pode ser uma boa, pois confere mais saciedade.

Praticar atividades físicas ajuda

Mariana aumentou a ingestão de água e experimentou e comeu mais frutas como parte do novo plano alimentar. Ela também teve que fazer 30 minutos de atividade física, uma grande aliada no emagrecimento, por dia e que foi duplamente benéfico para ela. A busca pelo doce pode ser uma maneira de lidar com alguma emoção negativa, como a ansiedade e o estresse, por exemplo. Além de aumentar o gasto calórico e contribuir para o balanço energético negativo, o exercício promove a liberação da endorfina, hormônio do prazer e bem-estar, por um maior período de tempo, reduzindo a ansiedade e irritabilidade. Exercitar-se também motiva as pessoas a comerem melhor ao longo do dia, uma vez que estão se esforçando no treino.

"O grande problema de fazer caminhada na rua são as tentações. Sair só para andar sem poder comprar nada virou uma tortura para mim", contou a participante. Em uma dessas caminhadas, ela teve uma crise de ansiedade ao ver vários doces na padaria. "Não conseguia respirar, entrei em pânico. Um lado da minha cabeça dizia: 'É só açúcar'. Do outro, me dava desespero olhar aqueles doces e não poder comê-los. Naquele momento vi o quanto o meu problema com açúcar era maior do que eu imaginava".

Um outro desafio que Mariana cumpriu foi não comer nenhum doce durante a montagem de um evento que ela organizou, cujo tema era a "Fantástica Fábrica de Chocolates". A missão era não beliscar, não comer e, caso sobrasse alguns docinhos, ela deveria fazer uma caixa bonita e dar de presente para a cliente ou para as pessoas que trabalharam com ela. "Foi difícil olhar e não provar. Fiquei louca para roubar uns, mas não pude".

Mariana, que estava com o peso estagnado desde o nascimento da filha, surpreendeu-se de ter perdido 5 kg ao ter ficado 21 dias sem comer doces. "Para mim foi uma surpresa, fiquei mais empolgada com o processo por estar me ajudando a emagrecer". Meses depois, ela não parou de comer doce completamente, mas diminui bastante a quantidade e perdeu 7 kg no total. Agora ela criou uma nova consciência de alimentação: "Açúcar é uma delícia, mas não é saudável".