PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Rio diz que 95% das internações por covid-19 são de não vacinados

Eduardo Paes diz que se equivocou na comunicação de plano de reabertura - Reprodução/Youtube
Eduardo Paes diz que se equivocou na comunicação de plano de reabertura Imagem: Reprodução/Youtube

Do UOL, em São Paulo*

06/08/2021 10h25

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou hoje que 95% das internações na cidade por covid-19 são de pessoas que não se vacinaram contra a doença sequer com a primeira dose. A informação foi disponibilizada pelas redes sociais e confirmada em entrevista do prefeito Eduardo Paes (PSD) e do secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz.

"A situação que merece atenção é que 5% das pessoas que internam tomaram pelo menos uma dose da vacina. 95% que internaram são que não se vacinaram", disse Soranz.

O UOL entrou em contato com a secretaria para esclarecer se o dado é referente a novas internações ou ao total de internados na cidade. A prefeitura também não informou a idade desses pacientes.

"Só 5% de casos de internação são de pessoas que se vacinaram. Está sendo internado quem não tomou a primeira dose. Isso reforça a importância de se vacinar", disse Paes.

Aumento de casos

Na entrevista, também foi informado um aumento no número de casos de covid-19, o que pode retardar a programação de reabertura divulgada na última semana pelo prefeito.

Os números exatos não foram divulgados, mas o gráfico apresentado do boletim epidemiológico mostra um aumento da casa dos 5.000 novos casos por semana para 6.000.

A preocupação é com o avanço da variante delta do novo coronavírus, que segundo levantamento recente já corresponde a 45% dos casos.

"Pequeno aumento importante é um grande aumento. Temos tido nessa semana e no fim da semana passada um aumento do número de casos de novo. A gente vinha tendo redução. Isso é basicamente fruto da variante delta", disse Paes.

Gráfico de casos por semana epidemiológica no Rio de Janeiro - Reprodução/Youtube - Reprodução/Youtube
Gráfico de casos por semana epidemiológica no Rio de Janeiro
Imagem: Reprodução/Youtube

Até agora a única pessoa que morreu pela variante delta no Rio foi uma idosa que escolheu não se vacinar.

O prefeito admitiu que errou na comunicação do plano de flexibilização feito na semana passada, que prevê até mesmo a liberação do uso de máscaras dentro de poucos meses. Segundo ele, a intenção não era fazer um "oba-oba", mas sim sinalizar para uma melhora no futuro.

"Eu quero olhar pra frente, a gente precisa se programar. Mas isso não quer dizer que tenhamos tudo resolvido [neste momento]", pontuou. "Se for preciso, a gente faz mais restrição. Se necessário for, não terei o menor temor em voltar atrás."

Preocupação com a variante delta

Segundo o secretário de Saúde, o aumento de casos na cidade está relacionado à variante delta, identificada primeiramente na Índia e que já é dominante em diversos países do mundo.

"A variante delta, em nossa estimativa, corresponde a 45% dos casos no Rio. É claro que, como em outros países, a variante delta transmite com muito mais velocidade e muito provavelmente a maioria de casos hoje que representa esse crescimento podem ser atribuídos à variante delta", disse.

A delta é considerada mais transmissível do que as demais variantes, mas ainda não há confirmação se ela provoca sintomas mais graves da doença. A resposta imunológica com a aplicação das vacinas em uso contra a covid-19 diante da delta ainda passa por estudos, mas resultados preliminares indicam que a imunização completa oferece boa proteção.

*Com informações da Estadão Conteúdo.

Saúde