PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Doria fala em 'medida arbitrária' da Saúde e irá à Justiça por mais vacinas

Do VivaBem, em São Paulo

05/08/2021 08h55Atualizada em 05/08/2021 14h43

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse hoje que o Ministério da Saúde tomou uma 'medida arbitrária' e que 'reagirá na forma da lei', acionando a Justiça para receber mais vacinas da Pfizer.

Ontem, o governo paulista acusou o Ministério da Saúde de enviar apenas 50% do lote do imunizante que estava programado para o estado, o que equivale a 228 mil doses. A pasta rebateu, dizendo que compensou o excesso de doses.

"Nós vamos reagir na forma da lei para evitar que brasileiros de São Paulo, paulistas e aqueles que vivem no estado sejam prejudicados por uma medida arbitrária sem nenhum fundamento do Ministério da Saúde", disse Doria na manhã de hoje, durante o recebimento de insumos para a produção de CoronaVac no aeroporto de Guarulhos.

Mais tarde, representantes do Governo de São Paulo confirmaram que medidas judiciais serão tomadas, mas não deram detalhes sobre a ação, nem em qual órgão ela será impetrada.

Em entrevista ontem, representantes do Ministério da Saúde disseram que, como o Instituto Butantan, que produz a CoronaVac, fica em São Paulo, o governo do estado pode retirar diretamente as doses de vacinas. Eles informaram, porém, que em duas ocasiões anteriores, São Paulo retirou, somadas, 151 mil doses a mais do que o previsto.

De acordo com eles, essa diferença pode ter acontecido por uma falha de comunicação e é por isso que desta vez está havendo uma compensação na entrega de doses ao estado.

Em nota, o governo paulista rebateu as alegações e afirmou que é "mentirosa" a afirmação de que o estado ficou com mais doses de CoronaVac.

Doria disse que a redução alegada no envio de vacinas Pfizer pode comprometer a programação do estado de imunização. "Coibir, limitar e reter vacinas é contribuir para o aumento do pesadelo que esta pandemia vem vitimando milhões de brasileiros e privar a oportunidade de imunização daqueles que já tomaram a 1ª dose da Pfizer de tomar a 2ª dose desta vacina", disse.

Saúde