PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

Anvisa recebe pedido para uso emergencial de remédio da Pfizer contra covid

Medicamento está sendo testado em 15 centros no Brasil - iStock
Medicamento está sendo testado em 15 centros no Brasil Imagem: iStock

Colaboração para o UOL*

28/07/2021 20h30

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu hoje um pedido de uso emergencial do medicamento Tofacitinibe para tratar pacientes com covid-19. O pedido foi feito pela farmacêutica Pfizer, que também é uma das produtoras da vacina contra o vírus.

Originalmente usado contra artrite reumatoide e outras doenças autoimunes, o remédio pode combater a "tempestade inflamatória" causada pelo coronavírus. Um estudo brasileiro mostrou que o medicamento diminui o risco de morte e insuficiência respiratória em pacientes hospitalizados com a doença.

"As primeiras 24 horas serão utilizadas para fazer uma triagem do processo e verificar se os documentos necessários para avaliação estão disponíveis", diz o comunicado da Anvisa, que poderá solicitar as informações adicionais ao laboratório.

A agência explica que o prazo de análise do pedido para medicamentos é de 30 dias, e o processo é feito por uma equipe multidisciplinar que envolve especialistas das áreas de Registro, Monitoramento e Inspeção de medicamentos.

Uma pesquisa tem sido realizada pela farmacêutica, em conjunto com o hospital Albert Einstein, em 15 centros brasileiros. O remédio foi usado no tratamento de 289 adultos internados com covid-19. Segundo os dados divulgados, a medicação diminuiu em 37% o risco de morte ou falência respiratória dos pacientes.

Alguns especialistas, porém, defendem que o uso do medicamento ainda demanda mais estudos. Isso porque, apesar de considerarem os resultados animadores, a quantidade de envolvidos é considerada baixa. Além disso, alertam para que o remédio não se torne uma medida para leigos, e seja administrado "na dose correta, com acompanhamento diário dos pesquisadores e em ambiente controlado e no hospital".

* Com informações de Agência Einstein e Estadão Conteúdo

VivaBem