PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Bolsonaro diz que Queiroga fará parecer para desobrigar máscara em vacinado

Do VivaBem, em São Paulo

10/06/2021 17h50Atualizada em 10/06/2021 20h20

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, deve publicar um parecer para desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que já foram vacinados ou contraíram a covid-19 e se recuperaram, contrariando as recomendações de autoridades sanitárias do mundo todo.

"Acabei de conversar com um tal de Queiroga, não sei se vocês sabem quem é, e ele vai ultimar um parecer visando a desobrigar o uso de máscara por parte daqueles que foram vacinados ou que já foram contaminados. Para tirar esse símbolo, que obviamente tem a sua utilidade para quem es infectado", disse Bolsonaro em evento em Brasília, sendo respondido com aplausos da plateia.

Horas depois da fala de Bolsonaro, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que é preciso que a vacinação avance para que o plano seja colocado em prática.

O ministro, que é médico, não deixou claro em que pé está o parecer citado por Bolsonaro. Perguntado sobre quando essa medida passará a valer, respondeu: "Queremos que seja o mais rápido possível".

"Para isso, precisamos vacinar a população brasileira e avançar", completou.

Apesar de dizer que a medida está "em estudo", diferentemente do que Bolsonaro anunciou hoje mais cedo, Queiroga negou que esteja sofrendo pressão do presidente neste tema. "O presidente não me pressiona. Eu sou ministro dele, nós trabalhamos em sintonia", afirmou.

Questionado pelo UOL, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello relembrou que decisões sobre saúde pública cabem ao governo federal, mas também a estados e municípios.

Especialistas defendem que uso de máscara continue obrigatório

Em entrevista à emissora GloboNews, a pneumologista e pesquisadora da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) Margareth Dalcolmo criticou a medida

Ao ar livre seria admissível. Em ambiente fechado, mesmo vacinado, nós que já tivemos a doença devemos estar de máscara o tempo todo, até porque a gente tem algo chamado reinfecção
Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fiocruz

No mundo, Israel e, mais recentemente, os Estados Unidos são alguns dos países em que vacinados também não são obrigados a usar máscara. A diferença é que, nestes lugares, a campanha de imunização contra a covid-19 está muito mais avançada: no primeiro, segundo balanço do Our World in Data, 59,4% da população já recebeu as duas doses da vacina; no segundo, 42,15%.

Já no Brasil, apenas 11,06% das pessoas estão completamente imunizadas.

O presidente da Sociedade Paulista de Infectologia, Carlos Fortaleza, fez coro com Dalcolmo. Em entrevista à CNN Brasil, ele afirmou que as máscaras podem ser retiradas "quando tivermos um impacto da vacinação sobre a circulação do vírus".

Eu entendo que nós temos uma situação em que se confunde o individual com o coletivo. Em um país como o Brasil, em que nós temos pouquíssimas pessoas vacinadas, e sabendo que as pessoas podem adquirir covid mais de uma vez, é absolutamente absurdo fazer uma sugestão como a que foi feita pelo presidente."
Carlos Fortaleza, presidente da Sociedade Paulista de Infectologia

Queiroga defende máscara e distanciamento

Desde que assumiu o Ministério da Saúde, Queiroga frequentemente defende o uso de máscara e o distanciamento social. No fim de abril, por exemplo, ao falar sobre uma queda no número de mortes por covid-19, ele declarou:

"É fundamental nesse momento que assistimos a essa tendência de queda de óbito, embora ainda uma tendência muito pequena, que as pessoas continuem com medidas não farmacológicas, de uso das máscaras, com distanciamento social, evitando aglomerações".

No dia 9 de abril, o Palácio do Planalto passou a veicular uma campanha a favor do uso de máscara facial e do distanciamento social, para o combate da covid-19. Na ocasião, o UOL apurou que o próprio Bolsonaro havia autorizado a peça de comunicação.

As mensagens foram publicadas em perfis oficiais do Planalto no Twitter e no Facebook. "Mesmo com a vacinação contra a covid-19 avançando cada vez mais, é muito importante continuarmos cuidando uns dos outros. Por isso, lave sempre as mãos com água e sabão ou utilize álcool em gel, evite aglomerações, mantenha o distanciamento e use máscara", diz uma das mensagens nas redes sociais.

Bolsonaro quer investigação de suposta supernotificação de óbitos

O presidente insistiu em usar informações infundadas para questionar o número total de mortes por covid-19 no Brasil. Ele voltou a mencionar dados de um relatório não oficial e os atribui ao TCU (Tribunal de Contas da União). Porém, segundo o próprio tribunal, o relatório citado pelo presidente não tem validade. Ele foi produzido pelo auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, que acabou afastado.

Bolsonaro disse que vai pedir para o deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, para que ele solicite ao TCU que investigue o número total de óbitos pela doença. Ainda se baseando no documento sem validade e sem dar mais nenhuma prova, o presidente disse que se este dado for revisto o Brasil pode se tornar o país com o menor número de mortes por milhão de habitantes.

Um estudo publicado em maio pela Vital Strategies, uma organização de pesquisadores de saúde, aponta justamente o contrário do que insinua o presidente: a subnotificação de casos de covid-19 por causa da falta de testes pode estar escondendo até 30% das mortes pela doença. Segundo o consórcio de veículos de imprensa, do qual o UOL faz parte, 479.971 já morreram em decorrência do coronavírus no país.

Saúde