PUBLICIDADE

Topo

VivaBem

Gordura abdominal reflete mais riscos que obesidade para covid, diz estudo

Pacientes com obesidade abdominal tiveram resultados significativamente maiores (média 9) em comparação com aqueles sem obesidade abdominal (média 6) - iStock
Pacientes com obesidade abdominal tiveram resultados significativamente maiores (média 9) em comparação com aqueles sem obesidade abdominal (média 6) Imagem: iStock

Colaboração para o UOL

11/05/2021 14h06

Uma pesquisa realizada em Milão, na Itália, e apresentada no Congresso Europeu sobre Obesidade deste ano, apontou que a circunferência abdominal é mais importante do que a obesidade geral na análise da gravidade da covid por meio de exames raio-x.

A obesidade abdominal é a gordura ao redor da cintura. Já obesidade geral é determinada pelo IMC (índice de massa corporal).

Para se chegar a essa conclusão, os cientistas do Instituto de Hospitalização e Cuidado Científico Policlínico San Donato dividiram o pulmão de 215 pacientes em três zonas, podendo-se obter no máximo três pontos em cada uma, sendo zero para desempenho pulmonar normal e três para função ruim.

Pacientes com obesidade abdominal tiveram resultados significativamente maiores (média 9) em comparação com aqueles sem obesidade abdominal (média 6). Em números percentuais, a diferença foi de 59% e 35%, respectivamente.

"A obesidade abdominal pode predizer um escore alto de gravidade na radiografia de tórax em pacientes hospitalizados com covid-19. Portanto, no hospital, a circunferência da cintura deve ser medida e os pacientes com obesidade abdominal devem ser monitorados de perto", salientam os pesquisadores.

Ao analisar a situação pelo IMC, tradicionalmente utilizado para determinar a obesidade, não houve diferenças estatisticamente significativas nas pontuações entre aqueles com peso normal (33%), sobrepeso (39%) ou obesidade geral (31%).

VivaBem