PUBLICIDADE

Topo

Tudo sobre Câncer

Sintomas e tratamentos da doença


Tomar refrigerante diariamente eleva risco de câncer colorretal em mulheres

refrigerante - iStock
refrigerante Imagem: iStock

Do VivaBem

09/05/2021 13h35

Não é de hoje que sabemos que tomar refrigerante regularmente aumenta o risco de ter diversas doenças, como obesidade, diabetes e alguns tipos de câncer. Uma nova pesquisa, publicada no periódico Gut, associou o alto consumo diário (duas doses ou mais) de bebidas açucaradas a um risco duas vezes maior de câncer colorretal (de intestino) em mulheres com menos de 50 anos, em comparação as que ingeriam somente 1 porção por semana.

O trabalho científico publicado no periódico Gut ainda conclui que há um aumento de 16% na probabilidade de desenvolver o tumor a cada porção (350 ml) diária de bebida açucarada consumida por mulheres adultas. Em jovens e adolescentes, os prejuízos à saúde do consumo regular de refrigerantes é ainda maior: cada porção diária eleva em 32% o risco de ter câncer colorretal antes dos 50 anos.

Os pesquisadores de Harvard consideraram como alto consumo ingerir diariamente duas ou mais porções de bebidas açucaradas, como refrigerantes, energéticos, isotônicos, chás gelados e sucos —mas, após ajustes nos dados, os sucos naturais e 100% frutas não foram associados ao aumento no risco da doença.

Segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de intestino é o segundo tipo de tumor maligno mais comum entre mulheres, ficando atrás apenas do câncer de mama. Por ano, estima-se que são descobertos 40 mil novos casos da doença em ambos os sexos e 20 mil mortes devido ao problema.

O câncer colorretal costuma ocorrer em pessoas com mais de 50 anos e é considerado uma doença evitável, já que seus principais fatores de risco são a má alimentação —rica em produtos industrializados, repletos de açúcar, sódio, gordura e aditivos químicos— e o sedentarismo.

Como o estudo foi feito

  • Os cientistas analisaram dados de 95.464 mulheres que participaram do Nurses' Health Study II (feito entre 1991 e 2015) e reportaram seu consumo de bebida em questionários preenchidos a cada quatro anos. Entre as participantes, 41.272 reportaram a ingestão de bebidas quando tinham entre 13 e 18 anos.
  • Os pesquisadores consideraram como uma porção de bebida açucarada 350 ml de refrigerantes, sucos (inclusive os integrais, que têm 100% frutas), energéticos e chás gelados.
  • Nos 24 anos de estudo, 109 participantes tiveram câncer colorretal antes dos 50 anos.
  • Ao analisar todos os dados, os cientistas concluíram que o risco de ter a doença antes dos 50 é 2,2 vezes maior em mulheres que consomem diariamente duas porções de bebidas açucaradas por dia, em comparação a quem bebe uma porção por semana. No entanto, ao fazerem ajustes, os pesquisadores identificaram que não houve aumento no risco quando a bebida era suco de frutas 100% integral.
  • Além disso, foi verificado que o risco de ter a doença aumenta em 16% a cada porção diária consumida de bebidas açucaradas. Entre os jovens de 13 a 18 anos, a elevação no risco a cada porção diária foi de 32%.
  • A pesquisa ainda identificou uma redução de 17% no risco de ter a doença ao substituir uma porção de bebida açucarada por café sem açúcar; e de 36% ao trocá-la por leite sem açúcar. Trocar o refrigerante por água ou chá sem açúcar também foi associado a uma leve redução no risco, sem percentual significativo.

Nas limitações do estudo, os cientistas ressaltam que a pesquisa foi observacional e, por isso, não pode estabelecer que tomar refrigerante e outras bebidas açucaradas cause câncer colorretal, apenas mostra uma associação. Além disso, a maioria das participantes da pesquisa eram brancas. Portanto, os resultados podem não se aplicar em mulheres de outros grupos étnicos e homens.

O estudo ainda demonstrou que as pessoas com alto consumo de bebidas açucaradas também tendiam a ser menos fisicamente ativas, consumir mais carnes processadas (presunto, hambúrguer, salsicha, linguiça) e realizar um número de endoscopias abaixo do indicado pelos médicos. Tudo isso também aumenta o risco de ter câncer no intestino.