PUBLICIDADE

Topo

Fígado, moela, rabada: polêmicas no BBB, carnes da xepa são nutritivas

BBB 21: Pocah, Camilla e Juliette conversam na cozinha da xepa - Reprodução/ Globoplay
BBB 21: Pocah, Camilla e Juliette conversam na cozinha da xepa Imagem: Reprodução/ Globoplay

Bruna Alves

Do VivaBem, em São Paulo

19/04/2021 04h00

Resumo da notícia

  • É comum que muita gente não goste das proteínas disponíveis para os brothers que estão na xepa do BBB 21
  • Mas todas essas proteínas têm alto valor biológico. Fígado, moela, língua e rabada contêm minerais essenciais
  • Ferro, Vitaminas B, A, C, cálcio, fósforo, cobre e zinco são alguns dos nutrientes que encontramos nesses alimentos
  • Mas é preciso consumo moderado pois eles contêm bastante gordura e colesterol

Comida no BBB é sempre um assunto que gera polêmica, especialmente entre os participantes do programa que estão na xepa. Na edição desse ano, já houve algumas discussões entre os brothers pois o Fiuk não gosta de fígado, a Carla Dias não gosta de moela e quase ninguém gosta de bucho (dobradinha) etc.

Mas saiba que várias dessas carnes que muita gente torce o nariz só de ouvir o nome (lá dentro da casa do BBB e também aqui fora) são muito nutritivas, baratas e fáceis de preparar. Para se ter ideia, um bife de fígado de 100 gramas pode suprir em 51% a necessidade diária de proteína e quase 70% a de ferro.

"O Guia Alimentar para a População Brasileira, do Ministério da Saúde, orienta que se deve comer pelo menos uma vez por semana vísceras e miúdos, pois são excelentes fontes de ferro com alta biodisponibilidade", comenta Ingrid Serafim, médica nutróloga da clínica IntegraVida (CE).

A seguir, conheça melhor os benefícios de cada proteína:

O fígado de boi é uma proteína rica em vários nutrientes - iStock - iStock
O fígado de boi é uma proteína rica em vários nutrientes
Imagem: iStock

Fígado bovino

É um dos alimentos de origem animal mais ricos em nutrientes e de alto valor biológico, o que significa que é absorvido pelo organismo mais facilmente. Ele é fonte de vitaminas A, B12, B5, B6 e C, ácido fólico, riboflavina, selênio, ferro, cobre e zinco.

Esses nutrientes dão energia e ajudam no controle do estresse e as vitaminas B12, B6 e ácido fólico auxiliam na redução do risco de infarto. Já a vitamina C e o zinco são substâncias antioxidantes que reduzem o risco de câncer e previnem o envelhecimento precoce.

O bife de fígado, inclusive, costuma ser muito indicado para as crianças, já que seus nutrientes são fundamentais para um crescimento saudável e também para combater a anemia por deficiência de ferro. Aliás, segunda as especialistas ouvidas por VivaBem, ele tem a maior quantidade de ferro absorvível que qualquer porção de outro alimento.

As quantidades de vitamina A também surpreendem. De acordo com Natália Pinheiro de Castro, nutricionista e doutora em ciências pela USP (Universidade de São Paulo) e membro no NutS - Nutrition Science, 100 g de fígado fornece mais vitamina A do que a necessidade diária. "Esta vitamina é essencial para a manutenção do sistema imunológico, visão, reprodução e comunicação celular, além de participar do crescimento e diferenciação celulares, exercendo função crítica para a manutenção dos órgãos vitais", diz.

Outro mineral bastante abundante no fígado é o cobre, que faz parte de enzimas centrais para a produção de energia, metabolismo do ferro, síntese de tecido conectivo e síntese de neurotransmissores.

Sendo assim, o consumo moderado, dentro de uma dieta equilibrada, pode suprir algumas necessidades nutricionais importantes e de forma mais eficaz que alguns suplementos disponíveis na farmácia.

Mas fique atento: o bife de fígado bovino também possui muito colesterol, por isso deve ser consumido de forma moderada.

  • Quantidade: 100 g
  • Valor energético total: 218 kcal
  • Carboidratos: 4,36 g
  • Proteínas: 28,5 g
  • Gorduras totais: 9,61 g
  • Gordura saturada: 4,63 g
  • Fibras: 0,11 g
  • Ferro: 5,51 mg
  • Sódio: 257 mg
Se bem preparada, a moela fica muito saborosa  - iStock - iStock
Se bem preparada, a moela fica muito saborosa
Imagem: iStock

Moela

A moela é um músculo pequeno das aves, localizado no estômago, responsável por facilitar a digestão de sementes e grãos. Já como nosso alimento ela é de baixo custo e versátil: pode ser frita, assada, cozida, grelhada e é possível adicionar molhos caseiros diferentes para incrementar o sabor e deixá-la mais suculenta.

A moela é rica em proteínas e pobre em carboidratos e gorduras. "Além disso, é rica em zinco, um micronutriente essencial que temos que obrigatoriamente obter da dieta", diz Castro. O zinco participa da atividade de mais de 100 enzimas e é mais conhecido pelo seu papel no sistema imune, por isso o encontramos frequentemente associado aos antigripais vendidos nas farmácias.

"Além disso, o zinco participa da síntese de proteínas, reparo celular, síntese de DNA e divisão celular, tendo participação chave nos estágios de desenvolvimento, como gestação, infância e adolescência", acrescenta ela. O consumo de uma porção de 100 g de moela, aproximadamente 4 colheres de sopa, pode suprir em 37% a necessidade diária de zinco.

Seu consumo também é indicado na alimentação infantil, já que quadros de anemia são frequentes nessa faixa etária. Mas vale ressaltar que, embora menos que o fígado, a moela também tem colesterol e, por isso, seu consumo também deve ser moderado.

  • Quantidade: 100 g
  • Valor energético total: 126 kcal
  • Carboidratos: 0,92 g
  • Proteínas: 28,7 g
  • Gorduras totais: 0,88 g
  • Gordura saturada: 0,22 g
  • Fibras: 0 g
  • Ferro: 3,76 mg
  • Sódio: 283 mg
A língua é uma ótima opção de proteína, inclusive para crianças - iStock - iStock
A língua é uma ótima opção de proteína, inclusive para crianças
Imagem: iStock

Língua

Trata-se de uma carne versátil que pode ser preparada de várias formas, como refogada ou ensopada, mas, normalmente, ela precisa ser cozida por no mínimo 1h30 com temperos a gosto para remover a camada externa que é mais grossa e reveste o músculo. Segundo as especialistas, esse processo deve ser feito antes de a carne esfriar.

A língua bovina é rica em proteínas de alto valor biológico e gorduras, responsáveis pelo seu sabor e textura. "A língua de boi é uma proteína completa, contendo todos os aminoácidos necessários para o bom funcionamento do corpo, e uma boa construção muscular. Por isso é uma ótima fonte proteica, inclusive para crianças", indica Serafim.

Ela também possui muito ferro, zinco e vitamina B12, cálcio, ferro e fósforo. O ferro compõe proteínas responsáveis por transferir o oxigênio, como a hemoglobina (proteína das células vermelhas que transfere o oxigênio dos pulmões para os tecidos) e a mioglobina, que sustenta o metabolismo muscular e o tecido conectivo.

Ele também é necessário em todas as fases do crescimento e desenvolvimento, funcionamento celular e síntese de hormônios. Já a vitamina B12 é essencial para a manutenção e função do sistema nervoso central, sendo responsável pelo seu desenvolvimento e mielinização (a mielina é o revestimento lipoproteico das células nervosas que além de proteger a condução nervosa, faz com que ela seja mais rápida e eficaz).

Portanto, o consumo moderado da língua, bem como o fígado e a moela, pode prevenir a deficiência desses nutrientes essenciais.

  • Quantidade: 100 g
  • Valor energético total: 185 kcal
  • Carboidratos: 4,83 g
  • Proteínas: 11,9 g
  • Gorduras totais: 13,5 g
  • Gordura saturada: 5,77 g
  • Fibras: 1,54 g
  • Ferro: 1,39 mg
  • Sódio: 346 mg
A rabada com moderação é muito nutritiva - iStock - iStock
A rabada consumida com moderação é muito nutritiva
Imagem: iStock

Rabada

Assim como o fígado, a moela e a língua, é uma carne rica em proteína de alta absorção, ferro, vitamina A, B6, B12 e zinco.

Muitas pessoas têm medo de comer rabada por achar que ela não seja saborosa ou simplesmente por nojo, mas atualmente é um dos pratos que compõem os restaurantes mais conceituados.

E não precisa ficar receoso: para que a carne fique macia, o ideal é que seja preparada na panela de pressão, com os temperos a gosto. Para tornar a preparação um pouco mais leve, com menor quantidade de gordura, é possível descartar a água de cozimento da rabada e, em seguida, grelhar ou fritar no azeite os cortes menores do rabo.

A cocção dos ossos do rabo do boi pode apresentar inúmeros benefícios à saúde, pois possui uma boa fonte de micronutrientes presentes nos ossos, como cálcio, fósforo e magnésio. Além disso, o caldo da rabada é rico em colágeno e produtos da cartilagem, que podem ajudar nos tendões, ossos e principalmente articulações.

Outro fator comum na rabada é a presença abundante do aminoácido glutamina, que tem sido frequentemente associada à melhora do sistema imunológico e redução de quadros inflamatórios. "Em hospitais, a suplementação da glutamina é implementada no cuidado de pacientes críticos e que requerem cuidados específicos. Portanto, em situações de fragilidade do sistema imune, fraqueza e pouca disposição para consumir refeições completas, é possível adotar como recurso de autocuidado o consumo ocasional do caldo da rabada", explica a nutricionista Natália de Castro.

Mas o prato também contém muita gordura e colesterol, portanto seu consumo deve ser moderado.

  • Quantidade: 100 g
  • Valor energético total: 214 kcal
  • Carboidratos: 4,76 g
  • Proteínas: 11,8 g
  • Gorduras totais: 16,7 g
  • Gordura saturada: 5,92 g
  • Fibras: 1,06 g
  • Ferro: 1,51 mg
  • Sódio: 267 mg

Fonte: Telma Toledo, nutricionista e professora da UFAL (Universidade Federal de Alagoas).

Referência: TBCA (Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos da USP).