PUBLICIDADE

Topo

Dá para salvar alimentos infestados de carunchos? Faz mal comer o inseto?

Carunchos são comuns em grãos como arroz, feijão, milho, além de alimentos como farinha de trigo e até biscoitos - iStock
Carunchos são comuns em grãos como arroz, feijão, milho, além de alimentos como farinha de trigo e até biscoitos Imagem: iStock

Danielle Sanches

Do VivaBem, em São Paulo

15/03/2021 04h00

Resumo da notícia

  • Carunchos são insetos que infestam alimentos como macarrão, farinha de trigo e biscoitos, mas especialmente grãos como arroz, feijão e milho
  • A infestação ocorre durante a cadeia de produção até a chegada do alimento em casa; no armário, os insetos podem invadir outros produtos
  • É importante acondicionar alimentos em embalagens hermeticamente fechadas, evitando contato com o ar
  • Se a infestação for pequena, o alimento ainda pode ser reaproveitado, mas mais de cinco insetos e presença de larvas indicam que deve ser descartado

O menu da semana está montado e você decide cozinhar um pouco de arroz e feijão para adiantar as refeições da semana. Aí vem o pesadelo: ao abrir o pacote com os grãos, você se depara com um —ou mais — carunchos andando por ali. E agora?

Se isso já aconteceu na sua cozinha, fique tranquilo: os carunchos são uma praga urbana bastante comum em alimentos. Além do arroz e do feijão, é comum surgirem também na farinha de trigo, no grão de milho, no achocolatado, no macarrão, em chás e até biscoitos.

De acordo com Marcos Roberto Potenza, pesquisador do Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, os meses mais quentes do ano apresentam uma maior incidência dessas infestações, pois os insetos encontram um ambiente mais favorável para reprodução e desenvolvimento.

De onde eles vêm?

A infestação em grãos é muito comum especialmente por conta do armazenamento precário dos produtos em toda a cadeia de produção. Ou seja, desde o estoque do produtor até o depósito onde eles são armazenados pelo supermercado, são inúmeras as oportunidades que os insetos encontram para entrar e proliferar.

Por isso, a infestação geralmente começa a partir de um alimento adquirido já contaminado. Mas nem sempre o alimento em que o inseto foi encontrado é a origem do problema. "A infestação pode ter surgido em outro produto e, se continuar na despensa, vai se espalhar para mais alimentos", diz Potenza.

A fêmea do inseto chega a depositar algumas centenas de ovos todos os dias. Ao eclodirem, as larvas poderão chegar à fase adulta entre 30 e 40 dias.

E não são apenas os carunchos que preocupam: traças, baratas e moscas também são pragas que utilizam esses alimentos para se multiplicarem.

feijão - Larissa Veronesi/Getty Images - Larissa Veronesi/Getty Images
Feijão também pode sofrer infestação
Imagem: Larissa Veronesi/Getty Images

Dá para prevenir?

A orientação para evitar o problema é que, ao adquirir esses alimentos, deve-se observar as condições de armazenamento do produto, como higiene do local, estado de conservação do ambiente e até a presença de insetos voando ali. "Se tiver insetos voando no ambiente ou fios de seda em prateleiras, é melhor comprar em outro local", afirma Potenza.

Vale também observar a integridade da embalagem, já que qualquer perfuração favorece a entrada desses animais. De acordo com a nutricionista Angelica Grecco, do Instituto EndoVitta, em São Paulo, uma vez que a embalagem é aberta, os alimentos devem ser acondicionados em potes herméticos, evitando o contato com o ar. "É importante também garantir que não entre umidade no armário e que a data de validade seja respeitada", afirma.

Uma vez que o caruncho tenha sido encontrado, é importante vasculhar todo o armário para garantir que outros produtos não tenham sido afetados também.

Achei o caruncho, e agora?

Via de regra, esses insetos não são um risco à saúde, pois não se espalham por áreas contaminadas nem trazem doenças ao ser humano. "Eles não provocam nenhum problema grave de saúde nem intoxicação, mas sua presença é um indício da falta de higiene do local de armazenamento", afirma Luciana Coppini, nutricionista mestre em ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

O problema é que, uma vez avistado, é comum o sentimento de nojo quando pensamos em consumir aquele alimento (mesmo que ele tenha sido lavado e cozido). "Nem todo mundo vai conseguir comer", diz Coppini.

Se este não for o seu caso, é possível tentar salvar o produto —desde que a infestação seja pequena, com poucos insetos (um ou dois). Basta colocar no congelador por 24 horas para encerrar o ciclo de reprodução dos animais. "No caso dos grãos, é prática comum colocar o alimento de molho na água e cozinhá-lo no dia seguinte, o que também pode funcionar", afirma Potenza.

Mas se a infestação já for grande, com mais de cinco insetos, larvas aparentes e muito pó na embalagem (um indicativo de que os grãos já foram muito consumidos pelas larvas), o recomendado é mesmo descartar ou, se possível, tentar trocar o produto no estabelecimento em que foi comprado.