PUBLICIDADE

Topo

Saiba como incluir flores comestíveis em saladas e sobremesas

Maria Mattos/Divulgação
Imagem: Maria Mattos/Divulgação

Simone Cunha

Colaboração para o VivaBem

05/03/2021 04h00

Resumo da notícia

  • As flores comestíveis são ótimas opções para deixar o cardápio diário menos entediante e mais nutritivo
  • Apesar de serem mais usadas em finalizações de pratos e saladas, podem compor o preparo de risotos, tortas, geleias e sobremesas
  • É imprescindível certificar-se de que a espécie escolhida é realmente comestível, afinal há flores tóxicas
  • Elas devem ser mantidas resfriadas por até três dias antes de seu uso

As flores podem servir muito mais do que só para embelezar o prato. Além de terem um sabor delicado, são ricas em fibras, vitaminas e a maioria contêm antioxidantes, principalmente na forma de flavonoides, que combatem os radicais livres. Portanto, não servem apenas para enfeitar, mas podem complementar o valor nutricional da comida.

Para a bióloga Gabi Pastro, herbalista da Hortas e Saberes e especialista em ervas, especiarias e flores comestíveis, elas são ótimas opções para deixar o cardápio diário menos entediante. "O clássico do universo das flores comestíveis são as finalizações de pratos e saladas, mas podem também ser usadas no preparo de risotos, tortas, geleias e sobremesas".

Com criatividade, é possível criar pratos e combinações que sejam atraentes e despertem o interesse de quem irá degustá-los. "As flores combinam com todos os tipos de preparos, porém nem todas se dão bem com o cozimento. Por isso, é importante pesquisar antes de se aventurar na cozinha", diz Patrick Ambrogi, docente do curso de gastronomia da Universidade Anhembi Morumbi.

Uma maneira de evitar erros nos primeiros preparos é seguir essas dicas:

  • Flores frescas: podem ser utilizadas em pratos frios como saladas, sobremesas e antepastos;
  • Flores secas: devem ser usadas em preparações quentes, pois é necessário fazer sua hidratação por meio de infusão preservando seu sabor e aroma.

Confira as principais flores comestíveis

Para aprender um pouco sobre o ingrediente, os especialistas fizeram uma lista das mais comuns usadas na gastronomia, anote:

Amor-perfeito: de sabor levemente adocicado, a clássica flor comestível dentro da culinária é rica em antioxidantes. As flores inteiras (ou somente as pétalas) são utilizadas para decorar sobremesas e ornamentar saladas, e podem ser cristalizadas ou congeladas em cubos de gelo para decorar drinks e refrescos. Pode ser consumida cozida, porém perde sua vivacidade.

Calêndula: muito rica em vitaminas, possui grande poder corante. Por muito tempo suas pétalas desidratadas foram usadas para tingir queijos, caldos e manteigas. Hoje são usadas para gerar contrastes de cor em saladas, sopas e risotos, conferindo uma coloração semelhante ao açafrão, porém com um sabor picante. Deixa uma sensação seca na boca e suas notas aromáticas lembram o frescor do lúpulo.

Capuchinha: suas flores são ricas em vitamina C, proporcionando melhoria na pele e auxiliando na prisão de ventre. De sabor picante, pode ser usada em saladas, recheios de tortas, risotos e quiches, compotas e na ornamentação de doces.

Cebolinha-francesa/ceboulette: tem sabor e aroma semelhante ao alho, porém mais suave que as flores da cebolinha comum — ambas são expectorantes e ricas em vitamina C. Use-as em saladas, tortas e para aromatizar vinagres e azeites. No caso de vinagre, você poderá aromatizar um de arroz, que ficará rosado com as flores.

abacate flores - iStock - iStock
Imagem: iStock

Cravina: as pétalas têm um sabor adocicado e ácido que lembram o limão. Ficam interessantes em sorvetes, sorbets, saladas de fruta e até mesmo empanadas e fritas.

Flor de Borago: de origem africana, seu sabor se modifica de acordo com seu uso. Quando fresca e crua, pode apresentar sabor refrescante que lembra o pepino; quando cozida, seu sabor se torna mais parecido com o de frutos do mar.

Manjericão: as variedades possuem pequenas flores, variando sua coloração entre brancas, esverdeadas e roxas. As flores de todos os tipos podem ser consumidas cruas ou cozidas, pois têm notas mais delicadas de cítricos e menta. Deve ser usada em saladas, salgados e, principalmente, em água de cozimentos, como no macarrão. De forma geral, todos os tipos apresentam flores digestivas.

Minirrosa: todos os tipos são comestíveis, crus ou cozidos, e possuem ação calmante. As pétalas são usadas para elaborar coquetéis, águas saborizadas, geleias, sorvetes, licores, temperos (como advieh de rosas) e saladas.

Atenção na hora da escolha

As flores comestíveis são de fácil digestão, porém há pessoas que podem ser alérgicas aos pólens. Neste caso, seu consumo deve ser evitado. Também é imprescindível se certificar de que a espécie escolhida é realmente comestível, afinal há flores tóxicas como beladona, copo de leite e antúrio.

De acordo com Roseli Candeo, instrutora nos cursos de gastronomia do Senac EAD, inseri-las ao cardápio exige cuidado. "Não é simplesmente comer uma flor, é necessário conhecer a sua procedência e tentar comprar de fornecedores confiáveis, como tem de ser feito com qualquer hortaliça", ensina.

Outra dica é cultivá-las em casa, em pequenos espaços ou horta. "A principal dica é ter pelo menos 4 horas de sol direto e diário, caso contrário poderão não florescer. A maioria das flores comestíveis convencionais são de dia longo, apenas florescem quando existe uma boa quantidade de sol", esclarece Pastro.

Como elas são bastante delicadas, devem ser mantidas resfriadas por até três dias, antes de seu uso na elaboração do prato. Além disso, é importante lembrar que podem ser temperadas, desde que isso seja feito na hora de servir, para não murchar.