PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Juliette, do BBB 21, conta que é sonâmbula; é perigoso acordá-la?

Advogada disse que já chegou a arrumar um quarto inteiro enquanto dormia - Reprodução/Globoplay
Advogada disse que já chegou a arrumar um quarto inteiro enquanto dormia Imagem: Reprodução/Globoplay

Do VivaBem*, em São Paulo

27/02/2021 10h45

Durante uma conversa no BBB 21, nesta sexta-feira (26), Juliette contou aos participantes que é sonâmbula. "Vir para o BBB sonâmbula é para se lascar", brincou. Ela também disse que já chegou a arrumar um quarto inteiro enquanto dormia.

A advogada pediu para que as sisters a acordem caso ela faça algo estranho de madrugada. Mas Sarah comentou: "Falam que não pode acordar sonâmbulo, que é perigoso". Juliette, porém, disse que, para ela, não tem problema: "Podem me acordar, já me acordaram várias vezes e eu estou aqui vivinha".

Ao contrário do que alguns pensam, os sonâmbulos podem, sim, ser acordados. O único problema é que despertarão confusos e assustados. Mas em alguns casos, essa medida pode evitar que eles se machuquem.

Os episódios geralmente terminam espontaneamente, quando o paciente retorna ao leito e, portanto, ao sono normal.

Entenda o sonambulismo

Todos nós já ouvimos relatos de pessoas que fazem várias coisas enquanto estão dormindo e depois não se lembram de nada. Elas têm sonambulismo, um distúrbio classificado como parassonia. Ou seja, ele faz parte de um grupo de problemas do sono que provocam comportamentos não desejados ou desagradáveis ao dormir, durante o sono ou ao despertar.

Embora o sonambulismo esteja mais presente na infância, pode acontecer em qualquer fase da vida. Ainda não se sabe as causas exatas do distúrbio.

Existe tratamento para o sonambulismo?

O tratamento se baseia principalmente em medidas preventivas. É aconselhável instalar dispositivos de segurança no quarto, dormir em uma cama no nível do chão, de preferência no andar térreo, fechar as janelas e cobrir objetos de vidro.

Alguns remédios psiquiátricos, ansiolíticos com efeito calmante, demonstraram ser eficazes quando tomados sob prescrição médica. Técnicas de relaxamento e psicoterapia também podem auxiliar no tratamento do distúrbio que ainda não tem cura.

* Com informações de reportagens publicadas nos dias 27/05/2019 e 23/10/2020.

Saúde