PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Alzheimer: testes identificam mudanças precoces antes que sinais apareçam

 KatarzynaBialasiewicz/Getty Images
Imagem: KatarzynaBialasiewicz/Getty Images

Do VivaBem, em São Paulo

02/12/2020 10h58

Um novo teste é capaz de levar ao diagnóstico precoce do Alzheimer ao detectar níveis anormais da proteína tau, quadro encontrado em quem está no estágio inicial da doença, antes do desenvolvimento de problemas cognitivos, de acordo com estudos agora publicados nas revistas científicas EMBO Molecular Medicine e Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association.

O que acontece no cérebro de quem tem Alzheimer

Para realizar qualquer função regida pelo nosso cérebro, como pensar, falar, aprender, memorizar e planejar, entre centenas de outras, é preciso que as células nervosas —os neurônios — enviem sinais umas para as outras. Essa comunicação se dá por impulsos elétricos e substâncias químicas que atravessam as sinapses, pequenos espaços que existem entre as células. Nos indivíduos com Alzheimer, certas alterações tóxicas fazem com que os neurônios deixem de se comunicar e morram.

Os cientistas acreditam que existem dois principais fatores por trás do processo e que envolvem duas proteínas diferentes:

  • Beta-amiloide Começa a se acumular e, junto com células mortas, forma depósitos entre os neurônios conhecidos como placas senis.
  • Tau Forma emaranhados neurofibrilares dentro das células nervosas.

O que está por trás desse acúmulo anormal de proteínas ainda é algo em estudo.

Outras alterações também parecem interferir no processo, como problemas vasculares que impedem o aporte adequado de sangue e nutrientes, como a glicose, para o cérebro, além da existência de um processo inflamatório crônico, uma vez que as células responsáveis pela "faxina" local, como as gliais e os astrócitos, são impedidas de cumprir sua função.*

Como o estudo foi feito

  • No primeiro estudo, conduzido no estudo de coorte do BBRC (Barcelona Beta Research Center), com o apoio da Fundação "la Caixa", cerca de um terço das 381 pessoas avaliadas apresentavam evidências cerebrais de Alzheimer, mas sem qualquer tipo de problema cognitivo -- o que significa que essas mudanças não puderam ser detectadas por avaliações de memória.
  • Os marcadores de proteína tau usados pelos cientistas identificaram corretamente essas anormalidades no líquido cefalorraquidiano e em amostras regulares de sangue.
  • Estudos subsequentes realizados em Gotemburgo, Paris e Ljubljana revelaram que os níveis mostrados nos marcadores aumentaram entre o estágio pré-clínico, o início dos problemas cognitivos e os estágios finais de demência.
  • A conclusão da equipe aponta que aumentos progressivos em níveis da proteína tau podem fornecer informações sobre o desenvolvimento biológico e clínico do Alzheimer.

Por que o estudo é importante

De acordo com os pesquisadores envolvidos na pesquisa, uma maneira possível de melhorar os tratamentos é testá-los em pessoas nos estágios iniciais da doença, com mudanças biológicas evasivas, mas sem sintomas clínicos como a perda de memória.

"O desafio prático, entretanto, é que essas mudanças iniciais muito pequenas são incrivelmente difíceis de medir de forma confiável. Isso compromete nossas chances de identificar e recrutar pacientes pré-clínicos com a doença para ensaios clínicos", explicou Kaj Blennow, professor da Universidade de Gotemburgo, em nota da universidade.

As descobertas relatadas nessas publicações mostram que as novas ferramentas altamente sensíveis captam as primeiras alterações da doença de Alzheimer no cérebro em pessoas clinicamente normais. "Essas ferramentas têm o potencial de avançar na triagem da população e nos ensaios clínicos", apontou Thomas Karikari, também professor assistente da Universidade de Gotemburgo, que co-liderou a descoberta.

*Informações da reportagem de Tatiana Pronin

Saúde