PUBLICIDADE

Topo

Gordura da comida vira gordura corporal? Saiba como se forma tecido adiposo

Alimentação é a grande fonte de gordura para o corpo - Getty
Alimentação é a grande fonte de gordura para o corpo Imagem: Getty

Chloé Pinheiro

Colaboração para VivaBem

07/10/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Carboidratos e gorduras são os nutrientes mais relacionados ao acúmulo de gordura corporal
  • A gordura é armazenada mais facilmente do que o carboidrato, mas o excesso dos dois é estocado
  • Para realmente queimar a gordura, é preciso diminuir o consumo de calorias

A gordura corporal é essencial para a manutenção da saúde, entretanto, em excesso, pode trazer problemas e aumentar o risco de doenças. Mas, afinal, como o corpo constrói seu estoque de tecido adiposo? Ele vem apenas de alimentos gordurosos?

Basicamente, nossa gordura é proveniente da alimentação, mas não são apenas alimentos ricos nesse nutriente que se transformam em gordura corporal; os carboidratos também.

Do pão à gordura

Para o carboidrato se tornar tecido adiposo, o processo é um pouco mais trabalhoso ao organismo. Esse nutriente começa a ser digerido na boca (por meio da enzima amilase) até chegar ao intestino. Lá, ele é quebrado até virar glicose, uma molécula menor, classificada como monossacarídeo.

Do intestino, a glicose é liberada na corrente sanguínea. A insulina, então, pega parte dessa glicose e vai colocando para dentro das células do corpo para gerar energia e cumprir outras funções, explica Denise Costa Wiltgen Parodi, endocrinologista do Hospital Barra D'Or, no Rio de Janeiro.

A insulina também leva a porção não utilizada nesse primeiro passeio para o fígado, onde será transformada em glicogênio. "Ele funciona como uma pequena reserva de carboidratos para gerar energia quando ficamos sem, e é armazenado no próprio fígado ou nos músculos", diz Clarissa Fujiwara, nutricionista da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica).

Se mesmo assim sobrar glicose, ela é convertida em triglicérides, o recheio dos adipócitos, nome técnico das células que compõem a gordura corporal.

carboidratos - iStock - iStock
Além da própria gordura do alimento, os carboidratos também são usados na formação desse estoque
Imagem: iStock

Como a gordura vira gordura corporal

O processo de transformar a gordura ingerida em tecido adiposo é diferente. Depois de consumida, a gordura do alimento é absorvida no intestino e então é carregada por lipoproteínas, que servem exclusivamente para dar essa carona, até o fígado. "Nesse órgão, ela sofre uma série de transformações até dar origem a outras moléculas, como o colesterol HDL e o LDL, e passam a ser aproveitadas de diversas formas pelo organismo", diz Parodi.

Parte do que não foi aproveitado ali permanece em circulação ou é estocado diretamente nos adipócitos em forma de triglicérides, uma molécula que já vem pronta da alimentação, além de ser fabricada pelo fígado e pelo tecido adiposo.

É um caminho mais simples do que o carboidrato, mas o excesso de qualquer um dos dois será invariavelmente estocado.

Para que serve o tecido adiposo

Temos dois tecidos adiposos: o visceral, que recobre os órgãos e responde pela "barriga de chope", e o subcutâneo, que permeia toda pele. Ambos têm várias funções no organismo, como manter a temperatura corporal, produzir hormônios sexuais e fornecer energia quando necessário.

A gordura também atua na construção da membrana plasmática, que recobre as células do organismo, explica Aline David, nutricionista doutora pela USP (Universidade de São Paulo). O problema é o excesso, especialmente do tecido adiposo visceral. "Ele está ligado ao aumento de processos inflamatórios e à resistência à insulina, quadro que leva ao diabetes ao longo do tempo", diz ela.

Por isso, os especialistas recomendam que o consumo não passe de 30% do total de calorias diárias para pessoas saudáveis que não tenham alterações nos níveis de colesterol LDL e triglicérides. A maior parte desse total deve vir dos ácidos graxos mono e poli-insaturados, dos vegetais, e menos de 10% dos saturados, das carnes e derivados.

Balanço calórico, comidas, balança, dieta - iStock - iStock
Não há segredo: a melhor forma de perder gordura é, além de reduzir o consumo de calorias, praticar exercícios físicos
Imagem: iStock

Quando gastamos a gordura corporal?

Toda vez que estamos em jejum por longos períodos ou ficamos em repouso (como ao dormir, por exemplo), o corpo já usa parte da gordura para gerar energia. "A mobilização ocorre praticamente a todo instante, mas a oxidação (queima) só acontece quando há déficit nesse fornecimento de energia, ou seja, menos calorias ingeridas", diz Antonio Herbert Lancha Junior, doutor em nutrição pela Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP.

Quando a quantidade de energia fornecida pela dieta é reduzida, o corpo precisa retirar parte dos triglicérides estocados e convertê-los em ácidos graxos para gerar ATP (adenosina trifosfato), nossa moeda de energia. "A prática de exercícios físicos que exigem esforço também promove a ativação da enzima lipase, que leva à quebra de gordura", diz David.

A insulina, muito discutida nas dietas low carb, por teoricamente prejudicar esse processo de quebra de gordura, realmente atua contra a lipólise, mas isso não depende tanto dos picos de glicose, e sim dos níveis elevados e constantes do hormônio. Esses níveis aumentam principalmente com o ganho de peso, proveniente do excesso de gordura ou de açúcar.