PUBLICIDADE

Topo

Benefícios dos alimentos

Carambola é aliada do intestino e pele: veja benefícios e contraindicações

iStock
Imagem: iStock

Lucas Aellos

Colaboração para o VivaBem

28/09/2020 04h00

De cor amarela vibrante, sabor doce e meio ácido e em formato de estrela (em inglês, inclusive, é chamada de fruta-estrela), a carambola realmente brilha aos olhos —e também para o resto do corpo. É riquíssima em vitamina C e boa fonte de fibras. Mas também inspira cuidados para quem vive com doenças renais crônicas.

Uma pesquisa no PubMed (base de dados da literatura médica) mostra que, ao contrário de outros alimentos, como o aipo e o pêssego, os estudos científicos sobre a carambola são mais tímidos. Uma das explicações pode ser a baixa adesão da fruta à dieta ocidental.

Veja, a seguir, alguns motivos para incorporar a carambola ao seu dia a dia —e um motivo para tomar cuidado com os excessos.

Carambola - iStock - iStock
Imagem: iStock

1. Previne o envelhecimento precoce da pele

Ação antioxidante — que protege as células dos efeitos dos radicais livres, que podem causar problemas nas células que antecipam seu envelhecimento e até podem provocar doenças crônicas — e estímulo ao organismo para produzir colágeno —proteína responsável por dar firmeza e elasticidade para a pele —: esses dois componentes estão na carambola graças à presença de vitamina C.

Em 100 gramas da fruta (o que equivale a uma unidade e meia, de tamanho médio) contém 60,9 miligramas do nutriente. Essa quantidade é quase o total do que uma mulher adulta precisa ingerir diariamente (75 mg) e cerca de 70% do que um homem adulto necessita por dia (90 mg).

2. Combate a prisão de ventre

Ir ao banheiro regularmente (pelo menos três vezes por semana) para fazer cocô é essencial para viver com qualidade. É somente assim que se evita a constipação e outros problemas mais sérios que podem surgir.

Para que o organismo funcione bem nessa área, é preciso ingerir fibra alimentar, costumeiramente mais abundante em frutas, verduras e legumes. Para você ter uma ideia, 100 g de carambola contém 2 g de fibra —um mamão papaia, na mesma quantidade, tão popular na dieta brasileira, tem 1 g de fibra alimentar. A ingestão de fibras também promove a sensação de saciedade, reduzindo a vontade de comer mais.

3. Aliada de quem quer perder peso

Para quem gerencia o peso, a carambola pode ser uma boa opção de lanche. Uma unidade e meia da fruta, de tamanho médio, contém 46 calorias. A ideia de uma alimentação equilibrada é que haja o consumo variados de alimentos. Então, vale ressaltar que a carambola pode ser um das suas possibilidades —mas não a única.

Carambola - iStock - iStock
Imagem: iStock

Benefícios em estudo

Estudos em camundongos chegaram a conclusão que, pelo menos nesse bicho, os compostos bioativos da carambola teriam poder para prevenir esteatose hepática (gordura no fígado), reduzir os níveis de colesterol, além de ser uma fruta aliada a proteção do câncer de fígado.

Contraindicações

Apesar de ser um alimento bastante positivo para a saúde, a carambola não pode ser consumida indiscriminadamente por qualquer pessoa. A fruta contém uma substância chamada caramboxina, que traz problemas para quem vive com alguma doença renal crônica. Isso porque, nesses casos, quando os rins já estão perdendo a capacidade de filtrar substâncias, a caramboxina não é eliminada e o acúmulo pode causar toxicidade neurológica, levando a sintomas como vômitos, convulsões, confusão mental, coma e, em casos raros, levar a morte. Para quem tem problemas renais, a orientação sobre consumir a carambola tem que ser decidida junto com um profissional de saúde. Pessoas saudáveis não precisam se preocupar com isso.

Fontes: Clarissa Hiwatashi Fujiwara, nutricionista, coordenadora de Nutrição da Liga Acadêmica de Obesidade Infantil do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo) e membro da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Síndrome Metabólica); Edson Credidio, médico nutrólogo e clínico geral, doutor em Ciências de Alimentos e PhD em alimentos bioativos pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas); e Gabriela Cilla, nutricionista clínica, funcional e esportiva da Clínica NutriCilla.

Benefícios dos alimentos