PUBLICIDADE

Topo

Conexão VivaBem

Saúde da mulher


"Sexualidade da mulher ainda é vista como algo vulgar", diz Babi Xavier

Do VivaBem, em São Paulo

10/09/2020 11h00

No Conexão VivaBem desta quinta-feira (10), Babi Xavier comentou que a masturbação feminina e o orgasmo da mulher são vistos sob dois aspectos pela sociedade: uma exibição para o parceiro ou ato de vulgaridade.

"Primeiro, há uma ideia equivocada do homem achar que a mulher vai se masturbar, se tiver na presença dele, para ele. É como um show, uma exibição, olha como sou desejável, olha como você tem que me escolher mesmo, em detrimento de qualquer outra opção", disse ela. "Além disso, exige muito essa ligação de que a mulher que tem uma sexualidade presente, forte como ela é, resolvida, é vulgar".

Segundo a artista e comunicadora, é óbvio que a realidade não é assim. "Você não é vulgar porque você gosta do seu corpo, tem consciência dele e se conhece a cada momento da sua vida. Não tem nada de vulgar, pelo contrário, isso pode intimidar quem não é resolvido com relação a isso, quem acha que vai se sentir diminuído com relação a isso. O homem achar que o orgasmo da mulher é só uma cena, que ela na verdade não precisa fazer isso, porque ela tem a penetração ali para isso, isso é uma bobagem", disse.

Masturbação ainda é tabu

A ginecologista e sexóloga Sandra Scalco disse que, segundo suas pesquisas, de 50 a 80% das mulheres já se masturbaram ao longo da vida. Mas ainda recebe pacientes que dizem nunca ter se tocado. "Muitas nem se olham, acham feio", disse.

Scalco questionou por que as mulheres não tocam na vulva, se tocam, por exemplo, no próprio braço. Seria esperado que no desenvolvimento sexual, ao longo da adolescência, a pessoa se tocasse, experimentasse. "Nos faz questionar o que aconteceu no desenvolvimento sexual normal que isso não aconteceu. Nunca ter orgasmo geralmente está associado com algumas questões como essa, de quem nunca se tocou, além de repressão", disse.

Mesmo entre as mulheres que se masturbam, a prática pode ser tolida durante o sexo heterossexual. A especialista contou que muitas entram na cena sexual pensando que o parceiro é quem vai proporcionar o orgasmo. Por questões de educação e cultural, elas delegam essa responsabilidade. "Tanto é que até a prática simples de se tocar na frente do parceiro gera uma certa vergonha".

Além disso, como os homens veem o sexo como algo muito falocêntrico, o casal acha que não seria necessária a masturbação feminina durante a prática. "E aí ela fala 'Não precisa'. Mas não é uma questão de precisar. Quanto mais prática, quanto mais criatividade se usar, inclusive se tocar, que bom, Não é tolir ou delegar toda a responsabilidade para o parceiro".