PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Sozinho e em uma emergência? Veja como se socorrer em diferentes situações

Está numa emergência médica e sozinho? Saiba o que fazer até a ajuda chegar - iStock
Está numa emergência médica e sozinho? Saiba o que fazer até a ajuda chegar Imagem: iStock

Marcelo Testoni

Colaboração para VivaBem

03/09/2020 04h00

Imagine que você caiu da escada, cortou a perna, que está sangrando muito, e ainda suspeita ter quebrado algum osso. O problema é que não tem ninguém para te socorrer. Em situações críticas como essa é preciso ter calma, gritar por ajuda e, se conseguir, acionar o Samu pelo 192 ou os Bombeiros pelo 193 e prestar os primeiros socorros em si mesmo, até ser resgatado.

Caiu e fraturou ou tem dor?

Homem com braço quebrado, fratura, no hospital - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Em se tratando de fraturas, expostas ou não, mantenha o membro afetado o máximo possível parado e não tente imobilizá-lo ou recolocar osso algum no lugar, para evitar complicações e deformidades.

"Agora, se for uma fratura pequena, no antebraço ou na mão, você pode colocá-los em posição de conforto próximo do abdome, como se estivesse de tipoia, para procurar ajuda", orienta Luiz Cláudio Lacerda Rodrigues, ortopedista e membro da SBOT (Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia) e da SBC (Sociedade Brasileira de Coluna).

Bateu o pescoço ou as costas e sente dores locais? Analise primeiro se consegue mexê-los. Se não, permaneça assim. Se for levantar, que seja devagar, sem forçar ou inclinar o tronco e a cervical. Segundo Rodrigues, geralmente a dor que é grave tem uma intensidade muito mais forte que a de uma pancada, piora com qualquer movimento e é incapacitante. "Enquanto pancadas e processos inflamatórios melhoram com repouso e aplicação de gelo", acrescenta.

Cortes e sangramentos

Corte - Steven Ryan/Getty Images/AFP - Steven Ryan/Getty Images/AFP
Nate Diaz sofreu corte durante luta, mas não é só atleta que corre esse risco não...
Imagem: Steven Ryan/Getty Images/AFP

Lavar cortes superficiais com água corrente e fria ajuda a estancá-los, pois a temperatura baixa diminui o diâmetro dos vasos sanguíneos (vasoconstrição). Já para controlar sangramentos maiores e mais sérios, pode se utilizar uma toalha ou um pano limpo sobre o local e pressioná-lo de leve até que a ajuda chegue.

"Cobrir com compressa ainda protege e evita que algo caia sobre a ferida, contaminando-a ainda mais", informa Natan Chehter, geriatra pela SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia) e da BP - A Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

Tente ainda elevar a região que sangra na tentativa de reduzir a circulação e o sangramento. Amarrar e apertar torniquetes (pedaços de pano ou corda em torno do membro, para interromper o fluxo de sangue) é um procedimento considerado perigoso e arriscado, portanto, usado em último caso, em hemorragias arteriais e mutilações com risco de morte.

Engasgo exige rapidez e técnica

engasgar - iStock - iStock
Imagem: iStock

A incapacidade de respirar ocorre quando algo desce pela boca e "erra" ou "trava" no caminho. Tossir repetidamente, na maioria das vezes, resolve, pois expulsa o que está entalado para fora. Agora, se não funcionar, o jeito é arriscar alguns métodos de desengasgo.

A manobra de Heimlich, aplicada quando alguém abraça por trás e pressiona a vítima pouco acima da barriga, pode ser adaptada para uma versão solo. Posicione uma das mãos fechada na altura do umbigo e, com a outra, segure o punho e pressione o abdome de baixo para cima, com força e várias vezes seguidas. Tem que tentar fazer isso até a respiração voltar.

"A grande questão é ter força para conseguir comprimir a região do epigástrio, o que sozinho é muito mais difícil. Já em caso de engasgo com água, vale tentar respirar pelo nariz, assim como nos afogamentos", esclarece Vanessa Prado, cirurgiã do aparelho digestivo do Hospital 9 de Julho, em São Paulo, e membro da SBCP (Sociedade Brasileira de Coloproctologia).

Outro método, repercutido em 2012 por Jeff Rehman, um bombeiro e paramédico americano em um vídeo que teve quase 10 milhões de acessos, consiste em se ajoelhar com as mãos no chão, ficando de quatro, e depois elevar os braços e se jogar com a barriga no chão. Vai doer, mas, com o impacto, o ar dos pulmões acaba empurrando para fora tudo o que estiver preso.

Caiu no olho e arde muito

Olho, visão, problemas oculares - iStock - iStock
Imagem: iStock

Se houver exposição dos olhos a agentes tóxicos, como cola instantânea, tinta e solvente, por exemplo, devemos lavá-los imediatamente, antes de procurar um pronto-socorro. O ideal é que se use água filtrada ou mineral, mas como se trata de uma emergência pode se utilizar soro fisiológico e água da torneira, que geralmente não é indicada para o interior dos olhos.

Caso o olho fique vermelho e sensível, com ele fechado faça compressas com pano limpo ou algodão embebidos em água fria, não gelada, e o proteja do sol. A caminho do médico, você pode fazer ainda um curativo, mas nunca apertado e compressivo.

"Tentar retirar corpos estranhos de dentro do olho, principalmente os metálicos, capazes de impregnar na córnea, e os de plantas, que causam infecções graves, também é contraindicado. Na tentativa, a pessoa pode até arrancar a íris, por isso deve ser feito por um especialista e com equipamentos adequados", adverte Lísia Aoki, oftalmologista do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

"Acho que estou infartando"

Infarto do coração - iStock - iStock
Imagem: iStock

Se apresentar ao mesmo tempo suor frio, pontadas agudas no peito, dificuldade para respirar, tontura, dor no queixo e dormência no braço esquerdo, não perca tempo. Como já citado, ligue imediatamente 192 ou 193 para pedir socorro.

Ao esperar pelo resgate, permaneça sentado no chão, com roupas, sapatos e acessórios afrouxados para facilitar a respiração e a circulação e, se não for alérgico e hipersensível à aspirina, tome dois comprimidos desse remédio.

"A aspirina inibe a aglomeração de partículas de sangue, as plaquetas, reduzindo um dos mecanismos associados ao infarto, isto é, a produção de coágulos, que podem entupir as artérias", explica Juliana Soares, cardiologista pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) e do Hospital Israelita Albert Einstein.

Prefere ir direto para o hospital? Chame um táxi ou carro por aplicativo, mas não ouse dirigir, para não colocar a sua vida e a das demais pessoas em perigo. Também é importante não comer ou beber algo na tentativa de melhorar, pois chegando ao hospital é preciso fazer exames e para passar por procedimentos em jejum.

Se prepare para um desmaio

Sono; coração; infarto; desmaio - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Começou a ter sintomas desse "apagão", como queda de pressão, suor excessivo, enjoo e palpitações, deite imediatamente com a cabeça virada de lado, para evitar que vomite e aspire, ou fique agachado no chão, para não se machucar na queda.

Para aumentar o fluxo sanguíneo no cérebro, sentada a pessoa também deve procurar manter a cabeça em um nível mais baixo, entre os joelhos, por exemplo, e deitada levantar as pernas para o alto. É aconselhável respirar fundo várias vezes, para controlar a ansiedade, e também afrouxar as roupas pelos motivos há pouco citados: melhorar respiração e circulação.

"Beba bastante líquido, como água e bebidas isotônicas, que contêm sódio e eletrólitos e repõem a hidratação", recomenda Aline Turbino, neurologista e mestre em neurociências pela Unifesp. Comer algo doce ou salgado pode ajudar. Enquanto o açúcar melhora os níveis de glicose, o sal eleva a pressão, se ela estiver caindo.

Mas atenção: "Uma pitada de sal embaixo da língua não é o suficiente para elevar a pressão sanguínea rapidamente", lembra Marcus Yu Bin Pai, fisiatra e médico pesquisador do departamento de neurologia do HC-FMUSP.

Queimadura não é tudo igual

Queimadura na mão - iStock - iStock
Imagem: iStock

Existem classificações relacionadas com a profundidade de cada uma. Na queimadura de primeiro grau é atingida a camada superficial da pele (epiderme). Já a de segundo grau é mais profunda, apresenta bolhas e, em casos graves, até desprende a pele e destrói músculos e nervos. A queimadura de terceiro grau é a pior, pois destrói o tecido até chegar ao osso.

Quanto aos primeiros socorros, na queimadura de primeiro grau esfrie a região atingida sob água corrente morna ou fria, sem jato forte para não doer, por alguns minutos. Não passe gelo. Depois, sobre a lesão, utilize compressas úmidas e frias. Se quiser, use na pele pomada específica para cicatrização, mas nada de aplicar creme dental. Tome um analgésico, se estiver incomodando muito e, ao sair de casa, proteja a área aplicando sobre ela filtro solar.

No caso das outras queimaduras, de segundo e terceiro graus, ou em grandes extensões, causadas por produtos químicos ou eletricidade, os cuidados são hospitalares, mesmo que elas não doam tanto. A caminho do pronto-socorro, beba bastante água para se hidratar, não toque a lesão, nem fure bolhas ou tente descolar tecidos e o que estiver preso na queimadura.

"Se a roupa estiver colada na pele, tente rasgá-la ou cortar ao redor. A queimadura também pode provocar inchaço, assim, devem ser retirados itens que comprimam, como cintos e anéis", orienta Juliana Toma, dermatologista pela Unifesp.

Saúde