PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Pesquisadores indicam três novos fatores de risco para demência

iStock
Imagem: iStock

Nicola Ferreira

Da Agência Einstein

10/08/2020 11h58

No Brasil, cerca de 1,4 milhão de brasileiros apresentam sintomas das demências neurodegenerativas - enfermidades como o Alzheimer, que apesar de já terem alguns medicamentos capazes de controlar os sintomas, não possuem cura e não podem ser revertidas. Por não terem cura, alguns cuidados com a saúde do cérebro podem reduzir as chances para a doença.

No dia 30 de julho, a revista científica britânica The Lancet publicou um relatório com 12 fatores de risco que ao serem evitados podem prevenir ou atrasar o aparecimento destas demências.

Nesta última versão, a lista elaborada por uma comissão formada por 28 pesquisadores de todo mundo ganhou três novos itens: consumo excessivo de álcool, trauma craniano e poluição. Eles se unem ao baixo nível educacional, perda auditiva, hipertensão, obesidade, fumo, depressão, isolamento social, inatividade física e diabetes.

Segundo os pesquisadores do The Lancet, seguir todas as recomendações de hábitos saudáveis pode reduzir ou prevenir 40% dos novos casos de demência.

"O consumo de álcool é deletério para os nossos neurônios, matando-os, além de lesar os vasos sanguíneos. A poluição está vinculada ao desenvolvimento de fatores vasculares como hipertensão. Por fim, o trauma craniano que causa perda de consciência afeta o tecido cerebral pode desencadear a perda da função mental e levar a um quadro de demência", afirma Ivan Okamoto, médico neurologista do Hospital Israelita Albert Einstein.

Envelhecimento normal X demência

"No Brasil, mais da metade dos casos de demência ainda não são notificados. Ainda há a crença, por boa parte da população e até médicos de que todo idoso vai ficar demente. Este pensamento começou a ser mudado de 20 anos para cá. Temos que diferenciar o envelhecimento normal daquele que ocorre com demência", conta Ivan Okamoto.

O neurologista comparou o processo de envelhecimento com a vida de um computador e seu processador. "Quando você compra um notebook, ele funciona normalmente, o processador está rápido. Ao ficar mais velho, o processador vai ficando mais lento e isso é normal.

No envelhecimento é igual: o idoso pode demorar um pouco mais para tomar uma ação, mas normalmente não ocorre problemas na funcionalidade motora e perda de memória, embora ele possa ter dificuldade para guardar novas informações. O surgimento de algum desses sintomas pode indicar demência e precisa ser investigado", diz o especialista.

Saúde