PUBLICIDADE

Topo

Saúde

Sintomas, prevenção e tratamentos para uma vida melhor


Saúde

Estudo da USP confirma caso de reinfecção por coronavírus em apenas 50 dias

Técnica de enfermagem ficou assintomática somente por 38 dias entre uma infecção e outra - Getty Images/EyeEm
Técnica de enfermagem ficou assintomática somente por 38 dias entre uma infecção e outra Imagem: Getty Images/EyeEm

Do VivaBem, em São Paulo

06/08/2020 13h40

Um estudo conduzido pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP), que pertence à USP (Universidade de São Paulo), concluiu que houve um caso de reinfecção por coronavírus de um paciente num intervalo de apenas 50 dias, tempo entre o primeiro e o segundo diagnóstico positivo para a covid-19. A análise permite confirmar a condição rara, que até agora só tinha sido relatada em um caso parecido nos Estados Unidos.

A paciente, analisada por pesquisadores do Departamento de Medicina Social da faculdade, é uma técnica de enfermagem de 24 anos. A mulher tinha um histórico de cefaleia e sobrepeso, mas não apresentava comorbidades crônicas relacionadas à covid-19. Ela contraiu o coronavírus pela primeira vez no exercício da profissão.

No dia 4 de maio, a paciente teve contato com um colega de trabalho com covid-19. O primeiro diagnóstico positivo veio nove dias depois e a técnica de enfermagem se recuperou bem da doença, com o fim dos sintomas em dez dias. Foram somente 38 dias assintomática até a segunda infecção.

Em 27 de junho, os sintomas da covid-19 voltaram e ela teve um novo diagnóstico positivo para a doença em 2 de julho, 50 dias após o primeiro teste que confirmou a contaminação. Desta vez, porém, a infecção não evoluiu tão bem quanto na primeira oportunidade.

Além de ter mais dois familiares contaminados, a técnica de enfermagem teve sintomas mais fortes durante 12 dias. No entanto, indícios mais leves da doença como cefaleia permaneciam até o momento do início do estudo, totalizando 33 dias após o início dos sintomas.

Atenção das autoridades

Para os pesquisadores, o caso requer atenção do poder público. "Essa constatação traz implicações clínicas e epidemiológicas que precisam ser analisadas com cuidado pelas autoridades em saúde", afirma o texto do estudo.

Segundo a publicação, apenas um caso, relatado em Boston, tem grande semelhança com o da técnica de enfermagem, já que casos de reinfecções podem ser facilmente confundidos com "falsos positivos".

"O presente relato confirma que, ainda que extremamente rara, a reinfecção por Sars-Cov-2 (novo coronavírus) e o adoecimento por covid-19 em mais de uma ocasião são eventos possíveis", conclui o estudo.

Saúde